X
X

Diário da Região

22/05/2016 - 00h00min

Flash Bola

Rio Preto ressurge e comemora o sexto acesso

Flash Bola

Arquivo pessoal de Edwellington Villa CAMPEÃO DE 1963 - De pé, a partir da esquerda: Paulinho, Brandão, Palácio, Martin Mansano, Jacintho Angelone e Antônio João; agachados, na mesma ordem: Colada, Milton, Joãozinho, Bulau e Noriva
CAMPEÃO DE 1963 - De pé, a partir da esquerda: Paulinho, Brandão, Palácio, Martin Mansano, Jacintho Angelone e Antônio João; agachados, na mesma ordem: Colada, Milton, Joãozinho, Bulau e Noriva

O Rio Preto curte a ressaca pelo sexto acesso da sua rica história, que completou 97 anos no último dia 21 de abril. Com um passado glorioso, recheado de campanhas inesquecíveis, o Jacaré do Couro Duro D’Oeste retorna ao segundo escalão do futebol estadual, de onde caiu em 2012. Foram quatro temporadas na Série A-3 até conseguir se reerguer e buscar o vice-campeonato neste ano.

O Flash Bola aproveita o momento para homenagear o clube ao relembrar suas principais façanhas. Foi campeão do equivalente ao A-3 de hoje em 1963, 1973 e em 1999. Vice da Série A-3 de 1994 e 2016, além do vice do A-2 de 2007, que garantiu a inédita participação da equipe no Paulistão.

O primeiro título ocorreu na Segunda Divisão (atual A-3) de 1963, encerrada só no ano seguinte, em razão do calendário falho e desorganizado da Federação Paulista de Futebol. O Jacaré faturou o caneco ao emplacar 4 a 0 na Usina São João de Araras, 3 a 0 no Linense, 1 a 0 na Botucatuense (em Botucatu) e 3 a 1no Hepacaré de Lorena, além do 1 a 1 com o Palmeiras, em São João da Boa Vista, no returno da fase decisiva.

Dez anos depois, o Glorioso foi campeão do Torneio de Seleções ao superar Francana, Rio Claro, Corinthians de Presidente Prudente, Catanduvense e se garantiu no Paulistinha, uma competição com grandes forças do futebol bandeirante, sem Corinthians, Palmeiras, Santos, São Paulo e Portuguesa. Porém, o Jacaré não conseguiu avançar à fase seguinte para encarar as cinco potências estaduais da época.

Em 1994, a Série A-3 foi disputada por pontos corridos em dois turnos entre os 18 participantes. Após 34 rodadas, o Rio Preto foi vice-campeão, atrás apenas do Nacional. Os dois subiram para o A-2, junto com a Portuguesa Santista, 3ª colocada. Sem estrutura financeira, o Jacaré caiu dois anos depois.

Título do A-3 em 1999 e vice do A-2 em 2007

Em 1999, com jogadores guerreiros, comandados pelo técnico Márcio Rossini, o Rio Preto foi campeão do Paulista A-3. Foram 11 vitórias, cinco empates, seis derrotas e 38 pontos na primeira fase, terminando atrás do Jaboticabal pelo saldo de gols. Embalou no quadrangular com vitórias sobre Bandeirante, em Birigui, e União, ambas por 3 a 2, empatou sem gols em Taubaté e em Mogi das Cruzes.

Assegurou o acesso antecipado ao fazer 3 a 2 sobre o Taubaté em 8 de agosto, Dia dos Pais, com 5 mil pagantes no Riopretão. Depois, venceu o Bandeirante por 1 a 0. Na final, superou o Oeste, com empate sem gols em Itápolis e triunfo por 3 a 0 em casa. Em 2007, classificou-se como 3º colocado na 1ª fase do A-2. Subiu ao somar 10 pontos no quadrangular e ficar à frente de Mirassol, com 9 (também promovido), Botafogo 8 e União São João, 5.

Portuguesa com 14 e Guarani, 7, chegaram ao Paulistão pelo outro grupo. Bandeirante e São José, com 5 pontos cada, morreram na praia. Na final, o time rio-pretense empatou sem gols com a Lusa em casa e perdeu de 4 a 0 no Canindé. Nesta temporada, a equipe encaixou a partir da quinta rodada, após a contratação do técnico Betão Alcântara para o lugar de Wilson Júnior. Levou a melhor no quadrangular sobre São Carlos, Catanduvense e Atibaia e, na final, foi superado pelo Sertãozinho (perdeu de 2 a 0 fora e ganhou de 2 a 1 em casa), mas está no A-2 de 2017.

Invicto 41 jogos em 1948

Algumas formações do Rio Preto também deixaram saudades, mesmo sem conquistar títulos. Em 1948, com a finalidade de impedir o crescimento do recém-fundado América, a diretoria esmeraldina formou um verdadeiro esquadrão e venceu dois derbys por 3 a 2 e 4 a 1, respectivamente. A equipe manteve uma invencibilidade de 41 partidas, entre amistosos e confrontos pela Segunda Divisão.

No campeonato, o Verdão enfrentou Linense, América, Corinthians de Presidente Prudente, Inter de Bebedouro, Bandeirante de Birigui, Prudentina, Uchoa e Bauru Atlético Clube, onde jogava Dondinho, pai de Pelé. Após abater todos os concorrentes, na reta final prevaleceu a melhor estrutura financeira do Linense. No duelo entre ambos, no estádio Victor Brito Bastos, o Rio Preto vencia por 1 a 0, teve um pênalti não marcado pela arbitragem e sofreu o empate no final. A equipe de Lins levou em vantagem na classificação e chegou à fase decisiva.

Outras façanhas inesquecíveis

Campeão do Setor 16 do Campeonato Amador do Estado, o time de 1955 também é sempre lembrado pelos torcedores mais saudosistas do time rio-pretense. Aliás, para a galera da velha guarda, a equipe de 1958 era simplesmente fantástica, a melhor já montada pelo clube em todos os tempos, apesar de não ter obtido títulos. Aquele time revelou o ponta-esquerda Benny, que depois jogou no Corinthians e foi campeão da Libertadores pelo Independiente da Argentina, o volante Valter, que jogou no Boca Juniors da Argentina, e o centroavante Bacurau, vendido ao São Paulo e, posteriormente, ao futebol mexicano.

Na Segundona, a equipe atropelou Francana, Comercial, Garça, Tanabi, Catanduvense, entre outros. Foi campeã do grupo e fez a final contra o Corinthians de Prudente, que tinha melhor campanha e, por isso, decidiu em casa, num único jogo. O time prudentino venceu por 2 a 1 e subiu para o Paulistão. Naquela época só o campeão era promovido. Em 1971, sob a batuta de Carlos Alberto Silva, o Rio Preto foi finalista da Primeira Divisão (atual A-2), mas ficou atrás do campeão Marília, que subiu à elite. Saad de São Caetano do Sul, Catanduvense e Garça completaram o pentagonal decisivo. A equipe esmeraldina também foi finalista da Intermediária em 1987 e em 1989.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso