X
X

Diário da Região

04/02/2015 - 16h00min

Brasília

Aliado do PT, presidente da CUT dispara críticas a Dilma Rousseff

Brasília


Declarado apoiador do PT, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, não poupou críticas ao governo Dilma Rousseff e classificou as alterações em regras trabalhistas como "um equívoco estapafúrdio".

"O governo meteu os pés pelas mãos, criou uma agenda 'negativíssima'", disse nesta quarta-feira, 4, se referindo ao ajuste fiscal encabeçado pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, a quem fez críticas, por implementar uma política econômica "regressiva". No fim de dezembro, o governo criou barreiras de acesso ao seguro-desemprego, abono salarial e pensão por morte. De acordo com Freitas, ministros afirmaram ontem, em reunião feita com sindicalistas, que existem condições de modificar as medidas.

Uma comissão tripartite, composta por centrais sindicais, poderes Executivo e Legislativo, vai iniciar uma discussão sobre o tema. Questionado se a fragilidade da base aliada no Congresso pode facilitar a flexibilização dos textos, que precisam ser aprovados em plenário, o presidente da CUT respondeu de forma positiva. "Nós temos um campo mais fértil para negociar as medidas na Câmara do que negociando com o governo", afirmou, ressaltando que a entidade pode ir à Justiça ou organizar greves caso as normas não sejam alteradas.

Apesar de defender a revogação total das medidas, o presidente da CUT assume que dificilmente vai alcançar o objetivo. "Eu sei que, quando você entra num processo de negociação, você não vai ter tudo que pleiteia conquistado", afirmou.

Nas eleições do ano passado, a CUT aprovou em assembleia o apoio à reeleição de Dilma, mas foi surpreendida pouco depois do resultado. "Eu fico muito surpreso quando o governo eleito adota medida ortodoxa. Significa paralisação da economia, recessão. Para o trabalhador, significa desemprego", avaliou Freitas na Câmara dos Deputados, onde membros da CUT visitam gabinetes nesta quarta para apresentar demandas da entidade.

"O governo cometeu um equívoco estapafúrdio, uma coisa desorientada, de editar medidas provisórias sobre assuntos que nós estávamos negociando desde 2007", disse o sindicalista, que defende outro modelo de ajuste fiscal, com tributação de grandes fortunas, criação de barreiras para a remessa de lucros ao exterior e reforma tributária.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso