A força do elogioÍcone de fechar Fechar

Comportamento

A força do elogio

Ato, quando sincero, tem um poder transformador; o problema é que não aprendemos como usá-lo da maneira certa


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Todo mundo gosta de receber elogios. Não é para menos, um bom elogio na hora certa tem uma força muito grande. Entretanto, isso só vale para o reconhecimento sincero e digno de aplausos e não de bajulação interesseira ou banal. Elogiar alguém não tem nada de errado. pelo contrário: tem um poder transformador e pode ajudar uma pessoa num dia ruim. O problema é que nós não aprendemos como usá-lo de maneira certa. É aí que seu uso brota excessivamente de todos os lados.

Disparamos elogios nas redes sociais, no trabalho, na escola, sem pensar nas consequências do ato de aparente gentileza. Num curto prazo, a pessoa que é elogiada fica enaltecida. A longo prazo é que vem o problema. Isso porque o ato de elogiar está quase sempre relacionado a aspectos superficiais.

Só vale se for verdadeiro

A psicóloga Margarida Azevedo Dupas, autora do livro "Psicanálise e Educação: Construção do Vínculo e Desenvolvimento do Pensar", lembra que elogiar o outro envolve uma série de sentimentos. "O elogio implica julgamento a favor de alguém. Mas só tem sentido se acompanhado - por parte de quem o expressa - de consideração, interesse, respeito, valorização, aceitação, acolhimento, admiração, afeição, amor, apreciação, calor, carinho, enaltecimento, estima, ternura e sintonia", lembra a psicanalista. Ou seja, se não for verdadeiro, não tem valor.

O lado B

Pode parecer estranho, mas elogios podem ter um efeito prejudicial para quem os recebe. No livro "Mais Rápido e Melhor", o autor Charles Duhigg fala de um interessante estudo feito com crianças sobre motivação pela psicóloga Carol Dweck, da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. A constatação foi que elogiar uma pessoa por algo que ele já domina muito bem não traz nada de novo. Em contrapartida, quando você enaltece o esforço de alguém, está passando a mensagem de que a pessoa está no controle de suas atitudes e que sempre pode obter resultados melhores.

Cérebro entende elogio como recompensa

Toda vez que recebemos um elogio por alguma coisa, o cérebro entende isso como recompensa: você fez algo bom e recebe um agrado. Ponto para você. Só que seu cérebro quer que você acumule mais pontos, e por isso tem iniciativas ousadas. É a nossa motivação, gerada por uma área do cérebro chamada centro de recompensa. "Está aí o segredo da persistência", diz o psiquiatra Robert Cloninger, da Universidade Washington de St. Louis, Missouri. "O corpo trabalha com determinação depois que aprende a lição."

O problema começa a surgir quando acumulamos elogios demais, pontos demais. O cérebro entende que nem precisa mais mandar a mensagem de incentivo. É como se o centro de recompensa se aposentasse da torcida pelo seu sucesso. Isso não é bom para você. Sem esse apoio, você perde a motivação para fazer as tarefas.