Deputado defende adiar eleição, mas medida divide opiniõesÍcone de fechar Fechar
    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

O deputado federal da região de Rio Preto Fausto Pinato (PP) defendeu adiamento da eleição para prefeitos e vereadores, prevista para outubro, em função da pandemia do coronavírus. O deputado gravou vídeo e postou nas redes sociais sua posição sobre o adiamento. A discussão no Congresso é de esticar mandatos atuais em dois anos. Isso unificaria a eleição nacional em 2022.

Pinato fez a postagem depois de declaração do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, neste domingo, 22, de que a eleição deve ser adiada. "Está na hora de o Congresso falar: 'adia', faz um mandato tampão desses vereadores e prefeitos. Eleição no meio do ano será uma tragédia, porque vai todo mundo querer fazer ação política", disse.

Pinato é defensor de prorrogar os mandatos. "Sou totalmente favorável ao adiamento, por dois anos, das eleições. Acho que o partido deveria propor a doação do fundo eleitoral, que é no valor de 2 bilhões de reais, mais o custo do dia da eleição, que é de mais 2 bilhões", afirma o parlamentar, que já anunciou que é pré-candidato a Prefeito de Rio Preto, embora ainda mantenha domicílio eleitoral em Fernandópolis.

O assunto não é consenso entre deputados da região. Geninho Zuliani (DEM), por exemplo, afirma que o meio político sente os impactos da pandemia, mas definir adiamento da eleição é prematuro. "Acho precoce esse debate. Precisamos esperar nos próximos 15 dias para ter uma visão exata do tamanho da pandemia", disse.

Luiz Motta (PL), que está em quarentena por suspeita da Covid-19, afirmou na última semana que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve ser provocado para se manifestar sobre o adiamento. Nesta segunda, 23, o deputado afirmou que o ministro da Saúde não deveria opinar sobre eleição. "O competente ministro deve restringir as suas atuações junto às questões de gerenciamento da grave crise que o Brasil enfrenta hoje na saúde pública. O trabalho que vem fazendo à frente do Ministério é exemplar e não pode ser desvirtuado por temas paralelos como as eleições municipais de outubro", disse.

Mudanças nos atuais mandatos dependem de aprovação do Congresso, pois as regras estão previstas em lei.

O juiz da 267ª Zona Eleitoral de Rio Preto, Paulo Marques Vieira, também afirmou que acha precipitado decisão sobre adiamento das eleições. "Não temos certeza sobre a duração da pandemia da Covid-19. Acho precipitado qualquer discussão ou decisão sobre eventual adiamento das eleições". O magistrado disse ainda que os trabalhos da Justiça Eleitoral estão avançados em preparação para as eleições municipais".