X
X

Diário da Região

24/11/2015 - 00h00min

Painel de Ideias

As Marianas dentro de Rio Preto

Painel de Ideias

NULL NULL
NULL

Mariana é logo aqui, na esquina. Pode parecer um erro geográfico, mas não o será por falta de lama. Há muito temos visto a cidade de Rio Preto tornar sólido o que era pastoso, pastoso o que era seco ou molhado o que foi pastoso.

Não apenas como um “estado de pasta”; viscoso; pastoso, nessa sequência redundante, bem poderia ser aplicado como um derivativo de pasto. Os muitos pastos, plantações, matas ciliares e espaços verdes que foram tomados pelos inclementes e lucrativos “aumentos do perímetro urbano" e suas oficinas de concreto.

Não foi uma nem duas ou três, mas muitas vezes, que ouvimos histórias de vereadores que expandiram seus patrimônios pessoais em proporções similares àquelas que aprovavam junto com a expansão da cidade.

Outras tantas, presenciamos a canalização dos principais rios da cidade, a extinção de nascentes (procure saber de uma bica que havia na Andaló, só como breve exemplo), de matas ciliares ou esse vergonhoso e hipócrita processo legal de substituição de uma árvore histórica por “cento e tantas de espécies nativas”. Em nome da compensação pelo “progresso”.

E, se não existe nenhuma Samarco atuando por aqui (de repente até está, e não sabemos), há motivações muito parecidas quando se “aprova”, por exemplo, a instalação de postos de gasolina, em áreas que até pouco tempo não permitiam tal comércio, por colocar em risco as nossas águas.

Suba a marginal da Rodovia Assis Chateaubriand e você verá dois novos postos, desça a rua Rua Virgílio Dias de Castro, próxima ao bairro São Deocleciano (aliás, um santo que não existe), e verá outro. Nesses locais, até então, as leis de proteção à natureza proibiam a instalação de postos, porque qualquer vazamento seguido de chuva, fatalmente lançará resíduos nas águas. Mas esses são exemplos muito recentes, pois se andar por toda cidade, verá que situações idênticas já haviam sido “instituídas”.

Não sou um especialista em meio ambiente, perdoem-me, portanto, por esse exercício por vezes imprudente de comentários, mas sou cidadão que paga seus impostos (às vezes até duas vezes pelo mesmo IPTU), nascido aqui, que observa os efeitos devastadores dessas decisões políticas.

Agora, destroem a Praça Cívica, novamente por “necessidade” de solução para o problema do transporte urbano. Aquele espaço que, embora concretado, mantém inúmeras árvores e representa uma espécie de respiradouro ao lado da represa, ganhará uma densidade absurda de fumaça e poluição sonora de primeira grandeza.

Enfim, não falta lama na gênese de todas essas histórias. Aliás, parece que o próprio tempo demonstra que há abundância de lama em quase todas as movimentações pelo “progresso”. No fundo, escondemos uma Mariana em cada bairro da nossa cidade. Todas prontas pra virarem manchetes e comoções.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso