X
X

Diário da Região

22/09/2015 - 08h00min

São Paulo

Festival de Brasília entrega seus prêmios

São Paulo

Nesta terça-feira, dia 22, acontece a noite de entrega dos Prêmios Candangos, o troféu do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, criado em homenagem aos pioneiros que construíram a capital do País, nos anos 1950, sob o governo de Juscelino Kubitschek. Quem serão os vencedores? Ora, tudo é especulação. Depende da cabeça (coletiva) do júri. Ainda mais porque não existe um favorito disparado nesta mostra de bons concorrentes. Deve-se alertar que esta matéria foi fechada antes da apresentação dos últimos candidatos - o longa Prova de Coragem, de Roberto Gervitz, e os curtas O Corpo, de Lucas Casales, e O Sinaleiro, de Daniel Augusto. Enfim, com os dados que se dispõe, impõe-se pela originalidade e intensidade o thriller amoroso Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba, com uma atuação em estado de graça, pelo minimalismo, de Fernando Alves Pinto. Ele interpreta o viúvo que se descobre traído pela mulher morta por intermédio de uma fita de vídeo. Engendra talvez uma vingança, buscando encontrar o amante (Lourinelson Vladimir, uma opção para coadjuvante). Ótimo filme, uma bela estreia na ficção de longas deste diretor baiano, radicado em Curitiba. Big Jato é o mais poético dos trabalhos de Claudio Assis, bicampeão em Brasília com Amarelo Manga e Baixio das Bestas. Baseado no romance memorialístico de Xico Sá, conta a história de um adolescente cujo pai é limpador de fossas, dono do caminhão que dá título à obra. Matheus Nachtergaele, magnífico, interpreta dois papéis, o do pai do menino e seu tio, gêmeos de temperamentos opostos ou talvez complementares. Marcélia Cartaxo, como a mãe, é igualmente comovente. Candidata forte a melhor atriz. Fome, de Cristiano Burlan, é o trabalho mais experimental da mostra. Numa São Paulo fotografada em preto e branco, um morador de rua deambula, empurrando seu carrinho. Quem faz o sem-teto é o grande ensaísta Jean-Claude Bernardet, turbinando sua carreira de ator. A Família Dionti, de Alan Minas, conta uma fábula interiorana, com ares de realismo mágico. Tem frescor, certa ingenuidade e traços de originalidade, fatores que cativam e o levam além do público-alvo, o infantojuvenil. Por fim, Santoro - O Homem e Sua Música, de John Howard Szerman, único documentário em concurso. De feitio tradicional, joga luz sobre a trajetória complexa do compositor amazonense, radicado em Brasília. Santoro (1919-1989) foi músico original e versátil, operando no sistema tonal, no dodecafonismo ou na música eletroacústica. Dele, só se conhece o lado "nacionalista", talvez sua faceta menos interessante. Nessa disputa equilibrada e de bom nível, o júri terá trabalho para destacar os melhores, sem cometer injustiças. O júri de curtas também dispõe de bom material para se exercitar. A seleção foi boa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso