X
X

Diário da Região

22/07/2016 - 00h00min

Cartas do Leitor

Sem rumo

Cartas do Leitor

Já teci esse comentário no ano passado e volto ao assunto porque vejo que nada foi feito, e entendo que seja de responsabilidade das autoridades: com a realização do rodeio no Recinto de Exposições, a avenida que divide o Recinto e o Ceasa é transformada em mão única e a opção de quem sai dos camarotes do evento é seguir para o fundo do Distrito Industrial.

Um lugar ermo, sem policiamento algum na madrugada, sem carros e sem alguém a quem se possa perguntar qual o caminho que nos leva a Rio Preto. Sem uma orientação de placas, fica-se vagando indeciso a cada esquina sem saber se devemos virar à esquerda ou à direita, mesmo com um apurado senso de direção. Não são todos os veículos que possuem GPS.

Muita gente acaba indo em direção a Gonzaga de Campos. É imprescindível que se oriente por placas, quem sai do rodeio, principalmente o grande número de turistas que aflui à nossa cidade para ver a festa. É um cenário propício para assaltos.

Que Deus nos proteja, já que os responsáveis só vão tomar providência se acontecer um crime, uma tragédia, quando serão apuradas as responsabilidades. Com meia dúzia de placas, quem sabe, podemos prevenir e salvar vidas. Fica o registro.

Waldner Lui,

Rio Preto.

Desrespeito

Chega a ser repugnante a falta de respeito aos direitos dos idosos e portadores de deficiência de exercerem seu direito legal às vagas exclusivas para estacionamento. Basta um rápido passeio pela cidade para se constatar essa violação a direitos adquiridos e assegurados por lei.

E sempre que você questiona o “mal educado” que pratica essa infração, invariavelmente receberá como resposta que foi “só por um minuto”. Lembro de uma campanha veiculada na mídia, cuja chamada era “Essa vaga não é sua nem por um minuto”. É uma pena que nem mesmo campanhas publicitárias sejam capazes de conscientizar alguns motoristas para o cumprimento da lei.

O fato é ainda mais escancarado quando observamos a ocupação dessas vagas nos shoppings e grandes supermercados. Nesses locais o desrespeito é contumaz. Há pouco tempo, foi sancionada uma lei permitindo que a PM e a GCM autuem veículos estacionados em vagas exclusivas e que não possuam a devida identificação, o cartão ou adesivo específico.

Portanto, conclamo as autoridades competentes, que fiscalizem e apliquem multas nesses infratores, especialmente nos estacionamentos dos grandes centros comerciais. Lamentavelmente, é necessário educar pela força da lei e pelo bolso, uma vez que a educação passa longe de grande parte dos motoristas brasileiros.

Nelio de Castro Gomes,

Rio Preto.

Eleitorado

Conta-se que na Copa do Mundo de 1958, o técnico Feola reuniu seus craques e fez um esquema partindo do meio de campo quando Nilton Santos que venceria fácil seu adversário e passaria a bola para o Garrincha, que depois de vários dribles nos russos lançaria a bola para o Mazola que viria correndo do meio do campo até a marca da cal para fazer o gol.

Garrincha displicente ouviu aquela preleção que Feola fez de uma forma tão simplista e perguntou: - o senhor já avisou os russos?

Assim estou vendo a política dos candidatos a vereador em Rio Preto. Eles tratam as eleições como se os eleitores com certeza votarão neles. O candidato que tem seu curral na zona norte fala com certeza que nestas eleições as mesmas pessoas da eleição anterior fossem votar nele. Os que têm predomínio no Estoril acham que tem eleitores cativos, e assim por diante.

Como diz a lenda do Garrincha, os senhores já perguntaram para seus eleitores que o jogo será assim? Eleitor amigo, seu voto não é de propriedade de ninguém. Vote em quem você achar que será útil à cidade. O candidato não é seu dono.

Wilson Focássio,

Rio Preto.

Previdência

A Globonews fez um programa estudando as opções para a reforma da Previdência. Iniciou dizendo que no princípio os índios jovens sustentavam os mais velhos e que essa fórmula deu problemas, pois o número de idosos desequilibrou a proporção ideal nas aldeias. As fazendas, o desmatamento desenfreado, as hidroelétricas, o garimpo, a extração de minérios, além de muitos outros “negócios” restringiram os meios de sobrevivência dos nativos.

Essa explanação serviu para mostrar que os primeiros habitantes do Brasil teriam que ficar velhos mais tarde ou começar a trabalhar mais cedo. A elaborada descrição serviu para analogia com a situação atual da previdência, os tecnocratas apresentaram a seguir mil formulas para resolver o rombo nas contas da Previdência, formulas como 30+30, 40+25, 45+30 e mais alternativas para resolver o “problema” que o aumento da longevidade está promovendo.

Um dos entrevistados disse que uma solução precisaria ser encontrada rapidamente, pois mesmo em um país com tantos recursos os empresários se sentiam inseguros em aplicar no Brasil.

Realmente temos a sorte de ter nascido numa nação privilegiada, afinal temos terra cultivável e água; tanto para geração de energia como para a agricultura, em quantidade de causar inveja à qualquer lugar de todos os continentes. Além disso temos praticamente todos os minérios, isso sem falar no petróleo. Descritas tantas riquezas só podemos concluir que o brasileiro é um povo rico.

O que será então que justifica tantos problemas? Pensemos no porquê. O petróleo serve para enriquecer corruptos que se instalaram na Petrobras. As terras servem aos competentes empresários do agronegócio (parabéns a eles).

A água, como hidrovia, serve a grandes negociantes; como geradora de energia serve as hidrelétricas; aos investidores (parabéns a eles) mas também aos nefasto conchavos com as construtoras.

As mineradoras que deixam rastro destruição, como imensas áreas destruídas (exemplo: Serra Pelada) e tragédias (como a de Mariana/Samarco) depois da festejada privatização da Vale.

Voltando aos estudos sobre o déficit da Previdência, uma ideia seria que quem usa os bens naturais pagasse para isso, recursos destinados a proporcionar para “o rico povo brasileiro” uma aposentadoria digna.

Norberto Carlos Dieguez,

Rio Preto.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso