Os idosos e o vírus Diário da Região - Artigos

Diário da Região

    • São José do Rio Preto
    • máx 31 min 20
21/03/2020 - 19h38min

ARTIGO

Os idosos e o vírus

Divulgação Celso Ming
Celso Ming

Sempre chega o dia em que não há mais escapatória e, uma a uma, as pessoas são obrigadas a reconhecer que estão ficando velhas. Há anos se repete que o Brasil é um país de jovens, por mais que as estatísticas agora demonstrem o contrário.

O alastramento do coronavírus, que pôs os mais velhos no grupo de risco, mostra que o Brasil não se preparou para lidar com essa relevante mudança demográfica. O envelhecimento da população não teve correspondência em políticas de saúde apropriadas.

Não é apenas o Sistema Único de Saúde (SUS) que se mostra desequipado para atender à cada vez maior demanda pelos idosos. Também o setor privado expõe graves deficiências. A principal delas é a de que os planos de saúde cobram mensalidades impraticáveis dos associados mais velhos para lhes garantir atendimento médico, exames clínicos e internação hospitalar.

André Fattori, professor de Geriatria da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas (Unicamp), adverte: "Agentes de saúde, como enfermeiros e médicos, não estão capacitados para lidar com problemas mais comuns da idade avançada".

As universidades cuidam do ensino e treinamento dos futuros médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde, mas preveem pouca carga horária para tratar de geriatria e de gerontologia. Continua excessivo o foco na pediatria, num país cuja taxa de natalidade vem caindo. Não por acaso, essa situação se reflete sobre toda a rede nacional de saúde, que atua com profissionais pouco habilitados para as novas necessidades da população.

Mesmo diante da omissão das universidades na adaptação dos seus currículos, há o que pode ser feito imediata e diretamente no SUS em benefício da população sênior. Fattori explica que o foco do atendimento deveria se ater ao prolongamento das funcionalidades cognitiva e motora do idoso, para que ele se mantenha autônomo e se sinta acolhido durante o maior tempo de vida possível. Uma debilidade nos ossos, por exemplo, pode comprometer a independência, o que não acontece se um diagnóstico de diabetes é devidamente acompanhado. O tratamento intensivo de doenças crônicas pode se tornar insuficiente para a saúde integral dos mais velhos no dia a dia.

Como afirma Luiz Roberto Ramos, professor de Geriatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), é preciso aumentar o escopo da atenção primária nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), com o objetivo de prevenir doenças. Os médicos de família, por exemplo, precisam saber recepcionar os idosos para avaliar sinais de demência e perdas de funções orgânicas e, ao mesmo tempo, conferir se as dosagens dos remédios estão corretas

Além disso, acrescenta ele, faltam profissionais especializados que complementem o trabalho do médico de família. É preciso formar mais fisioterapeutas e fonoaudiólogos que encaminhem adequadamente demandas específicas e ajudem a montar redes de apoio aos idosos. Ele também sugere que seja expandido o atendimento domiciliar, para que, assim, se poupem os que têm dificuldades de locomoção.

No entanto, falar em cuidados para idosos pode ser algo genérico demais, adverte o geriatra Marcos Daniel Saraiva, da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. "O envelhecimento não depende só de fatores genéticos. Pesam, também, fatores ambientais, culturais, psicológicos e o estilo de vida", diz. Estes são decisivos no registro de tantas diferenças. Enquanto muitos com mais de 80 anos se mantêm independentes e ativos, outros, com menos de 70, se mostram prostrados, incapazes dos cuidados mais simples consigo próprios.

Saraiva recomenda que os investimentos públicos destinados ao atendimento dos idosos não se restrinjam a questões de saúde somente, mas também contemplem as atividades das secretarias de urbanismo, cultura e transportes, de modo a garantir maior inclusão daqueles que logo serão a maior parte da população brasileira. (Com Guilherme Guerra)

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos 3 primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos 3 primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por Você para acessar o Diário da Região.