Diário da Região

18/12/2010 - 01h50min

 

A penúria dos municípios

 

É no município que tudo acontece. O Estado e a União são instâncias de poder distantes e inatingíveis para o cidadão comum. Quando precisa reivindicar, o munícipe bate à porta da Prefeitura. Ou na casa do prefeito. Essa proximidade facilita as cobranças e aumenta a responsabilidade do administrador local. Para tudo é preciso dinheiro, mas o cofre da grande maioria das prefeituras está sempre vazio. O fardo que as cidades carregam, sobretudo as menores, está pesado demais. União e Estado deveriam se preocupar muito com isso: as cidades podem falir! Os repasses de verba estão caindo ano a ano, enquanto os municípios são obrigados a assumir cada vez mais responsabilidades. Nos últimos anos, vimos nosso caixa se esvaziar por causa das desonerações fiscais que derrubaram o FPM (Fundo de Participação dos Municípios), a principal receita mensal das pequenas cidades. A reposição pontual de parte das perdas, feita pelo governo federal, é apenas um paliativo. Vimos crescer também o número de sentenças judiciais de primeira instância obrigando prefeitos e prefeitas a adquirir, com dinheiro do município, remédios de alto custo e até a bancar procedimentos cirúrgicos de alta complexidade, obrigações que deveriam caber ao Estado ou à União.


Os recursos para programas desenvolvidos no município por meio de parcerias nunca são suficientes para cobrir os gastos, como, por exemplo, o Programa de Saúde da Família. O valor que as prefeituras recebem mensalmente é insuficiente para a manutenção da equipe de trabalho. Os recursos para o transporte escolar também não cobrem os custos. Está aprovada há dez anos a chamada Emenda 29, que fixa um percentual para investimentos da União em Saúde (10%), mas até hoje a matéria não foi regulamentada. Enquanto isso, nos últimos quatro anos, os municípios receberam R$ 20 bilhões a menos para a área de saúde. A União investe em média na saúde somente 5,5% de suas receitas, enquanto os municípios investiram 22% nos últimos dois anos. Agora, acaba de ser aprovado o novo modelo de distribuição dos royalties do petróleo, muito mais justo e democrático, mas o presidente Lula já anunciou que vetará. Cabe aos prefeitos e prefeitas continuarem mobilizados, cobrando também o apoio dos parlamentares de sua região nessa luta. A continuar o sufoco financeiro atual, grande parte dos municípios brasileiros não terá como honrar suas contas, e os administradores não conseguirão cumprir a lei de responsabilidade fiscal. Precisamos de mais atenção e respeito. Afinal, é no município que vive o cidadão.


IVANETE HERNANDES VETORASSO Prefeita de Guapiaçu e presidente da Associação dos Municípios da Araraquarense


Quer ler o jornal na íntegra? Acesse aqui o Diário da Região Digital

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso