Hipotireoidismo e hipertireoidismoÍcone de fechar Fechar

Saúde

Hipotireoidismo e hipertireoidismo

Conheça as principais doenças da tireoide que atingem 15% da população


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Sonolência ou perda de sono. Cansaço ou agitação. Intestino preso ou solto. Problemas com a falta ou excesso de peso. Quando um paciente chega ao consultório com alguma dessas queixas, o médico pode desconfiar que o problema esteja na tireoide e é mais comum do que você imagina. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que 15% da população sofre de problemas na tireoide.

A glândula tireoide fica no pescoço, logo abaixo da laringe, onde estão localizadas as cordas vocais. Ela produz dois hormônios, tri-iodotironina (T3) e tiroxina (T4), que são levados através do sangue para todas as partes do corpo, onde eles regulam o metabolismo, que é a maneira como o seu corpo usa e armazena energia. "São responsáveis pelo equilíbrio do funcionamento das células do organismo", explica Jorge Kim, especialista em cirurgia de cabeça e pescoço e em doenças da tireoide e paratireoide. Quando apresenta distúrbios, pode comprometer a saúde.

A função da tireoide é controlada pela hipófise (uma pequena glândula localizada na base do cérebro), que por sua vez produz o hormônio estimulante da tireoide (TSH), que induz a tireoide a produzir T3 e T4. "Os dois hormônios produzidos pela tireoide têm atuações em diversas funções do nosso organismo como o ritmo cardíaco, o tônus muscular, o ciclo menstrual e a digestão", complementa Kim. A produção adequada destes hormônios é muito importante para o organismo.

A doença mais frequente relativa a essa glândula é o hipotireoidismo, que é oito vezes mais recorrente em mulheres do que em homens e em pessoas com mais de 60 anos. "Neste caso, a pessoa apresenta apatia, lentidão dos movimentos, sonolência, ganho de peso, frequência cardíaca baixa, sensação de frio, pele ressecada, inchaço em algumas partes do corpo, entre outros sintomas", explica Kim. A doença tende a se repetir entre os membros da família.

Outra bastante comum, causada pelo excesso de hormônio tireoidiano, é o hipertireoidismo. "Nesses casos é importante identificar a causa da produção acentuada, sendo, geralmente, a doença de Graves (disfunção autoimune que altera o funcionamento da tireoide) a principal delas", explica a endocrinologista. Nathalia Morales de Camargo.

É uma condição que apresenta tremores, nervosismo, suor intenso, perda de peso, irritabilidade e pressão arterial alta. "Há casos graves em que a pessoa tem aumento da tireoide (bócio) e pode ter também exoftalmia (olhos esbugalhados)", diz Jorge Kim. Se não tratado, o hipertireoidismo pode levar a outros problemas de saúde. Alguns dos mais graves envolvem o coração (batimentos cardíacos acelerados e irregulares, insuficiência cardíaca congestiva) e os ossos (osteoporose). Hipertireoidismo leve em idosos pode não apresentar sintomas.

Hipotireoidismo

  • Cansaço
  • Intolerância ao frio
  • Dispneia (falta de ar) após esforços
  • Ganho de peso
  • Alteração da memória e do raciocínio
  • Constipação intestinal
  • Depressão
  • Irregularidade menstrual
  • Falta de libido
  • Queda de cabelo
  • Mialgia (dor no corpo)

Hipertireoidismo

  • Intolerância ao calor/sudorese
  • Fraqueza
  • Palpitação
  • Ansiedade/irritabilidade
  • Insônia
  • Perda de peso
  • Queda de cabelo
  • Alteração no ciclo menstrual