X
X

Diário da Região

20/03/2015 - 17h00min

São Paulo

Dólar recua com exterior em dia de realização de lucros

São Paulo

O clima positivo no exterior, marcado pela busca por ativos de maior risco, abriu espaço nesta sexta-feira, 20, para a queda firme do dólar ante o real no Brasil. Após uma manhã de volatilidade intensa, a moeda americana se firmou em baixa em sintonia com o cenário internacional, onde as negociações entre autoridades da Grécia e da zona do euro parecem estar avançando. E após o dólar ter atingido ontem o maior nível em quase 12 anos no Brasil, também havia espaço para realização de lucros (venda de moeda). O dólar à vista de balcão cedeu 1,76%, aos R$ 3,2370. Em um total de 15 sessões em março, esta foi a quarta em que o dólar caiu ante o real. O dólar para abril - o mais líquido e o que serve de referência para o câmbio brasileiro - cedia 1,69%, aos R$ 3,2485. Pela manhã, o dólar oscilou entre altas e baixas e chegou a marcar, às 9h31, a máxima de R$ 3,3140 (+0,58%) no balcão. No exterior, o viés já era claramente de baixa para o dólar, com os mercados enxergando um futuro menos nebuloso para a Grécia. Hoje, o país pagou uma parcela de 340 milhões de euros de um empréstimo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o primeiro-ministro Alexis Tsipras afirmou que a "Grécia sai mais otimista do encontro" com líderes europeus. A Alemanha ainda é um obstáculo, sendo que a chanceler Angela Merkel aguarda uma lista de reformas da Grécia para a próxima semana, mas já se mostrou aberta à possibilidade de desembolsos antecipados para Atenas. Ainda pela manhã, a moeda se firmou no terreno negativo também no Brasil, com a realização de lucros predominando. Ordens de stop foram batidas, o que amplificou a pressão de baixa. E exportadores também aproveitaram para internalizar recursos quando o dólar no balcão superou os R$ 3,31. A pressão baixista aumentou durante discurso da presidente Dilma Rousseff, no Rio Grande do Sul. Entre outras coisas, ela voltou a defender os ajustes fiscais e destacou que o Orçamento da União foi aprovado e, "assim que sancionado, vamos fazer contingenciamento". Dilma destacou ainda que as flutuações cambiais não quebram o País - ao contrário do que ocorria no passado - e que quanto mais rápido o ajuste for feito, mais rapidamente o País sairá da situação de restrição. Neste cenário, o dólar à vista de balcão marcou a mínima de R$ 3,2040 (-2,76%) às 13h34. Da máxima vista mais cedo para esta mínima, a moeda oscilou -3,32%, num claro sinal de forte volatilidade. Profissionais ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, lembraram que especuladores têm se aproveitado para puxar as cotações para um lado ou para outro em função da crise política. À tarde, houve certa desaceleração da baixa das cotações, em um movimento considerado normal pelo mercado.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso