X
X

Diário da Região

19/09/2015 - 00h00min

Painel de Ideias

Uma noite sobre a cegueira do mundo

Painel de Ideias

NULL NULL
NULL

Em Sentimento do Mundo, Carlos Drummond de Andrade, desabafa o peso da noite. “A noite desceu. Que noite! Nas casas, nas ruas onde se combate, nos campos desfalecidos, a noite espalhou o medo e a total incompreensão. A noite caiu. Tremenda, sem esperança...” O inferno dos povos da Síria, Iraque e outros países que vivem sob a ameaça e a selvageria do Estado Islâmico (EI) nos faz crer que longa será a noite de todos nós.

O modus operandi do Estado Islâmico faz corar até mesmo a violência da Al Qaeda, rede terrorista criada por Osama Bin Laden, do qual se originou. Fileiras de homens executados sumariamente. Decapitações, amputações e até crucificações. Mulheres estupradas; grávidas mortas com suas barrigas retalhadas. Cidades inteiras violadas e famílias executadas. É dessa noite que milhares estão fugindo.

Para escapar desse horror, se arriscam em travessias tão perigosas e mortais. Por desespero passam toda sorte de humilhação e privação. Dia desses, numa dessas reportagens que quebram nosso coração, um rapaz bonito, engenheiro, lágrimas nos olhos, contava sobre os policiais da Hungria (país passagem dos refugiados e que tem provocado minha repulsa e ojeriza).

“Chamam-nos de animais! Não sou animal, disse ele: “Tenho profissão, amo meu país, quero voltar, minha vida é lá. Mas não posso, destruíram minha casa, mataram minha família, estão acabando com meu povo”. A noite desses refugiados será cruel, sangrenta e aterrorizante, talvez similar ao extermínio dos judeus pelo nazismo na Alemanha, isso se a comunidade mundial não se mobilizar. É lógico que o assunto é complexo, vasto e cheio de vertentes.

Analistas da Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) calculam que 10 mil terroristas do Estado Islâmico deverão se infiltrar na Europa nesse levante de refugiados. Mas, o flagelo é urgente e merece a mais absoluta e irrestrita solidariedade mundial. Vale lembrar que o Estado Islâmico foi criado por jihadistas sunitas no vácuo de poder deixado após a guerra americana no Iraque e a guerra civil na Síria. Jihadistas são mulçumanos que lutam para impor o islamismo para o mundo. A cegueira causada pelo extremismo religioso sempre foi um das chagas da humanidade, e a fuga desesperada desses milhares é mais uma prova disso. “A noite caiu! E que noite! E o amor não abre caminho na noite. A noite é mortal, completa, sem reticências, a noite dissolve os homens, diz que é inútil sofrer, a noite dissolve as pátrias... A noite anoiteceu tudo... O mundo não tem remédio...” Penso nisso cada vez que um terrorista exibe a cabeça de um “inimigo” que recusou-se à conversão ou toda vez que um refugiado é rechaçado nessas fronteiras. A maior escuridão da noite é mesmo a da cegueira. Saramago tinha razão: “Tentei dizer que não somos bons e que é preciso que tenhamos coragem para reconhecer isso."

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso