São Paulo joga bem, leva susto, mas vence Ponte Preta Ícone de fechar Fechar

CAMPEONATO PAULISTA

São Paulo joga bem, leva susto, mas vence Ponte Preta

Com a vitória, o São Paulo dispara na liderança do Grupo C, com 15 pontos, cinco à frente do Mirassol


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18
São Paulo

O São Paulo voltou a jogar bem e derrotou a Ponte Preta por 2 a 1, neste domingo, 1º, no Morumbi, pela 8ª rodada do Campeonato Paulista. Alexandre Pato e Reinaldo marcaram os gols da vitória ainda no primeiro tempo. Dawhan diminuiu para a Ponte Preta na etapa final.

Com a vitória, o São Paulo dispara na liderança do Grupo C, com 15 pontos, cinco à frente do Mirassol. Com apenas sete pontos, na terceira colocação do Grupo A, e sem vencer há cinco rodadas (quatro derrotas e um empate), a Ponte Preta fica a dois pontos da zona do rebaixamento.

Na última partida, o time de Fernando Diniz já havia deixado uma boa impressão ao golear o Oeste por 4 a 0, em Barueri. O São Paulo volta a campo na quinta-feira, quando estreia na fase de grupos da Copa Libertadores contra o Binacional, em Juliaca (Peru), 21h (de Brasília), pelo Grupo D.

Pelo Campeonato Paulista, na 9ª rodada, o São Paulo encara o Botafogo, domingo, no Santa Cruz, em Ribeirão Preto. Já a Ponte busca a reabilitação na segunda-feira para receber o Bragantino, no Moisés Lucarelli, em Campinas.

O JOGO - O primeiro tempo começou com uma polêmica envolvendo a arbitragem, que anulou um gol da Ponte Preta logo aos 4 minutos. Após cruzamento da esquerda, Trevisan apareceu entre os zagueiros do São Paulo e tocou para as redes. O auxiliar, porém, anotou impedimento no zagueiro da Ponte.

Na reposição de bola, o São Paulo quase abriu o placar. Enquanto os jogadores da Ponte Preta reclamavam o gol anulado com o árbitro Vinicius Furlan, Volpi lançou Alexandre Pato, ele entrou livre na área e tentou encobrir Ivan, mas a bola saiu com perigo pela linha de fundo.

Jogando com velocidade e intensidade, trocando passes rápidos no setor ofensivo, o São Paulo chegou ao gol aos 8. Pablo cruzou rasteiro da esquerda, a bola passou pela área da Ponte e encontrou Alexandre Pato, que tocou para as redes, marcando seu terceiro gol nos últimos dois jogos.

Aos 17 foi a vez do São Paulo reclamar da arbitragem. Após cruzamento de Vitor Bueno, Arboleda cabeceou e a bola tocou no braço esquerdo de Bruno Reis, gerando muita reclamação dos são-paulinos.

Mesmo em vantagem o São Paulo não abriu mão de atacar, de estar com a posse de bola e o domínio da partida. Aos 31, o time de Diniz quase ampliou a vantagem. Daniel Alves cobrou falta e Pablo cabeceou para boa defesa de Ivan.

Aos 35, Alexandre Pato balançou as redes novamente, mas a arbitragem, corretamente, parou o lance anotando o impedimento do atacante.

No último lance do primeiro tempo, o São Paulo chegou ao segundo gol. Depois de uma disputa na entrada na área, Vitor Bueno rolou para Reinaldo que acertou um chute forte e acertou o ângulo esquerdo de Ivan. Ao final do primeiro tempo, a torcida do São Paulo vibrou e aplaudiu a atuação do time no Morumbi.

No início da etapa complementar a situação da Ponte Preta ficou mais complicada, depois que o lateral esquerdo Yuri foi expulso, após levar o segundo cartão amarelo. Com um jogador a mais em campo e mantendo a mesma intensidade ofensiva do primeiro tempo, o São Paulo parou em duas belas defesas do goleiro Ivan, que deve ter causado boa impressão ao preparador de goleiros da seleção brasileira Cláudio Taffarel, presente ao estádio do Morumbi.

Aos 9, Daniel Alves cobrou falta, Pablo cabeceou e Ivan fez bela defesa com os pés. No minuto seguinte foi a vez de Igor Gomes parar em outra difícil intervenção do goleiro da Ponte Preta.

Mesmo superior em campo e quando tinha uma posse de bola de quase 70%, o São Paulo sofreu o primeiro gol. Aos, 25, Dawhan tabelou com Bruno Reis, se aproveitou de uma saída equivocada de Tiago Volpi e diminuiu o placar.

O gol da Ponte deixou o São Paulo em alerta. O time do Morumbi permaneceu com a posse de bola, mas reduziu as investidas ao ataque. A torcida sentiu o clima de preocupação nos minutos finais. A Ponte bem que tentou crescer no jogo, mas não teve forças para chegar ao empate.