X
X

Diário da Região

08/01/2016 - 17h48min

São Paulo

Dólar cai 0,37% no Brasil, apesar de avanço no exterior

São Paulo

Numa sessão marcada pela baixa liquidez e por operações técnicas, o dólar fechou nesta sexta-feira, 8, em baixa ante o real, na contramão do exterior. A forte geração de vagas nos EUA em dezembro deu força à moeda americana lá fora, mas os investidores no Brasil aproveitaram preços mais elevados para vender dólares. Sempre que a cotação se aproximava dos R$ 4,05, surgia um movimento vendedor. Assim, o dólar à vista terminou o dia em queda de 0,37%, aos R$ 4,0340, mas acumulou nesta primeira semana do ano alta de 1,87%. A divisa para fevereiro, que encerra apenas às 18 horas, cedia 0,39%, aos R$ 4,06050. No início do dia, o viés global para o dólar era negativo. Isso porque a China manobrou para que o yuan subisse ante o dólar - algo que não ocorria há nove sessões - e a bolsa de Xangai avançou 2%. Neste cenário mais calmo, o dólar abriu em baixa ante o real no Brasil. O fato de a cotação de fechamento na quarta-feira estar próxima dos R$ 4,05 também contribuía para as vendas, com exportadores aproveitando para internalizar recursos. Perto das 9h50, o dólar praticamente zerou as perdas, com os investidores à espera do relatório de empregos dos EUA (payroll). Quando os números saíram, o dólar ganhou força no exterior e passou a subir ante várias divisas, mas no Brasil foi, inclusive, registrada nova mínima, ainda com exportadores aproveitando as cotações e players comprados no mercado futuro realizando parte dos lucros recentes. O dólar à vista marcou a mínima de R$ 4,0068 (-1,04%) às 11h36. Os dados mostraram a criação de 292 mil empregos nos EUA em dezembro, bem acima da previsão de 210 mil vagas. Além disso, a criação de vagas em novembro foi revisada de 211 mil para 252 mil e a de outubro de 298 mil para 307 mil. Os números reforçaram a percepção de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) tende a dar continuidade no processo de normalização da política monetária em 2016, com novas altas nas taxas de juros. Como a liquidez no Brasil era baixa, as operações de venda acabavam intensificando o efeito negativo nas cotações. Com o dólar mais baixo, surgiram compras, o que reacelerou as cotações, mais em sintonia com a alta vista lá fora. No fim, porém, o dólar sustentou leve perda ante o real. Foi o primeiro recuo após duas sessões seguidas de ganhos.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso