X

Diário da Região

12/06/2015 - 19h38min

Brasília e São Paulo

Brasil pode destravar exportações de carne bovina in natura para Arábia Saudita

Brasília e São Paulo

O Brasil tem chances de destravar as exportações de carne bovina in natura para a Arábia Saudita. Esta semana, representantes do reino árabe fizeram uma série de visitas e vistorias em plantas frigoríficas que podem dar fim a suspensão que teve início em 17 de dezembro de 2012. Também está em pauta uma expansão das vendas de frango para o país. O grupo de sauditas esteve reunido, nesta sexta-feira, 12, com o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, em Brasília. No encontro, eles apresentaram considerações sobre as fábricas e plantas de bovinos e aves avaliadas e fizeram recomendações. A Arábia Saudita está em fase final de avaliação para retomar as importações de carne bovina in natura do Brasil. Na última semana, eles visitaram frigoríficos no Pará, Mato Grosso e Pernambuco, passando por duas fazendas, um laboratório e seis frigoríficos. Com o objetivo de expandir as compras de carne e outras partes de aves, os sauditas visitaram seis unidades produtoras, um laboratório e uma granja. A reabertura da Arábia Saudita é considerada um passo importante para o crescimento do comércio de carnes in natura, daria quase que um selo de credibilidade que diminuiria resistências frente a outros mercados árabes. Segundo especialistas, essa abertura tem potencial para ajudar a destravar negociações com países do Golfo Pérsico, como Kuwait, Bharein, Omã, Emirados Árabes Unidos e Catar. No ano passado, a exportação total do Brasil para a Arábia Saudita, incluindo outros produtos além de alimentos, somou US$ 2,542 bilhões e 5,332 bilhões de quilos. Desse total, US$ 1,217 bilhão foi em carnes, pedaços e miudezas de aves. Em 2012, a Arábia Saudita, assim como o Egito, suspendeu a importação de carne bovina in natura em decorrência de um caso de doença da vaca louca que havia sido registrado no Paraná dois anos antes. As vendas da proteína para o reino saudita, naquele ano, haviam somado US$ 200 milhões. No mesmo período, China, Japão e África do Sul também levantaram barreira semelhante para o produto brasileiro. Esse diálogo com os árabes faz parte do esforço que o Ministério da Agricultura deu início depois da posse de Kátia Abreu na pasta. Recentemente foi negociado a reabertura de oito plantas frigoríficas de bovinos para venda de carne para os chineses. Nos próximos meses, a ministra deve realizar uma missão à China e à Rússia para tentar fechar novos acordos de abertura comercial.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso