X
X

Diário da Região

07/04/2015 - 13h27min

Nova York

Crescimento de emergentes requer ação de governos, diz economista do FMI

Nova York

Sem ação dos governos, o crescimento potencial dos países emergentes vai declinar nos próximos anos e o dos países desenvolvidos terá crescimento, mas em nível inferior ao que era no passado, afirmou o economista do Fundo Monetário Internacional (FMI), Davide Furceri, nesta terça-feira, 7 O padrão de crescimento potencial dos países emergentes, que até agora tem tido comportamento similar, pode nos próximos anos ficar menos homogêneo, afirmou Furceri. "Olhando pra frente, devem ter fatores específicos em algumas economias emergentes, como Brasil e Rússia, que podem ser diferentes. Cada um dos países tem suas especificidades, como a China tentando rebalancear sua economia e outros países podem enfrentar outros desafios", disse. Para estimular o crescimento potencial, quando um país cresce sem gerar inflação, a recomendação do FMI é a de que os governos, no caso dos países emergentes, melhorem a infraestrutura, para eliminar gargalos, e façam reformas importantes na economia, que melhorem o ambiente de negócios e estimulem os empresários a investir. "Aumentar o gasto em infraestrutura é um fator chave", disse Furceri. O vice-chefe do departamento de pesquisa do FMI, Daniel Leigh, ressaltou ainda que o investimento privado tem caído nos países avançados e desenvolvidos e há sinais de que está contribuindo para reduzir o crescimento de longo prazo. A queda na crise de 2008 foi maior que em outros períodos de recessão e desde então a tem havido pouca recuperação, afirmou Leigh. Para estimular o investimento privado, o economista ressalta que é essencial que os governos tenham um diagnóstico correto dos motivos que levam empresários a não investir. "Se o baixo investimento é apenas reflexo da fraca atividade econômica, então medidas para estimular a atividade podem ser usadas", disse ele. Mas se for consequência de incerteza política e de fraquezas no sistema financeiro do país, estes problemas precisam ser resolvidos antes. O FMI prevê que depois de os emergentes apresentarem um crescimento potencial de 6,5% entre 2008/2014, a taxa deve cair para 5,2% entre 2015/2020. Nos países desenvolvidos a taxa deve subir de 1,3% de 2008/2014 para 1,6% entre 2015/2020. Mesmo com a melhora, o nível deve ser menor do que era antes da crise financeira mundial, quando os países desenvolvidos tinham expansão potencial média de 2,2%.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso