X

Diário da Região

Blogs
Perfil


Waldemar de Freitas Assunção canta o amor eterno e comemora sucessos musicais
domingo, 28/06/15, às 00:00, por
Compartilhe

Ele cantou o amor em todos os tons sertanejos e nostálgicos possíveis, queixando-se da indiferença da mulher querida, da saudade de um bem amado, do jogo da vida e outros sentimentos. Mas não se casou. Ganhou o epíteto de 'Compositor Apaixonado" (do apresentador sertanejo Zé Bétio), mas não chegou ao matrimônio. Mesmo assim, Waldemar de Freitas Assunção, 70 anos, é um eterno apaixonado.

Pessoa sortuda, ele. Com repertório musical poderoso e prestígio na área, ele gosta de citar seu 'patrimônio': "Em Rio Preto, há um viaduto e uma avenida com meu nome. Quer mais que isso? Em homenagem, só perco para o deputado Bady Bassitt que tem uma avenida e uma cidade com seu nome," diz. O viaduto fica no km 438 da rodovia Washington Luís, final da avenida Alberto Andaló, próximo ao Walmart, projeto do deputado federal Baleia Rossi, a quem Assunção é gratíssimo. 

E a avenida sai da lateral do shopping da Zona Norte e vai até o bairro Duas Vendas. "É a maior avenida a ser construída em Rio Preto, de 10km de extensão. Por enquanto, só 2km estão prontos." O agrado é do prefeito Valdomiro Lopes, outra eterna gratidão. Agitado, animado, Assunção fala rápido, conversa boa, jogo de cintura de quem transita no fechado mundo dos compositores musicais. Compôs mais de cem músicas, é amigo chegado da dupla Milionário e José Rico (este falecido) e deu-lhes o slogan de 'gargantas de ouro do Brasil'.

Nasceu na Casa Santo Antônio, atual Porcada Tradicional, na entrada de Bady Bassitt, na época Borboleta. Desde pequeno, no armazém do pai, rabiscou letras de possíveis canções, e dizia: "vou ser compositor." No Dicionário Cravo Albin da Música Brasileira, Assunção merece a menção de compositor e poeta. 

 

perfil_Waldemar de Freitas Assuncao 03 1950 - Assunção menino, a mãe e o pai (nos círculos), na Casa S. Antônio

Foi uma vida de insistência também. Cercou duplas sertanejas de todo lado. "Fiz muita viagem a São Paulo, porque antes, para encontrar as duplas, havia o Café dos Artistas, no Largo Paisandu. Acabou. Era fácil encontrar o Tião Carreiro. Hoje, você não tem acesso ao Zezé di Camargo. Ele não vai se expor lá, são tempos diferentes," conta. Até que um dia, ele encontrou José Rico.


O menino de Borboleta

A Casa Santo Antônio, um big armazém de secos e molhados, ferragens, louças e carne, foi fundada em 1930 pelo patriarca da família, Manoel. Lá nasceu Assunção. Hoje, é o estabelecimento de carne suína mais tradicional da região. O pai era simpatizante do Andaló. “Os políticos, quando faziam comício em Borboleta, discursavam na praça. Andaló fazia na porta da venda. Quando começava a falar, meu pai chorava, e eu também, sem saber porquê.”

Aos 17 anos, Assunção comprou um violão que lhe faltava para aprimorar a obra. O pai devolveu no mesmo dia e comprou-lhe uma enxada, nunca usada. Estudou até o supletivo, na sua época madureza. Veio para Rio Preto em 1974. Trabalhou como comerciante com os irmãos, no ramo de gás e de transportadora.

Até que ao fazer amizade com José Rico, a dupla gravou Jogo do Amor e Duas Camisas. Quando a dupla vinha para Rio Preto e tocava em circo, Assunção corria a região para apresentá-la. Nos 40 anos de carreira de Milionário e José Rico, Assunção acompanhou o máximo de apresentações pelo Estado.

As mais importantes duplas sertanejas cantaram as composições de Assunção (ele faz a letra). Seu estilo para compor é música raiz. Além dos gargantas de ouro, há intérpretes como Christian e Ralf, Mato Grosso e Matias, entre outros. Assunção não aprecia as vertentes momentosas da música caipira, como o sertanejo universitário. “Não aceito. Falem só universitário, como tem o axé, o samba. Nada de sertanejo. Não venham pegar garupa.”

 

perfil_Waldemar de Freitas Assuncao 02 Ele no viaduto com seu nome, em ponto movimentado da cidade

Entrando nas paradas

“Minha primeira música tem um título deste tamanho: ‘Mais uma noite vou dormir sem meu bem’, gravada pela dupla Tibagi e Amaraí em 73, depois regravada com sucesso por Milionário e José Rico.” O primeiro a musicar suas letras foi o compositor Goiá, que ele conheceu no Café dos Artistas. E os desafios das paradas musicais foram sendo vencidos.

Popular no meio musical, ele foi eleito Compositor do Ano, em concurso nacional da Rede Record, em 1980. Recebeu o troféu das mãos do radialista Adib Muanis, ladeado pelos apresentadores Silveira Coelho e Jaborã. Entre os comunicadores sertanejos, Waldemar tem admiração especial por Gentil Rossi e Santo Beluci, ambos de Rio Preto.

 

perfil_Waldemar de Freitas Assuncao 04 Recebendo troféu de compositor do ano, com Adib Muanis

 

Rio Preto como a capital da viola

Em 2009, pelo conjunto da obra, Assunção ganhou o nome no viaduto. “Os rabiscos poéticos lançados no papel de embrulhar pão fizeram com que o menino viesse a se tornar um dos maiores compositores sertanejos da história brasileira. Mais ainda, foi o responsável por São José do Rio Preto ser reconhecida no Brasil como a capital da viola! Seus rabiscos poéticos se tornaram composições de grandes sucessos. (...) A denominação do viaduto de Waldemar de Freitas Assunção seria uma justa homenagem que o Brasil daria a esse poeta sertanejo, para que seu nome ficasse para a posteridade,” é o que diz trecho do projeto do deputado Baleia Rossi, para justificar a homenagem.

No mais, Assunção é pessoa caseira, mas não dispensa um barzinho à noite. Gosta da noite, dorme tarde, acorda tarde, administra sua vida financeira, gosta de comida cabocla e ama a natureza.

 

 

 

 

 

 

QUEM É:

  • Nascimento: 3/11/1944
  • Filho de: Manoel e Josefina
  • Irmão de: Alcides, Natalino, Alzira e Cecília
  • Casa Santo Antônio: fundada em 1930
  • Músicas: compôs mais de uma centena
  • Primeira música: ‘Mais uma noite vou dormir sem meu bem’
  • Quem gravou: Tibagi e Amaraí
  • Intérpretes que cantaram suas músicas: Milionário e José Rico (15 músicas), Trio Parada Dura, Chitãozinho e Xororó, Tião Carreiro e Pardinho, João Mineiro e Marciano, Christian e Ralf, Divino e Donizete, entre outros
  • Algumas composições: Dona de casa; Mulher, beleza do mundo; Amor com amor se paga; Jogo do amor; Outra noite sem meu amor; Sozinho na estrada; Nosso filho; Sonho alto; Rico pobre; Tortura do destino; Fronteira da saudade; Flor da noite, etc n Parceiros musicais: José Rico, Benedito Seviero, Marciano, entre outros
  • Outras atividades: foi comerciante (concessionário da Liquigás); sócio da Transportadora Assunção
  • Vida social: foi diretor de Relações Públicas do América FC; presidente do Bady Bassitt Futebol Clube e do Matinha Futebol Clube
  • Religião: Católico
  • Devoção: Nossa Senhora Aparecida
  • Time do coração: Santos
  • Estilo de música preferida: brega romântico, além do sertanejo raiz
  • Cantores: Waldik Soriano, Lindomar Castilho, entre outros
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso