IMG-LOGO
Home Tecnologia
Tecnologia

Banco na palma da mão

Bancos digitais se popularizam pela facilidade de abertura de contas 

Passar horas na fila do banco e pagar caro em tarifas bancárias estão com os dias contados depois do surgimento dos bancos digitais. Essa modalidade de instituição financeira permite fazer as mesmas operações de um banco tradicional. A diferença está na cobrança de taxas e serviços, que na maioria das vezes é zero.

O banco digital funciona como um banco tradicional, com conta corrente e todos os serviços conhecidos, mas é um banco sem agência física. Para ser atendido, o cliente precisa acessar os serviços de chat online ou fazer uma ligação telefônica. E o segredo dos digitais está exatamente aí: por não terem custos com a manutenção de um prédio, energia elétrica, água e funcionários, não precisa cobrar as tarifas.

Os bancos digitais operam por meio das fintechs - empresas de tecnologia criadas para a área de finanças. Do inglês: finance (finanças) technology (tecnologia). Ou seja, uma fintech é qualquer empresa que tenha tecnologia capaz de executar operações financeiras ou de gestão nessa área.

A primeira fintech brasileira é hoje um dos bancos digitais com mais clientes no país, o Nubank. Criado em 2013, oferecia cartão de crédito sem anuidade e 100% controlado por aplicativo.

Hoje já existem no Brasil mais de 15 fintechs operando como bancos digitais. A tendência é de mais crescimento. Entre os anos de 2017 e 2018, os bancos digitais cresceram 147% no Brasil, de acordo com a pesquisa "A revolução dos bancos digitais 2020", divulgada em janeiro deste ano, pela empresa boostLAB.

"Nos próximos anos, muito provavelmente os grandes bancos digitais vão consumir os pequenos, e acredito que essa adequação para o digital vai ocorrer inclusive nos grandes bancos tradicionais. Vamos ver muitas agências fechando, com o tempo, e conforme o público vai mudando. A população vai envelhecendo e os hábitos mudando. Não tem como correr contra isso. Até os bancos tradicionais vão ficar cada vez mais digitais", explica Odenir César Neto - diretor executivo da Gallica Intermediação de Negócios, empresa que desenvolve fintechs.

A isenção de taxas foi um atrativo para a administradora de empresas e profissional de educação física Renata Stuch, 39 anos, que abriu conta no ModalMais há um ano. "Além de menos taxas, tem melhores opções de investimentos. Eu uso para quase tudo, especialmente aplicações", afirma Renata.

Bancos tradicionais

O pioneiro entre os bancos digitais do Brasil foi o Nubank, criado em 2013, e que hoje já conta com quase 20 milhões de clientes. São cerca de 50 mil novos cadastros por dia em média. O Banco Inter tem cerca de 4 milhões de clientes e 13 mil novas contas por dia.

Mesmo com o crescimento cada vez maior dos bancos digitais, a confiança dos clientes ainda está nas instituições financeiras tradicionais.

Na pesquisa "A revolução dos bancos digitais 2020", 63% dos entrevistados disseram que a primeira opção na hora de confiar seus dados financeiros ainda está nos bancos tradicionais, e apenas 12% disseram preferir os bancos digitais.

Essa insegurança tende a diminuir com o tempo, à medida que os bancos digitais forem mostrando que são seguros. "A gente percebe que existe uma mudança no perfil do usuário de tecnologia. Hoje a gente quer ter tudo que utiliza como um serviço, quer ter facilidade, comodidade", diz Odenir César Neto, da Gallica Intermediação de Negócios.

Ele conta que abrir um banco no Brasil não é fácil. Existe todo um processo regulatório que é preciso atender. "Não é qualquer um que abre um banco do dia para a noite no Brasil. Até para nós, que desenvolvemos a tecnologia para o cliente que vai ter um banco, existe um processo burocrático rigoroso, temos de atender obrigações regulatórias", diz.

"As pessoas precisam começar a olhar por essa perspectiva: o Brasil, apesar das dificuldades que temos, 'bancariamente' é um país seguro. Temos uma força garantidora dos direitos que o cliente bancário tem. Ninguém fica à deriva. Ninguém abre um banco facilmente, e ninguém vai ser deixado à deriva porque colocou dinheiro em um banco desses", afirma.

Os principais bancos no Brasil

Nubank

Foi o primeiro banco digital do Brasil. O cliente não paga taxa de manutenção nem taxa de transferências para outros bancos. As transferências podem ser feitas por TED ou por meio de boleto gerado no aplicativo, que pode ser pago em qualquer outro banco, ou mesmo casas lotéricas. Mas não conta com o serviço de saques. Os valores que ficam na NuConta, a conta corrente do Nubank, têm rendimento automático.

Banco Inter

O Inter também é um dos mais antigos bancos digitais do Brasil e considerado um dos melhores. O Inter tem tarifa zero em manutenção da conta, e também para saques ou transferências. Oferece operações com o uso de imagem. O cliente pode fazer pagamentos e depósito de cheques por meio do uso de QR Code. Por meio do app é possível fazer investimentos, contratar seguros, empréstimos e financiamentos. O banco não oferece cartão de crédito.

Original

Um banco voltado para clientes de maior renda, cobra tarifa de manutenção (R$ 9,90 por mês), mas oferece saques e transferências gratuitos e ilimitados, e também cartões de débito e crédito para compras e saques em caixa eletrônico. Tem app voltado para investidores, com boas opções de seguros e investimentos. Outro diferencial é o programa de cashback: o cliente acumula pontos nas compras feitas por meio do cartão, que se transformam em crédito na conta do mês seguinte.

Modal Mais

Um do mais recentes, mas que já aparece entre os melhores bancos digitais do Brasil. Não tem tarifa de manutenção e oferece serviços de transferência e saques gratuitos e ilimitados, mas não oferece cartão de crédito.

Neon

O banco Neon não possui taxa de manutenção, nem anuidade, mas pode ser que o cliente precise pagar por alguns serviços. Apenas o primeiro saque e primeira transferência são gratuitos. Oferece dois tipos de contas, a padrão, e a Neon . Para usar a Neon , que tem transferências gratuitas e ilimitadas, o cliente precisa fazer dez compras com o cartão de débito do banco. O banco não oferece cartão de crédito.

Agibank

Não cobra taxas de manutenção de conta, mas os outros serviços gratuitos são limitados. A transferência entre contas Agibank são gratuitas, mas limitadas a quatro TEDs por mês. Os saques em caixas eletrônicos também são gratuitos somente nas primeiras quatro operações por mês e duas vezes em casas lotéricas. No quesito boleto, o Agibank limita a 10 boletos gratuitos por mês. Oferece cartões de crédito e débito. Também é possível receber salário na conta do Agibank.

Conta em 5 minutos

O processo para abertura de uma conta em um banco digital é simples e pode ser feita por qualquer pessoa que tenha em mãos um smartphone. Demora cerca de cinco minutos

1. Escolha o banco

2. Baixe o aplicativo

3. Faça o cadastro

4. Tire fotos dos documentos pessoais

É só aguardar a análise de crédito. Se aprovado, o cliente já pode começar a usar os serviços

Editorias:
Tecnologia
Compartilhe: