X
X

Diário da Região

13/12/2017 - 08h46min

30 anos depois

Tancredo Neves: o presidente que não assumiu

30 anos depois

Reprodução Capa da edição extra do Diário da Região, publicada em 22 de abril de 1985, um dia depois da morte de Tancredo Neves
Capa da edição extra do Diário da Região, publicada em 22 de abril de 1985, um dia depois da morte de Tancredo Neves

Depois de 20 anos sob a ditadura militar, Tancredo Neves era apontado por boa parte dos brasileiros como o homem certo para assumir a presidência da República. Com apoio popular, foi eleito por um Colégio Eleitoral, o primeiro presidente civil em muito tempo. Mas morreu antes de tomar posse, em 21 de abril de 1985. Trinta anos depois, a morte de Tancredo ainda é entendida como um enigma entre rio-pretenses. Dois sentimentos se destacam: tristeza e desconfiança. O primeiro é baseado no que ele poderia ter feito como presidente. "Foi lamentável a morte, pois poderia fazer um bom governo. Acompanhei toda a doença e fiquei sabendo da morte pela televisão", diz Icléa Mourão, 65 anos.

"Ele poderia ter ajudado a mudar o País. Foi uma pena ter morrido cedo. Com certeza teria sido um bom presidente," diz o comerciante Antônio Cabral, 53 anos. Ele tem barraca de frutas na avenida que leva o nome de Tancredo, no Distrito Industrial que também tem o nome do presidente. O segundo sentimento é em relação à causa da morte. A posse de Tancredo seria em 15 de março, mas ele precisou ser internado um dia antes. José Sarney, o vice, assumiu a presidência. A divulgação inicial dizia que se tratava de diverticulite. Mas, soube-se depois, o presidente eleito passou por cirurgia para retirar um tumor (leiomioma). 

Foram 38 dias internado até a morte, passando por sete cirurgias. Oficialmente, morreu por infecção generalizada. Mas as informações oficiais, ainda hoje, não convencem parte da população. Muita gente acredita que a causa da morte não foi natural. "O cara faz a campanha que fez e, no dia da posse, fica doente? Muito estranho. Acredito em execução", diz o comerciante Cabral. Outro comerciante, Roberto Carneiro Rocha, 58 anos, estava trabalhando quando recebeu a notícia. "Penso que forças políticas o executaram. Eu acreditava nele e no seu governo", diz.

Criança na época, a auxiliar de escritório Vanessa Assunção, 39 anos, lembra de ter visto passando na TV. "Não fui à escola no dia seguinte. Meus pais e familiares ficaram muito tristes. Não compreendia bem na época. Só quando cresci que fui entender os motivos." O comerciante Wagner Barreto, 37, também era criança naquela data. Mas lembra da reação dos familiares. "Todo mundo achou que foi um golpe para os militares voltarem ao poder. As circunstâncias geraram muitas suspeitas. A expectativa era muito positiva sobre o governo dele."

História

Muita gente acompanhou, em frente ao hospital, a situação de saúde de Tancredo. No dia do anúncio da morte, milhares de pessoas se reuniram no Instituto do Coração do Hospital das Clínicas, em São Paulo. O clima foi de comoção geral. Uma edição extra do Diário, com oito páginas, foi publicada no dia 22 de abril de 1985 - uma segunda-feira - com reportagens especiais sobre a morte e sua repercussão. Nas duas semanas anteriores, a equipe do jornal já vinha trabalhando na produção daquela edição, inclusive os fotolitos (espécie de filme transparente) com duas fotos do rosto do presidente.

 

rio-pretenses falam sobre tancredo neves Clique na imagem para ampliar

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

VIDEO DO YOUTUBE
Anúncio da morte de Tancredo Neves

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>> Leia aqui o Diário da Região Digital

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso