X
X

Diário da Região

25/11/2016 - 15h44min

São Paulo

Bolsas da Europa fecham em leve alta amparadas por ganhos em Wall Street

São Paulo

As bolsas europeias fecharam em leve alta esta sexta-feira, 25, em meio à baixa liquidez por causa de uma sessão mais curta em Nova York por causa do feriado de Ação de Graças. As praças se atrelaram à Wall Street, que caminha para mais um dia de recordes no fechamento. A boa performance do setor de saúde contribuiu para os ganhos. A bolsa de Londres terminou com ganho de 0,17%, aos 6.840,75 pontos; Paris avançou 0,17%, aos 4.550,27 pontos; Frankfurt subiu 0,09%, aos 10.699,27 pontos; Milão teve alta de 0,09%, aos 16.515,11 pontos; Madri teve acréscimo de 0,20%, aos 8.674,40 pontos, e Lisboa avançou 0,39%, aos 4.461,89 pontos. Em Nova York, o setor de varejo arranca ganhos por causa do Black Friday, o que acabou contagiando a Europa. A queda de 3% do petróleo, no entanto, limitou os ganhos. No Velho Continente, o setor de saúde também se destacou, encerrando com alta de 1,4%. Esta alta ocorre, em grande parte, depois que a farmacêutica suíça Actelion divulgou uma declaração confirmando que a Johnson & Johnson fez contato para uma possível compra. Em Londres, a AstraZeneca subiu 2,2%, após elevação de seu rating pela Liberum. Ainda no setor de saúde, o papel da Merck e da Fresenius Medical fecharam em alta superior a 1% em Frankfurt. Enquanto isso, a União Europeia está considerando um "acordo de transição pós-Brexit", assim que a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, invocar o "Artigo 50". Em Milão, os bancos pesaram nas negociações. As ações do Banca Monte Paschi foram suspensas após caírem 13%, mesmo após a aprovação de um aumento de capital de 5 mil milhões de euros (US$ 5,29 bilhões). Os bancos do país têm enfrentado dura resistência do investidor antes do referendo italiano sobre uma reforma na Constituição. A população italiana irá decidir no dia 4 de dezembro se apoia que o governo tenha mais poderes para aprovar reformas fiscais ou não. Os investidores temem que caso o "não" vença os bancos possam ser mais penalizados devido à instabilidade que irá gerar dentro do governo, uma vez que o premiê, Matteo Renzi, anunciou que renunciará.(Com informações da Dow Jones Newswires)

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso