Pequenos negócios buscam alternativas em Rio PretoÍcone de fechar Fechar

Sobrevivência

Pequenos negócios buscam alternativas em Rio Preto

Em Rio Preto são quase 53 mil pequenos empreendedores


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Além das graves questões de saúde pública, a Covid-19 se tornou uma ameaça para a saúde financeira dos pequenos negócios de todo o País. Investir em comércio eletrônico e delivery estão sendo consideradas as alternativas mais viáveis para enfrentar esse momento delicado. Atualmente, 49% dos empregos e 27% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil correspondem aos pequenos negócios. Só em Rio Preto são 52.753 microempreendedores individuais (MEIs), micro e pequenas empresas.

De acordo com o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Wilson Poit, é inevitável que tenha queda na demanda, principalmente nas atividades que envolvem atendimento ao público como restaurantes, salões de beleza e comércio em geral. Por outro lado, é provável que haja um aumento na procura por comércio eletrônico e serviços de entrega.

Setores de serviços educacionais, logística, transporte e tecnologia também estão com o alerta ligado e preocupam por movimentarem, juntos, uma massa salarial anual superior a R$ 238 bilhões.

A recomendação de Iroá Arantes, gerente regional do Sebrae em Rio Preto, é que os empresários invistam nas mídias sociais, como Facebook e Instagram, e na presença digital de seus negócios, oferecendo venda online e entrega em domicílio se o segmento permitir. Ela também afirma que é hora de cortar tudo aquilo que não é essencial, fazendo compras menores. "Para a prestação de serviços, também é interessante estabelecer horários específicos para o público dos grupos de risco, como os idosos e os diabéticos."

Isabella Soares gerencia a loja de donuts, as famosas rosquinhas, de sua mãe, em Rio Preto. Ela conta que decidiram aderir à prática do serviço de entrega, já que seus clientes não poderiam se deslocar até o local. Além disso, reforçaram o marketing da empresa através das redes sociais. "Estamos fazendo promoções e enviando para nossos clientes pelo Instagram e pelo WhatsApp. Essas são ferramentas chaves para manter o seu negócio, quando se passa por uma situação igual a que estamos vivenciando", afirma.

(Colaborou Ingrid Bicker)

 

Empreendedores que estiverem com problemas podem recorrer ao Banco do Povo Paulista. Em todo o Estado são R$ 25 milhões em linhas de microcrédito para empreendedores que pequenos negócios enfrentem os impactos financeiros do coronavírus.

A linha de microcrédito teve redução da taxa de juros de 1% para 0,35% ao mês. O prazo para pagamento passou de 24 para 36 meses, já incluindo o prazo de carência, que também aumenta de 60 para 90 dias. Além disso, o limite de concessão de crédito sem avalista passa de R$ 1 mil para R$ 3 mil reais.

Mediante análise de crédito e comprovação de endereço, poderão realizar os empréstimos pessoas jurídicas de micro e pequenos negócios formais (MEI, ME, LTDA, Eireli) e também microempreendedores urbanos e rurais, inclusive do setor informal. O valor máximo a ser emprestado é R$ 20 mil.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico de Rio Preto, Jorge Luís de Souza, o interessante agora é que o dinheiro não precisa ser usado apenas para compra de materiais, reforço do estoque ou para uso na infraestrutura. Ainda não é permitido o pagamento de dívidas. "O dinheiro pode ser usado para pagar funcionários, pagar aluguel e contas como energia elétrica. É um socorro imediato para manter o negócio", afirmou.

Inicialmente, as condições especiais para obter o crédito serão válidas até o dia 30 de abril, mas podem ser prorrogadas.

Interessados devem procurar a Secretaria de Desenvolvimento, mas antes devem fazer agendamento pelos telefones: (17) 3203 1222 ou 3203 1383 ou pelo e-mail: [email protected]