X
X

Diário da Região

08/06/2016 - 10h46min

Nova York

Cenário no Brasil é ainda 'desafiador', avalia Banco Mundial

Nova York

O Banco Mundial revisou para baixo as projeções de evolução do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e prevê agora retrações de 4% este ano e de 0,2% em 2017. Os dois números são piores do que o estimado em janeiro pela instituição no relatório Perspectivas Econômicas Globais, que previa naquele momento queda de 2,5% em 2016 e expansão de 1,4% no próximo ano. A instituição divulgou na terça-feira, 7, uma atualização do documento. O relatório destaca que Brasil e Rússia devem ter este ano uma recessão maior que o inicialmente esperado. Entre os principais países da economia mundial, o Brasil deve ter o pior desempenho do PIB este ano. A previsão é de que a economia russa encolha 1,2%. Em 2018, o Brasil deve voltar a ter crescimento positivo, de 0,8%. Também nesse período o número é menor do que o previsto em janeiro pela instituição, de expansão de 1,5%. "O cenário para o Brasil permanece desafiador", afirma o relatório do Banco Mundial. A forte contração esperada para 2016 deve contaminar os números de 2017. Além disso, o banco ressalta que a piora na renda das famílias, a alta do desemprego, o ajuste fiscal esperado do novo governo e a incerteza política devem pesar na atividade nos próximos meses. "Se a incerteza política continuar, a implementação de medidas fiscais pertinentes pode ser atrasada, pesando no investimento", afirma o documento. "Enquanto a inflação dá mostras de começar a desacelerar, uma política monetária apertada deve continuar no curto prazo, na medida em que os índices de preços permanecem acima da meta." O Banco Mundial ressalta que o clima de "tensão e incerteza política" permanece no País e pode atrasar a aprovação de medidas essenciais para melhorar a confiança de investidores e consumidores. O texto detalha que a confiança caiu para níveis historicamente baixos, como reflexo da Operação Lava Jato e do clima político. Além disso, a inflação tem ficado persistentemente alta, o que ajuda a comprometer a renda das famílias, que já vem sendo afetada pela alta do desemprego. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso