X
X

Diário da Região

25/08/2016 - 00h00min

Painel de Ideias

A soldado

Painel de Ideias

NULL NULL
NULL

Com o devido respeito aos varões fardados e que têm por lema a preservação da ordem e segurança pública, homenageio hoje as soldadas. Heresia! - gritarão em legítima defesa os puritanos das normas gramaticais. Não há flexão de gênero para “soldado”, nem se diz “corajosa soldado”, mas é soldado mesmo, inflexível! No caso das mulheres em fardas não se considera a pessoa, mas o cargo ou profissão.

A soberba masculina é musa das insensatezes. Se dizemos o enfermeiro, a enfermeira, o garçom, a garçonete, por que não “a soldada”? Mesmo os nomes comuns de dois gêneros distinguem o feminino pela presença do artigo ou outro determinante. São “aquela estudante”, “essa jornalista”, “umas dentistas”. Porém, às policiais femininas, por que a discriminação? A todo santo mês recebem o minguado soldo e, como todos os soldados de quaisquer patentes, são soldadas. Que segregação é essa, repito, à valorosa e diligente policial?

Carl Jung nos ensina: “Na feminilidade, a alma do mundo. Nela residem nosso potencial afetivo, a espiritualidade, as intuições proféticas, o sonho quimérico de amor e proteção”. Assim, talvez pela natureza e atributos femininos, é raro à dedicada servidora pública gestos de truculência e abusos de poder. Dedicam-se com atitudes compassivas, inspiram confiança, dão arejado toque de refinamento ao batalhão. Sem que se imponham ostensivamente, têm a virtude natural da mulher, trazem implícitos a dedicação ao outro e respeito à sociedade.

As gramáticas se omitem, fingem que “não é comigo”. Os dicionários que, no aquartelado dos conceitos, enfeixam o espírito cultural da nação, registram “soldado” só no masculino. São sinais do machismo encalacrado e, no caso, merecem mesmo a alcunha de “pais dos burros”. Restringem-se ao viril e destemido guerreiro de antanho que recebia soldo. E ignoram as soldadas do presente.

É dever civil tê-las como pessoas sexuadas, mães e companheiras, tratando-as no feminino: A digníssima soldada. Há dez anos, a médica e presidente chilena Michelle Bachelet, batalhando a pacificação do país, confiou a chefia de segurança do palácio La Moneda a uma “carabinera”, quer dizer, uma soldada. Nada mais justo e civilizatório. Aliás, no país de Gabriela Mistral e Neruda, a Guarda Nacional integra-se no meio a meio: soldadas e soldados. Por que no Brasil não se declara paz à razão e sensibilidade?

Gina Lollobrigida observou: “Glamour é quando um homem percebe que uma mulher é uma mulher”. Contudo, deixando prevalecer rudes costumes que nos entortam, lemos gravado na farda: “Soldado Feminino PM Helena”. Dia desses, toquei nesse assunto com uma solícita soldada. Ela franziu o semblante e devolveu-me uma pergunta, entre o acatamento à disciplina militar e sua convicção de cidadã: “Estranho, né?”. E, enigmática como a Mona Lisa, discretamente, sorriu.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso