Defensoria Pública pede na Justiça água para moradores da favela Vila Itália Ícone de fechar Fechar

DURANTE A PANDEMIA

Defensoria Pública pede na Justiça água para moradores da favela Vila Itália

Pedido foi feito com base no crescimento do número de casos de coronavírus pelo país


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18
Rio Preto

A Defensoria Pública de Rio Preto pediu na Justiça o fornecimento contínuo de água para os moradores da favela da Vila Itália durante a pandemia de coronavírus. A manifestação assinada pelo defensor Júlio Tanone pede para que a Prefeitura de Rio Preto, por meio do Semae, promova o fornecimento contínuo de água aos moradores no prazo de 72 horas. Atualmente, mais de 500 pessoas vivem na favela.

De acordo com o pedido, o fornecimento contínuo de água aos moradores da favela da Vila Itália, visa conter o avanço do coronavírus, protegendo as famílias que vivem na favela. "O que se requer é, determinar-se aos réus a providenciarem a ligação de água, garantindo o fornecimento dos serviços nas ocupações precárias que não contam com sistema próprio, especialmente na favela da Vila Itália, independente de estar em processo de regularização urbanística ou não", escreveu.

Como alternativa para abastecimento, a Defensoria Pública diz que quando inexistir rede de água na ocupação, um caminhão-pipa é sugerido para o abastecimento. Serviços de coleta e tratamento de esgoto, além de melhorias da pavimentação e drenagem na favela também foram solicitados pela Defensoria. "Ao menos enquanto perdurar o estado de pandemia, para que todas e todos possam, com dignidade, enfrentar o momento de crise e respeitar o isolamento indicado por profissionais especializados".

O Diário procurou o Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto (Semae), que informou que até o final da tarde desta quarta-feira, 8, o Departamento Jurídico da autarquia não havia sido notificado do pedido da Defensoria.