Rio-pretense volta aos palcos na pele de Carmen, de BizetÍcone de fechar Fechar

LIBERDADE FEMININA

Rio-pretense volta aos palcos na pele de Carmen, de Bizet

LIBERDADE FEMININA


    • São José do Rio Preto
    • máx min

Uma das personagens femininas mais famosas do universo das artes no século 19, Carmen, a protagonista da ópera em quatro atos composta por Georges Bizet (1838-1875), desponta como ícone feminista por seu caráter transgressor em um mundo governado por homens. Não é à toa que a ópera foi alvo de severas críticas em sua estreia, em março de 1875, em Paris.

O temperamento livre dessa cigana, nascida em uma novela homônima do escritor francês Prosper Mérimée (1803-1870), que posteriormente foi adaptada para os palcos, era considerado uma afronta de Bizet aos ‘bons costumes’ de sua época. Tanto que o compositor francês morreu antes da consagração de sua ópera e de sua protagonista. Consagração que faz de Carmen uma das óperas mais montadas nos quatro cantos do planeta até hoje. 

Carmen também é constantemente referendada no universo da dança, sendo encarada como desafio por inúmeras bailarinas, que encontraram nela a legitimação de sua maturidade artística. Assim foi com a bailarina rio-pretense Ana Lúcia Almeida Ribeiro, que se despediu dos palcos em 2007 justamente na pele da famosa cigana de Bizet.

Dedicando-se exclusivamente ao ensino da dança ao lado de sua mãe, Lourdinha Almeida, com quem comanda as aulas da Escola de Ballet do Rio Preto Automóvel Clube, Ana Lúcia vai reviver no palco o turbilhão de emoções que é interpretar Carmen. Atendendo a um pedido de suas próprias alunas, a professora assume novamente a função de bailarina na montagem de Suíte de Carmen, uma das duas coreografias que serão apresentadas pelas turmas de balé do Automóvel Clube, a partir desta quinta-feira, 10, no Teatro Municipal Humberto Sinibaldi Neto.

“Minhas alunas nunca tiveram a oportunidade de ver a professora delas em cena. Voltar ao palco é a chance de proporcioná-las uma referência visual de alguém que elas tanto idealizam”, comenta Ana Lúcia, sem esconder a emoção de reviver Carmen. “A única personagem que me seria cabível é Carmen, uma mulher forte que carrega uma sensualidade que não é vulgar. Uma mulher livre, à frente de seu tempo e que teve um fim trágico.

É uma personagem que somente é possível interpretar após uma certa maturidade, na vida e na dança”, reforça. A coreografia conta com a participação do bailarino Rafael Gerage, de São Paulo, que atua como residente no grupo do Automóvel Clube desde 2012. Ele já fez parte do Ballet Nacional de Sodre, no Uruguai, dirigido por Julio Bocca. A luz e a cenografia da nova montagem são assinadas por Marcelo Zamora, diretor da Virtual Cia. de Dança.

Universo feminino

Dois integrantes da Virtual, os dançarinos Aislan Moraes e Matheus Martins, participam como convidados especiais em Glamour - A Revista, segunda coreografia que será apresentada pelas alunas do Automóvel Clube. Concebida como uma grande revista voltada ao público feminino, a coreografia passeia por temas como moda, beleza, saúde, viagens, romance, cultura e cinema. Glamour - A Revista reúne todas as alunas de balé do Automóvel Clube. “Contamos com crianças, jovens e adultos. Temos alunas com mais de 50 anos, que encontraram no balé uma forma de atividade física”, diz Ana Lúcia.

Serviço

  • Apresentação de Suíte Carmen e Glamour - A Revista, da Escola de Ballet do Rio Preto Automóvel Clube. De hoje a sábado, às 20h30. Teatro Municipal Humberto Sinibaldi Neto. Ingresso: R$ 30

Maestro ao piano

O último dia de apresentações da Escola de Ballet do Rio Preto Automóvel Clube, neste sábado, 12, no Teatro Municipal Humberto Sinibaldi Neto, será dedicado à campanha Outubro Rosa, que promove a prevenção do câncer de mama. Haverá apenas a apresentação de Suíte Carmen, com o elenco principal do grupo do Automóvel Clube. A noite ainda contará com a participação do maestro Paulo de Tarso, que vai interpretar três canções ao piano: Primeiro Movimento da Sonata ao Luar, de Ludwig van Beethoven; o Prelúdio das Bachianas Brasileiras n° 4, de Heitor Villa-Lobos; e o tema de Cinema Paradiso, de Ennio Morricone.

“É a primeira vez que participo de uma apresentação da escola do Automóvel Clube, e estou feliz que isso aconteça justamente em torno de uma causa, que é a da campanha do Outubro Rosa”, comenta o maestro, que abriu mão de seu cachê nessa apresentação. Para a apresentação especial, Paulo de Tarso escolheu canções que tivessem ligação com o universo de (Georges) Bizet. “O Villa-Lobos foi muito influenciado pela música francesa, enquanto Beethoven explorou o romantismo”, destaca.