Obras de ficção dão lições de como encarar a pandemia Diário da Região - Literatura

Diário da Região

    • São José do Rio Preto
    • máx 30 min 22
22/03/2020 - 00h30min

LITERATURA

Obras de ficção dão lições de como encarar a pandemia

Vendas de livros de ficção que se passam em situações de epidemias disparam na Europa, no Brasil a procura ainda é tímida; afinal, quais lições podemos tirar de "A Peste" e "Ensaio Sobre a Cegueira"?

Divulgação / Pixabay Obras estão entre as mais vendidas da semana no portal Estante Virtual, que reúne acervo de sebos e livreiros
Obras estão entre as mais vendidas da semana no portal Estante Virtual, que reúne acervo de sebos e livreiros

Um dia normal na cidade. Os carros parados numa esquina esperam o sinal mudar. A luz verde acende-se, mas um dos carros não se move. Em meio às buzinas enfurecidas e à gente que bate nos vidros, percebe-se o movimento da boca do motorista, formando duas palavras: "Estou cego". Assim começa o romance de José Saramago "Ensaio Sobre a Cegueira". A "Treva Branca" que acomete esse primeiro cego vai se espelhar de maneira incontrolável e, em pouco tempo, uma multidão precisará aprender a viver de novo, em quarentena.

A obra de ficção publicada em 1995 entrou na lista dos livros mais vendidos nas últimas semanas em países da Europa, em meio à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Além do livro de Saramago, obras de ficção que se passam em situações de epidemias ou que descrevam doenças que assolaram o mundo no passado estão entre os mais procurados.

É o caso do romance "A Peste", do escritor franco-argelino Albert Camus, que se tornou Best Seller na França e dobrou o número de venda nas oito primeiras semanas de 2020.

No Brasil, o romance de Camus foi o segundo livro mais vendido da semana pelo portal Estante Virtual, que reúne o acervo de sebos e livreiros do País. A obra de Saramago ocupa a sexta posição no mesmo site. A Amazon italiana tem diversos livros de ficção e não-ficção entre os mais procurados. Um exemplo é o "Spillover: L'evoluzione delle pandemie" (Transbordamento: A evolução das pandemias, em tradução livre), do cientista norte-americano David Quammen.

Mas, por que o interesse nessas obras de ficção? Qual a relação que elas podem ter com nossa atual situação? Quais lições podem ser deduzidas com base nessas narrativas?

"A Peste" é considerado o grande romance do escritor e pensador Albert Camus. A narrativa é ambientada em Oran, na Argélia. O romance trata de uma longa e forçada quarentena, a qual os habitantes da cidade são submetidos, depois de verem muitos cidadãos, parentes e amigos morrerem pela peste, transmitida pelos ratos que invadiram a cidade.

Para o professor de Teoria Literária da Unesp, em Rio Preto, Márcio Scheel, doutor em Estudos Literários pela mesma universidade, o aumento nas vendas de "A Peste" em países da Europa e outras regiões do mundo é algo bastante curioso, já que a obra trata-se de um romance alegórico. Seu contexto de publicação, 1947, ocorre apenas dois anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, o que leva a uma interpretação mais política, da peste como uma representação da ocupação nazista na França.

"Nesse sentido, os ratos são os próprios nazistas, bem como a peste acena para a ideologia, a força, a perversão e a violência com a qual o regime ameaçou a Europa. Do mesmo modo, o protagonista, Bernard Rieux, médico, irá representar aquele que organiza a resistência e a luta contra a praga invasora", explica Scheel.

Ele aponta algumas coincidências importantes que se passam no livro com a atual situação vivida por diversos países, que lutam contra o avanço do Covid-19. No romance, também se estabelece uma quarentena, que, mais tarde, se transforma em estado de sítio. As autoridades também resistem, desde o início, a tomar medidas mais duras para o controle da peste, porque temem os prejuízos econômicos que tais medidas possam provocar. Os cidadãos, no início, também não compreendem a seriedade e a gravidade da epidemia, o que faz com que ela se espalhe rapidamente, alcançando uma letalidade imprevista.

"Do mesmo modo, vemos, no romance, a força da desinformação, do medo e da paranoia, bem como a irresponsabilidade daqueles que duvidam dos acontecimentos e, por isso mesmo, se sujeitam à exposição e à doença, contaminando-se, disseminando o bacilo, morrendo e agravando ainda mais a situação já precária e dramática na qual a cidade se vê mergulhada", explica. Também é possível notar a solidariedade de quem se dedica a ajudar as pessoas, resistir ao caos e lutar contra a praga e contra a irresponsabilidade cega dos cidadãos e governos.

Para o pesquisador, enxergar a literatura como algo pedagógico, ou seja, que pode nos ensinar algo, pode ser uma visão platônica. Mas ele ressalta que a leitura do romance pode levar o leitor a deduzir que é necessário compreender, se opor, lutar e resistir contra tudo aquilo que nos ameaça e constrange, seja a doença, a epidemia ou as forças políticas antidemocráticas e autoritárias.

"Mas também, e sobretudo, que é preciso perseverar numa solidariedade profunda, que nos humanize de fato, que nos vincule aos outros pelo caminho do entendimento, o respeito, a compreensão. Uma solidariedade baseada na percepção de que nossa condição humana é frágil, de que temos medo, de que nos desesperamos e, por isso mesmo, é necessário resistir ao assédio do pânico e da angústia, da paranoia e da loucura, se quisermos vencer as circunstâncias que nos cercam, a epidemia e as adversidades que ela trouxe consigo", destaca o professor universitário.

Albert Camus (1913-1960) cresceu na Argélia, onde estudou filosofia. Foi um dos principais representantes do existencialismo francês, influenciando de modo decisivo a visão de mundo da geração de intelectuais rebeldes da época do pós-guerra. Em 1957, Camus foi agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura.

Treva Branca

A obra "Ensaio Sobre a Cegueira" guarda relações de proximidade muito fortes com o romance de Camus. Em ambos, são narradas epidemias que começam com um único homem e rapidamente se espalham pelos cidadãos, fugindo ao controle das autoridades.

No caso do livro de Saramago (1922 - 2010), moradores de uma cidade são atingidos por cegueira branca que toma o mundo todo, com exceção de uma mulher, que será a testemunha de uma barbárie que ameaça colapsar toda uma ordem social em si mesma já muito frágil.

"O romance de Saramago também é alegórico, e a cegueira pode ser interpretada justamente como um desses eventos singulares, profundos e perturbadores que fazem emergir as fraquezas, debilidades, desvios e primitivismos que restam, muitas vezes, ocultos no caráter dos homens", afirma o pesquisador.

Na narrativa, as bases legais, éticas, morais e culturais que regem a vida social desmoronam diante de uma epidemia incompreensível. A população se torna refém do medo, da superstição, da violência e da perversidade que marcam o desespero pela sobrevivência e manifestam egoísmo, a autopreservação a qualquer custo, o conflito e o ódio.

Para o pesquisador, a crítica que o romance apresenta é sobre a tendência à irracionalidade mais instintiva e ao oportunismo cego praticados pelas pessoas diante de circunstâncias extremas, ou nem tão extremas assim. "A crítica mais incisiva que o romance coloca em jogo é aquela que nos faz considerar que a vida em sociedade está sempre muito mais ameaçada por nossos comportamentos imprevisíveis, irracionais, cínicos e egoístas do que por qualquer força externa mais ou menos perturbadora. A maior delas, talvez, seja a de que o medo é um péssimo conselheiro, o pânico um inimigo da civilidade e o irracionalismo o princípio da barbárie".

José Saramago exerceu diversas profissões, como serralheiro, desenhista, funcionário público e jornalista, antes de se dedicar só à literatura. Em 1998, ele recebeu o Prêmio Nobel de Literatura.

O professor universitário esclarece que, ainda que se possam deduzir lições a partir dos romances, é preciso ter em mente que eles não oferecem soluções milagrosas para os problemas mais concretos. Dessa forma, é um risco usá-los como manual ou um guia para a vida diária e as circunstâncias excepcionais. "A ficção é uma outra forma de ver o mundo, mais livre e menos comprometida com a verdade lógica, filosófica, social ou política. Logo, esses romances não podem ser procurados como um instrumento de compreensão do estado de coisas que estamos vivendo agora. Preocupa que o que leve as pessoas a ler seja mais a histeria e menos o desejo de se humanizar de fato", finaliza.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos 3 primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos 3 primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por Você para acessar o Diário da Região.