X
X

Diário da Região

10/07/2016 - 00h00min

Nelson Baskerville

‘O teatro tem poder. É experiência ao vivo’, afirma diretor

Nelson Baskerville

Divulgação Ator Marcos Felipe, intérprete do personagem-título, que nasceu como Luís Antonio no Brasil e morreu como Gabriela em Bilbao, na Espanha.
Ator Marcos Felipe, intérprete do personagem-título, que nasceu como Luís Antonio no Brasil e morreu como Gabriela em Bilbao, na Espanha.

“Ninguém sai com a mesma opinião que tinha sobre transexualidade depois de assistir a Luís Antônio Gabriela.” Quem garante é o autor do premiado espetáculo da Cia. Mungunzá, o dramaturgo Nelson Baskerville, 54 anos, que também viu suas opiniões sobre transexualidade e identidade de gênero mudarem radicalmente ao pesquisar sobre a história de sua irmã, Gabriela, que saiu de casa quando ele tinha 7 anos, mas na condição de irmão, Luís Antônio.

“Esse espetáculo é um pedido de desculpas por tudo que aconteceu com a minha irmã Gabriela”, diz ele, que, até escrever a peça, se referia a ela somente pelo nome masculino, Luís Antônio. “Sim, eu tive uma irmã. Hoje eu consigo chamá-la de irmã.”

Sem notícias desde sua partida, o dramaturgo soube da morte de Gabriela em 2002, por meio de uma ligação telefônica de sua segunda mãe. Estrela da noite gay em Bilbao, na Espanha, Gabriela morreu em consequência da aids.

“Ao reconstruir sua história, por meio de entrevistas com familiares e amigos, compreendi que havia sido criado com a homofobia, uma homofobia que vem sendo reforçada na sociedade hoje por esses pastores políticos.”

Crítica social

Para Baskerville, Luís Antônio Gabriela é seu espetáculo que mais carrega crítica social, e evidencia o teatro como um agente de transformações políticas.

“Passou da hora de acabarmos com essa hipocrisia do teatro de entretenimento. Isso a TV e o cinema já cumprem. O teatro tem um poder tão grande, é uma experiência ao vivo. Não quero fazer teatro para dizer bobagem. Já fiz, sim, mas não quero mais”, reforça.

Quando o assunto é a situação política do País, Baskerville é direto: “Primeiramente, fora, Temer. Não o aceito como governante e vejo sua entrada no poder como um grande erro, um retrocesso. Vamos embarcar de vez nesse neoliberalismo que já causou estragos em muitos países.”

3VAA-H_WEB Nelson Baskerville discute a transexualidade a partir de uma situação vivida com a irmã, em espetáculo com forte carga dramática e poética.

Sobre a Operação Boca Livre, que investiga o desvio de R$ 180 milhões por um grupo que fraudava projetos via Lei Rouanet, ele destaca que nenhum artista de verdade foi citado no escândalo.

“A sociedade em geral faz essa demonização do artista, de que artista mama na teta do governo. Eu mesmo nunca tive um projeto fomentado pela Lei Rouanet. Mas é justamente essa ignorância que abre campo para a corrupção, que está presente em qualquer coisa nesse Brasil”, sinaliza.

Sobre duas rodas

Baskerville é um dos parceiros da Cia. Hecatombe, de Rio Preto, na montagem de seu novo espetáculo, Crise de Gente. “Vi na companhia uma coisa muito generosa de se abrir para uma discussão sobre linguagem. Fiquei honrado em ser convidado para essa provocação. É um grupo que tem algo a dizer, tem ideologia. Ou seja, é gente da minha turma”, elogia.

Outra turma onde Barskerville marca presença é a dos apaixonados por motocicletas. Ele virá para Rio Preto com sua BMW GS 200, seu único meio de transporte.

“Sou apaixonado por viagens de motocicleta. Já fui para a Patagônia argentina e chilena, o deserto do Atacama e o Uruguai. E sou daqueles viajantes ‘roots’, não levo a moto engatada num carro. De carro, você faz a viagem. De moto, você é a viagem”, define.

Programação:

Domingo, 10

15h e 18h - Pequenos Olhos (Cia. dos Pés). Teatro Municipal Humberto Sinibaldi
16h - Quarteto Musical Rio-pretense. Swift
18h e 21h - Poema Suspenso Para Uma Cidade Em Queda (Cia. Mungunzá). Teatro Municipal Paulo Moura
19h - Mnemonia - Um Poeta e Suas Inquietações (Cia. Dramanatrama). Casa de Cultura Dinorath do Valle
19h e 21h - Um Príncipe Chamado Exupéry (Cia. Mútua). Graneleiro da Swift
19h e 21h - Dezembro (Isso Não é Um Grupo). Graneleiro da Swift
20h - Preto Moreno. Swift
23h - Longos Anos (Cia. Hecatombe). Graneleiro da Swift

Segunda-feira, 11

18h30 e 21h - Guerrilheiras ou Para a Terra Não Há Desaparecidos. Graneleiro da Swift
19h - O Que Você Realmente Está Fazendo é Esperar o Acidente Acontecer (Teatro Acidental). Teatro Municipal Humberto Sinibaldi
19h e 21h - Um Príncipe Chamado Exupéry. Graneleiro da Swift
20h - A Vida é Sonho (Cia. Boccaccione). Casa de Cultura
20h - Banda Aeroplano. Swift
21h - Luís Antônio Gabriela (Cia. Mungunzá). Teatro Municipal Paulo Moura
23h - Longos Anos. Graneleiro da Swift

Retirada de ingressos uma hora antes do início de cada sessão

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso