Sem ressentimentosÍcone de fechar Fechar

Saúde Emocional

Sem ressentimentos

Não permita que a pessoa que o magoou tenha controle sobre você


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Ao se agarrar a um ressentimento, ainda que o ache justificável, somente coisas ruins resultam dele. Não é para menos, o ressentimento é tóxico. Ele pode corroer a alma, além de também entregar o controle da vida à pessoa de quem se ressente. O que não se percebe é que, ao se ressentir de uma pessoa por algo que ela fez, acontece o oposto: permite-se, então, que aquela pessoa tenha o controle sobre você. O ressentimento se torna uma parede que mantém as pessoas impassíveis, lançando uma sombra escura sobre o presente e bloqueando o futuro.

Ressentir é o mesmo que sentir várias vezes a mesma coisa, remoer uma mágoa e alimentar o sofrimento. "O ressentimento é um tipo de sentimento desconfortável que, enquanto o indivíduo permitir, continuará fazendo-o sofrer", explica o coach José Roberto Marques. Geralmente, acontece como resultado de uma grande decepção que não é esquecida, e, então, enquanto não há perdão, continua machucando. Essa sensação pode tanto ter relação com um terceiro, que fez algo considerado ruim, quanto com a própria pessoa, por conta de alguma decisão tomada da qual ela se arrepende.

"Não se deve deixar que irritações diárias, comuns, pequenas e sem importância, que surgem naturalmente em qualquer relacionamento, se transformem num ressentimento pleno", escreveu o norte-americano Stephen Arterburn no livro "Paredes Emocionais- Como superar os obstáculos que te impedem de seguir adiante" (ed. Mundo Cristão). O importante é lembrar que é preciso fazer o mesmo com os erros, conflitos e traições maiores. "Talvez a pessoa por quem se tem um ressentimento nunca mude, mas é preciso livrar-se da mágoa que certamente mudará a pessoa que a sente", complementa.

A saída para o ressentimento com alguém, como para muitas coisas na vida, passa pelo perdão. "Quando não perdoamos os outros, nos colocamos em uma escravidão mental, física e emocional. E quando permitimos que isso ocorra, a pessoa que nos feriu pode nos colocar em uma gaiola, sendo que somos os únicos que podemos nos libertar dela", explica Flora Victoria, mestre em psicologia positiva.

A habilidade de perdoar é sinônimo de saúde mental e física. O perdão protege contra os efeitos negativos do estresse e faz bem tanto à saúde de quem é perdoado como, principalmente, de quem perdoa.

Se você se compromete a evitar o ressentimento e a não se vingar do ofensor, está perdoando e deve dar-se crédito por isso", explica o escritor Maurício Zágari. Ao longo do tempo, à medida que os pensamentos e os sentimentos negativos diminuem, você pode se surpreender tendo pensamentos positivos e sentimentos benéficos em relação a quem o ofendeu. Esse é mais um passo positivo no processo de perdão.

A grande questão é: Se o perdão é tão bom e positivo para o ser humano, por que poucos optam por não perdoar quando as pessoas as machucam e se ressentem? "A resposta pode estar na cultura atual que valoriza mais a expressão da raiva e do ressentimento do que a da paz e do perdão. Além disso, a maioria das pessoas está confusa sobre o que é e o que não é perdão", diz no livro "O Poder do Perdão" o norte-americano Frederick Luskin, PhD em psicologia e professor adjunto do Instituto de Psicologia Transpessoal, na Califórnia. Ele também é membro do Centro de Conflito e Negociação da Universidade de Stanford, onde dirige também o "Projeto Stanford para o Perdão", um centro dedicado ao estudo desse processo.

Não ignore seus sentimentos: Libertar-se de um ressentimento é realmente deixá-lo ir e não negar sua existência. E, para isso, é necessário que o acolha e ouça o que diz o seu coração, porque é assim que poderá resolver as questões que ficaram pendentes e deixar o que aconteceu no passado. Quando você nega um sentimento e finge que ele não existe, essas informações vão para o seu subconsciente, manifestando-se através de crenças limitantes que poderão comprometer seu desenvolvimento;

Identifique a origem: De quem você tem mágoas? Anote todas as situações que lhe causaram dor no decorrer da vida e que o deixam triste até hoje;

Veja como cada ressentimento o afeta: Pense em cada item situação e veja de que forma os fatos te afetam. Entender como cada situação impacta em sua vida é muito importante, porque é através dessa consciência que poderá, de fato, se libertar;

Considere a sua responsabilidade: Somos responsáveis por muitas das coisas que acontecem conosco. A ideia não é que se culpe por tudo e sim que perceba o seu papel e evite se vitimizar. É claro que haverá casos em que a outra pessoa agiu de má fé e abusou da sua bondade, entretanto, pode haver outros em que você permitiu que aquilo acontecesse. Essa análise irá permitir que enxergue cada item da sua lista sob uma perspectiva diferente e possa chegar à conclusão de que vários ressentimentos não fazem mais sentido;

Reconheça a humanidade das pessoas: Considere a humanidade das pessoas que te magoaram e também a sua. O ser humano, de modo geral, é um ser imperfeito, que veio a este mundo para descobri-lo, se descobrir, aprender e evoluir. Durante esse processo, é natural cometer erros, porque é através deles que todos aprendemos;

Perceba que cada fase tem os seus desafios: Eles vão mudando com o passar do tempo, mas estão sempre ali, nos testando e nos lapidando. Portanto, reconheça que é um ser humano, que irá errar e aprender até o seu último dia de vida, assim como todas as outras pessoas que passarem pelo seu caminho. Ao adotar essa visão, passará a ver erros de forma mais leve, não para aceitar tudo sem questionar e sim para se libertar e evitar guardar mágoas que não o levarão a nada.

Fonte: José Roberto Marques, coach