X
X

Diário da Região

20/10/2015 - 14h53min

Brasília

Acerto de contas para corrigir pedaladas exigirá redução da meta fiscal de 2015

Brasília

Com a certeza de que vai perder em novo julgamento no Tribunal de Contas da União (TCU), o governo desenha uma engenharia financeira para fazer um acerto de contas entre o Tesouro Nacional e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para o pagamento de despesas com subsídios do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). Essas despesas atualizadas somam cerca de R$ 24 bilhões. O TCU considerou que os subsídios foram "pedalados" (represados) pelo governo e mandou corrigi-los imediatamente. A União recorreu e aguarda o julgamento do Tribunal, o que deve ocorrer nos próximos dias. O relator é o ministro Vital do Rego. Com o acerto de contas, o Tesouro pagaria a dívida com subsídios emitindo títulos públicos. Na outra ponta, o BNDES quitaria, com os títulos recebidos, parte dos juros dos empréstimos que tomou junto à União nos últimos anos, segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. A operação deverá exigir o envio de uma Medida Provisória (MP) ao Congresso. O acerto aumentará o déficit primário das contas do governo federal em 2015, o que levará a uma nova redução da meta fiscal deste ano. "Será preciso adaptar a meta fiscal", disse um integrante da equipe econômica. O tamanho da redução vai depender de quanto será "despedalado" até o final do ano. Mas o efeito na dívida bruta será neutro, já que o pagamento de uma dívida neutraliza o outra. Por isso, a engenharia contábil é considerada positiva porque evitaria o aumento do endividamento bruto, um dos principais indicadores observados pelas agências de classificação de risco. Segundo um integrante da equipe econômica, apesar do impacto negativo em 2015, é melhor fazer logo o acerto de contas com o BNDES. Além dos subsídios ao PSI, o TCU mandou corrigir o pagamento de subsídios do crédito rural e dívida do Tesouro junto ao FGTS e outros passivos. A estimativa do TCU é que esses gastos pedalados somem cerca de R$ 40 bilhões. A regra de pagamento dos subsídios foi definida em portaria de 2012, que determinou prazo de em 24 meses para a quitação após a sua apuração. Antes dessa portaria não havia uma regra definida, mas na época o BNDES começou a cobrar uma data certa para o pagamento. Mesmo com portaria em vigor, o TCU considerou que o pagamento dos subsídios tinha sido represado para melhorar artificialmente as contas do governo. Depois da decisão do TCU que recomendou ao Congresso Nacional a rejeição das contas da presidente Dilma, é dado como certo que os ministros vão manter a decisão de correção imediata das pedaladas. "O TCU vai só ratificar o que já decidiu em relação às contas de 2014", previu uma fonte do governo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso