X
X

Diário da Região

10/09/2016 - 00h00min

Painel de Ideias

Bom, gostoso e ‘de grátis’!

Painel de Ideias

NULL NULL
NULL

Não há envolvimento sexual. Nem carícias íntimas. A sessão, ao preço de 60 dólares, é por uma hora de abraços, carinhos e aconchego. Sessenta minutos de toque humano. Parece maluquice, mas essa é a proposta de uma empresa americana, “The Snuggery”, ou, “ O Retiro”. Ali o cliente tem a oportunidade de se aconchegar e receber afeto por meio do toque humano.

Soa estranho alguém pagar para receber o toque de um estranho. Mas o filão dos solitários em bandos só cresce; os grandes centros urbanos são ninhos de seres absolutamente sós e com grau de afetividade abaixo de temperaturas polares. O toque humano é terapêutico, vital.

A ciência já comprovou sua eficácia e poder em humanos de todas as idades e de todos os cantos do mundo. Dura sina é viver sem tocar ou ser tocado, sem ser confortado ou afagado fisicamente. A criadora do Retiro, a americana Jacqueline Samuel, sempre gostou de abraçar. Fez um experimento na rua com suas irmãs, a um dólar por abraço. Chegavam a fazer 80 dólares por dia. O fato é que o mais arisco dos humanos se dissolve num abraço; o mais ríspido se enternece e o bruto se aninha.

Sabe-se lá por quantas cargas d’água dessa existência, a real é que nesse mundo tresloucado, há cada vez mais um agarramento em celulares e menos cafunés. O primeiro a ser tocado no dia é o celular e não o rosto de quem está ao seu lado. Até nós, brasileiros, povo caloroso, afetuoso e que adora um abraço, estamos esfriando nossas transações de toque. Nossas mãos estão ocupadas com um mundo virtual rico de atrações e possibilidades. O que é palpável, possível, carregado de pele, ossos, coração e sentimentos fica prá depois.

Quando li a notícia sobre a criação de O Retiro e o sucesso que vem fazendo entre os americanos, e já se sabe que na China há iniciativa muito parecida, senti uma pontada de dor por todos os sem afeto, sem toque. Pessoas que passam a vida no raso da sensação milagrosa que é o afago, a restauração pelo poder de uma pele na outra. Um simples toque humano é o caminho mais singelo, incrível e barato de cura e de uma melhor qualidade de vida. Não há outra saída, nossa humanidade pede o afeto e a ternura.

Creio que nada terá força para nos arrancar dessa dependência magnífica. O seu toque tem potencial para mudar a vida do outro.

E encerro com Jota Quest, que canta que o melhor lugar no mundo é dentro de um abraço. “Pro mais velho ou pro mais novo, pra alguém apaixonado, alguém medroso. Pro solitário ou pro carente, dentro de um abraço é sempre quente. Tudo que a gente sofre, num abraço se dissolve. Tudo que se espera ou sonha, num abraço a gente encontra.” Então, agradeço sua leitura, mas, agora, larga o jornal, sai do computador, deixa o celular e cai dentro de algum abraço. Depois me conta se não foi muiiiiito bom, gostoso e “de grátis”!

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso