Diário da Região

05/07/2016 - 00h00min

Economize

Custo dos alimentos dispara em Rio Preto em junho

Economize

Johnny Torres Nos supermercados de Rio Preto, o preço do quilo do feijão já supera os R$ 10
Nos supermercados de Rio Preto, o preço do quilo do feijão já supera os R$ 10

O custo da cesta básica disparou em Rio Preto. Em junho, houve aumento de 11,76% de acordo com pesquisa das Faculdades Integradas Dom Pedro 2º e a cesta fechou cotada a R$ 1.190, contra R$ 1.064 registrados em maio deste ano.

O grande vilão do mês foi mesmo o feijão, como já se vinha observando nas últimas semanas. O produto teve aumento de 70,4% no mês passado. Mas ele não foi o único responsável pelo aumento significativo. Dos 15 alimentos pesquisados mensalmente em Rio Preto, apenas o óleo de soja teve queda, de 2,9%.

O economista Bruno Sbrogio explica que a quebra da safra do feijão provocou o problema do aumento de preços. Menos oferta significa produto mais caro. "Esse é mais um complicador num momento de crise, de inflação resistente e em alta e também de queda no poder de compra do brasileiro, que está endividado", afirma.

E a questão mais grave é que, tanto o arroz como o feijão, a dupla "perfeita" da alimentação do brasileiro, são produtos básicos muito difíceis de serem substituídos. E esse impacto ocorre na alimentação em casa e fora dela.

O consumidor pode optar por outras variedades de feijão e de leguminosas, mas quem gosta, não abre mão. "E, além disso, tudo que for similar ao feijão, sobe junto."

O aumento nos preços dos alimentos foi generalizado em junho. Além do feijão, a batata aumentou 17,3%; o leite subiu 15,08% e o tomate teve alta de 12,09%.

No acumulado do período de 12 meses, a cesta registra alta de 12,84%. Até então, apenas janeiro havia sido de alta, de 5,98%. Os outros meses tiveram queda nos preços.

Com o resultado de junho, o valor do salário mínimo ideal para uma família de quatro pessoas deveria ser de R$ 3.308, segundo a professora de matemática estatística Patricia Correia de Souza Menandro. Em maio, o valor ideal deveria ser de R$ 2.957.

A disparada de preços também aumentou a variação entre a cesta mais cara e a mais barata. Os extremos registrados na cidade foram R$ 989,58 e R$ 1.491.

Remédios de referência
O técnico em manutenção de postos de combustíveis Nivaldo Ferreira gasta em média R$ 400 com remédios para a mãe. Para que o valor não seja ainda maior, Ferreira procura pesquisar preços entre algumas farmácias, priorizando as que oferecem um desconto melhor. “Outra opção é retirar alguns medicamentos nos postinhos de saúde, o que também ajuda a economizar”, disse. 

Pesquisa

Na pesquisa desta terça-feira, veja os preços de 86 medicamentos de referência pesquisados em cinco farmácias de Rio Preto. A maior variação foi observada no preço do Tecta, de R$ 37,49, com valores extremos a R$ 239,51 
e R$ 277.

Clique AQUI para ver a pesquisa da preços

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso