Diário da Região

12/03/2003 - 03h12min

Atrás das grades

Advogado condenado em 1998 é preso

Atrás das grades

O diretor do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Ribeirão Preto, Armando Antônio de Oliveira, confirmou ontem ao Diário que o advogado Arnaldo Quaranta, condenado por sentença do juiz Emílio Migliano Neto, de Rio Preto, em novembro de 1998, foi preso na semana passada e se encontra naquela unidade. Segundo o diretor da unidade, Quaranta tem outras condenações, por receptação e por esteolionato, mas conseguiu escapar da prisão até o dia 7 de março último, quando a polícia cumpriu um dos mandados de prisão contra ele. O advogado ficou conhecido em Rio Preto por ter sido preso em flagrante, em 1995, quando, acompanhado por Osni Carlos de Carvalho e Antônio Paulo Junqueira, também presos, e outros dois que fugiram, tentou aplicar um golpe de R$ 1,8 milhão contra uma agência do Banco do Brasil. Eles haviam aberto uma conta na agência em nome de Maurício Lopes Faria, mas os documentos de Faria eram usados por Antônio Paulo Junqueira. Eram documentos roubados do titular, no Rio de Janeiro.

Em seguida, fizeram um depósito em cheque, de R$ 6,9 milhões, em uma agência do banco no Rio e, antes da compensação desse valor, procuraram o gerente da agência rio-pretense, Abdias Almeida de Souza, para que liberasse uma parte do depósito, ou seja, R$ 1,8 milhões. Ocorre que o gerente, de sobreaviso a respeito da possibilidade de assalto contra a agência, havia solicitado apoio da polícia. Quando o falso Maurício Faria, na verdade Antônio Junqueira, chegou com a valise onde colocaria o dinheiro, acompanhado pelo advogado Quaranta e por Carvalho, os policiais os renderam como suspeitos e acabaram por frustrar o golpe. Em seguida, policiais e gerente constataram a falsidade da documentação de Junqueira e da sua titularidade na conta da agência em Rio Preto, o que lhes valeu a voz de prisão e o processo por formação de quadrilha, uso de documento alheio e tentativa de estelionato. Com habeas corpus, o advogado rio-pretense obteve o direito de aguardar o julgamento em liberdade. Findo o processo, Quaranta foi condenado a dois anos e seis meses de reclusão em regime fechado, mas com sucessivos recursos, manteve-se em liberdade até a semana passada.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso