X
X

Diário da Região

14/04/2016 - 00h00min

CONSCIENTIZAÇÃO

Acidentes de trabalho têm queda de 18,25% em 2015

CONSCIENTIZAÇÃO

Mara Sousa Acidentes na construção civil são causados por falta de cuidado e equipamentos irregulares, afirma o técnico em segurança Rinaldo Martins
Acidentes na construção civil são causados por falta de cuidado e equipamentos irregulares, afirma o técnico em segurança Rinaldo Martins

Uma boa notícia. O número de acidentes de trabalho em Rio Preto teve uma queda de 18,25% em 2015, na comparação com 2014. Ao todo, durante o ano passado, foram 8.936 acidentes, enquanto no ano anterior, foram 10.931. Junto com a redução no número de acidentes veio a queda dos óbitos decorrentes destes acidentes, que passaram de 22 para 15, ou seja, 31,82% a menos. Os dados são do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) de Rio Preto. A queda vem depois de uma considerável alta em 2014, quando o número de acidentes avançou 7% e o de óbitos, 120%.

Segundo Rinaldo Moyses Martins, técnico em segurança do trabalho do Cerest de Rio Preto, em quase todas as empresas visitadas pelo órgão houve redução no número de acidentes. “Esse é um reflexo do aumento da preocupação destas empresas e de seus funcionários com a situação. As empresas estão investindo mais em prevenção e conscientização, e agora vemos os resultados.”

Além disso, o desempenho mais fraco da economia também contribui para a redução, explica Martins. “A construção civil, por exemplo, um dos segmentos com o maior número de mortes e acidentes, teve uma queda considerável no número de empreendimentos, o que reflete em um número menor de trabalhadores.” Entre as principais causas para os acidentes estão o despreparo, a falta de qualificação, a pressa e a falta de atenção na hora de realizar o trabalho. “A maioria dos acidentes poderia ser evitada caso houvesse o cuidado do empregador e do empregado”, diz Martins.

De acordo com o técnico de segurança, os acidentes mais comuns são em metalúrgicas, com máquinas e equipamentos que atingem as mãos dos trabalhadores, e na construção civil, com quedas decorrentes da falta dos cintos de segurança e irregularidades nos andaimes utilizados.” Outra falha comum é a falta de análise da situação de trabalho e dos riscos envolvidos, principalmente na área de prestação de serviços. “Um técnico de telefonia, por exemplo, vai atender a um chamado sozinho, às vezes precisa subir em um telhado desconhecido sem nenhum apoio e ainda tem que lidar com um atendimento atrás do outro”, afirma Martins.

Maristela Aparecida Camilo, atualmente com 33 anos, foi vítima de um acidente de trabalho há oito anos, quando perdeu parte da perna direita trabalhando como mototaxista. “Fui fazer uma viagem para uma cidade vizinha e, ao cruzar um trevo, um carro acima da velocidade permitida me pegou. Tive fratura exposta no pé direito, quebrei clavícula e quadril. Internada tive um problema de circulação que levou à amputação”, conta.

Seminário quer conscientizar sobre o tema

Para conscientizar os trabalhadores de sua área, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Fabricação de Álcool, Químicas e Farmacêuticas de Rio Preto e Região (Sindalquim) realiza hoje e amanhã, em Rio Preto, o 7º Seminário de Saúde do Trabalhador. “Muitos acidentes acontecem hoje por falha do trabalhador, mas temos muitos que são por falta de envolvimento da empresa. Falta treinamento, orientação e cuidado. Não adianta dar um equipamento para o trabalhador e não passar instruções e cuidados.

A prioridade deve ser a vida”, afirma o presidente do Sindalquim, Almir Fagundes. Segundo Fagundes, esse é um trabalho importante e por isso o seminário recebe uma atenção especial ano a ano. “Acompanhamos os participantes, ouvimos o que eles têm a dizer e tentamos melhorar a cada ano.” Neste ano, entre os palestrantes estão enfermeiros, psicólogos, bombeiros e vigilância sanitária.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso