X
X

Diário da Região

13/11/2016 - 00h00min

Artigo

Os Pirahãs e os políticos

Artigo

JOHNNY TORRES NULL
NULL

Fabiano Maissonnave e Lalo de Almeida visitaram, a mando da Pesquisa Ambiental da Amazônia, uma região a noventa quilômetros de Humaitá. Fizeram uma reportagem sobre os índios Pirahãs.

Trouxeram interessantes informações, sobre os selvagens constatando algo inexplicável. Comem peixes cozidos na areia, sem sal e nenhum tempero, as casas são palhoças à margem do rio de nome Maici.

Everett, missionário cristão mudou-se para lá em 1.979, não conseguiu converter ninguém e tornou-se ateu.

Verificou que a língua dos Pirahãs é diferente de todas as outras línguas existentes no mundo.

Shomsky, um linguista que afirmara terem todas as línguas do mundo, um tronco único, foi contraditado.

Para a aldeia foram enviados professores que verificaram não haver o recurso para se emendar uma frase à outra, só há o tempo presente: nem passado, nem futuro.

Não há como especificar as cores.

Por mais que se lhes ensine, não conseguem dizer, quando indagados, esse é o preto, esse é o vermelho, etc.

Não conseguem entender dinheiro. Por exemplo, um real, para eles, é igual a dois, cinco e, como já dissemos, são incapazes de identificar cores diferentes. Os professores da cidade Humaitá tentaram, sem sucesso, durante oito meses ensinar-lhes alguma coisa da língua portuguesa. Não conseguiram.

Para mim, após ter lido há anos trabalhos sobre a língua humana, há ausências, nos hemisférios cerebrais deles, distúrbios na incisão de Silvius e nas áreas de Broca (vide os trabalhos de Charcot, Digerin e Houssay).

O Lula disse, certa vez, que no Congresso existiam trezentos picaretas. Acho que só se referia à Câmara, pois se acrescentar senadores à cifra o numero subirá para quinhentos.

A conclusão é a seguinte. Nosso eleitorado, ao eleger deputados e senadores, por exemplo, erra na avaliação das escolhas, procedem como os Pirahãs.

Como será que eles pronunciariam o vocábulo trezentos (isso só se referindo a deputados).

Como se diz em Pirahã a palavra propina?

Será que perguntando a um dos trezentos infelicitadores da pátria, saberemos?

Um conselho: nas próximas eleições, meu caro leitor, vote em algum Pirahã, que não sabe contar dinheiro, ao invés de votar em alguém que é especialista em roubar dinheiro.

A diferença entre alguns políticos e o Pirahã, é que o Pirahã não sabe contar dinheiro, enquanto o político que pertença ao grupo de um dos trezentos sabe contar dinheiro até demais, só se esquece dessa característica quando é pego em flagrante e diz, invariavelmente, que não sabia de nada.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso