Secretaria de Rio Preto prepara local para população de ruaÍcone de fechar Fechar
    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

A Secretaria de Assistência Social de Rio Preto deve anunciar ainda nesta semana um novo espaço para atender os moradores de rua expostos aos riscos de contaminação pelo novo coronavírus, a Covid-19. A ideia é ter um local com 24 horas de funcionamento oferecendo pernoite, refeições e espaço para higienização. Com a série de medidas para o isolamento social, faltou até mesmo alimentação para parte dessa população na última segunda-feira, 23.

"Ficamos sabendo que algumas instituições sociais que forneciam comida para moradores de rua suspenderam o atendimento no horário do almoço por conta da Covid-19. Diante disso, a Secretaria aumentou a distribuição do tíquete do Bom Prato para o horário do almoço. No jantar, o Albergue Noturno está distribuindo a alimentação em marmitex, evitando assim aglomeração", disse a secretária de Assistência Social, Patricia Lisboa.

Segundo dados da pasta, a cidade teve em 2019 o número de 475 migrantes e outros 315 moradores de rua, na faixa etária dos 18 aos 59 anos. Com a pandemia, essas pessoas estão recebendo orientações da Secretaria de como se prevenir e quais os procedimentos seguros. Oito funcionários da pasta percorrem pontos da cidade para abordagem. "A Secretaria de Assistência Social iniciou ações administrativas, em parceria com as demais secretarias, para que tenhamos o Serviço de Acolhimento Emergencial Provisório para pessoas em situação de rua. Estamos escolhendo local para em seguida contratar os serviços", disse Patricia. "Estamos atentos a todo e qualquer movimento, atitude, necessidade do morador de rua, redobrando os cuidados diante da ocorrência do coronavírus."

A falta de informação é um dos grandes inimigos dessa população, acostumada a viver em pontos na área central da cidade. A Secretaria discute com grupos de entidades religiosas e assistenciais melhores formas de atender e proteger essa parte da população, evitando aglomerações.

Por conta da pandemia do coronavírus e na tentativa de evitar aglomerações, o Centro POP (Centro de Referência Especializado para População de Rua), localizado na rua Antônio de Godoy, no Centro, fez algumas adequações em seu atendimento. Receberá apenas dez pessoas por vez e limitará a 40 pessoas no período da manhã e mais 40 no período da tarde. Em nota, a Secretaria afirmou que também "aumentou o fornecimento de passagens para pessoas em situação de rua que são idosas retornando para suas famílias ou redes de apoio."

O Centro POP oferece aos moradores de rua acolhimento, lavagem de roupa, espaço para banho e higiene pessoal, além de distribuir kits de higiene e vale-alimentação para almoço. Em parceria com o Albergue Noturno (na Rua Independência), oferta até 250 atendimentos mensais, sendo 40 vagas para pernoite e dez vagas para Casa de Passagem, para quem quer deixar a rua. A prioridade será aos maiores de 60 anos.

O Programa Bom Prato, que oferece 1.400 almoços diários e 300 cafés a preço popular, tomou algumas medidas para evitar aglomerações. Nas filas, os usuários terão de respeitar a distância mínima de 1,5 metro e, no interior do restaurante, os assentos serão ocupados de forma intercalada, deixando uma cadeira desocupada.

Não está havendo distribuição de cartões de venda aos frequentadores e o local disponibiliza itens para higienização das mãos - água, sabão, álcool em gel 70% e papel toalha. O Bom Prato fornece almoço entre as 10 e 15 horas. Funcionários do local também vão reforçar a higienização das instalações, móveis e utensílios do salão durante o atendimento. (OJ)