X
X

Diário da Região

27/02/2015 - 13h53min

São Paulo

CBIC: mudança na folha de pagamentos anula ganho com desoneração na construção

São Paulo


O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, expressou sua "extrema indignação" com as alterações na tributação da folha de pagamentos anunciadas nesta sexta-feira, 27, pelo governo. De acordo com ele, o aumento da alíquota de 2% para 4,5% sobre o valor da receita bruta anula os ganhos obtidos pelo setor com a desoneração aprovada em 2011, e para as empresas a opção pode ser até mais custosa do que os antigos 20% do faturamento.

"A mudança é ainda pior porque gera um fator de insegurança. Não tem cabimento, eu faço uma obra que precisa de um ciclo longo de investimentos e as regras mudam no meio do caminho", disse Martins em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. "O governo aumentou em 2,5 pontos porcentuais os custos de todos os investimentos do País."

O presidente da entidade reclamou ainda da falta de transparência da equipe econômica, que, segundo ele, não discutiu as medidas em nenhum momento com o setor. "Se conversássemos com antecedência, poderíamos ter amenizado o problema, mas levamos um susto hoje de manhã ao acordar", criticou.

A Medida Provisória 669, publicada hoje no Diário Oficial da União revisa as regras da desoneração da folha de pagamento de setores produtivos. A partir de junho, as empresas que recolhiam 2% do faturamento para a contribuição da previdência de seus funcionários passarão a pagar 4,5% da receita.

A alíquota permanecerá em 2% para o caso das obras de construção civil inscritas no Cadastro Específico (CEI) do INSS a partir de 31 de março de 2013 até a véspera da edição da MP. Para as obras de engenharia pesada, no entanto, o aumento passa a valer mesmo para os projetos em andamento.

Para as incorporadoras, que nunca foram incluídas nas medidas de desoneração, continua valendo a regra antiga, explica Martins. Como a lista de beneficiados leva em conta o faturamento preponderante no exercício anterior, as empresas que têm a maior parte de sua receita proveniente da venda de imóveis, e não da construção, não foram favorecidas pela redução em 2011.

A desoneração da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamentos foi adotada em 2011 para reduzir os gastos com a mão de obra. Naquele ano, o governo passou a desonerar a folha de alguns setores substituindo o imposto de 20% sobre o salário por uma alíquota cobrada do faturamento das empresas, que variava de 1% a 2% dependendo da companhia.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso