X

Diário da Região

01/06/2015 - 13h18min

Rio de Janeiro

Morre, aos 87 anos, o colecionador de arte Jean Boghici

Rio de Janeiro

Jean Boghici, um dos maiores colecionadores de arte do Rio e pioneiro neste mercado, faleceu na madrugada desta segunda-feira, 1, aos 87 anos, em consequência de uma embolia pulmonar. Ele estava internado no Hospital Samaritano, na zona sul da capital fluminense. Marchand de maior longevidade da cidade, Boghici era um nome de peso no mundo das artes plásticas, e se tornou conhecido, fora desses limites, por conta do incêndio que destruiu, em 2012, parte de sua coleção particular, que estava no apartamento em que vivia com a mulher, em Copacabana. As principais perdas foram as telas Samba (1925), de Di Cavalcanti, e Floresta Tropical (1938), de Guignard. Na época, ele deu declarações otimistas, apesar de dizer que a sensação era de que "uma bomba de Hiroshima" tivesse atingido seu apartamento. Lamentou mais a perda de sua gata do que das obras. "Queimou, qual o problema? Vai ficar tudo bom de novo. Já tive esse problema na década de 1970, perdi vários quadros e fiquei doente praticamente. Na época, fiz uma bela exposição e foi uma vingança contra o destino. Vamos fazer exposição muito bonita para me vingar". A 'vingança' da vez foi uma abrangente exposição montada por ocasião da abertura do Museu de Arte do Rio, sete meses depois do incêndio, intitulada O colecionador, com quadros representativos do modernismo, do surrealismo, da pintura primitiva, da abstração informal, da abstração construtiva, da nova figuração, da pintura russa e da pintura. Esses eram os maiores interesses de Boghici em termos de movimentos artísticos. O que havia sido queimado entrou no catálogo. Com 136 obras, de nomes como Tarsila, Lygia Clark, Di Cavalcanti, Brecheret, Kandinsky e Rodin, entre outros grandes artistas dos últimos séculos, a mostra recebeu 258 mil pessoas de março a setembro de 2013. Romeno radicado no Brasil desde 1949, fugido do pós-guerra, Boghici se tornou amigo de artistas como Di Cavalcanti e Guignard, e fundou uma das primeiras galerias de arte do Rio, a Relevo, aberta em 1961 em Ipanema. Como colecionador, ajudou a formar pelo menos duas das maiores coleções brasileiras, como as de Gilberto Chateaubriand e Sergio Fadel, trazendo obras de artistas internacionais. Boghici será enterrado nesta segunda-feira, às 17 horas, no cemitério São João Batista, zona sul do Rio.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso