Deputada convida coronel da PM para falar de agressão a grávidaÍcone de fechar Fechar

EXPLICAÇÕES

Deputada convida coronel da PM para falar de agressão a grávida

Beth Sahão (PT) quer ouvir o comandante do 17º Batalhão da Polícia Militar de Rio Preto, coronel Paulo Sérgio Martins


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

A deputada estadual Beth Sahão (PT) fez um ofício para convidar o comandante do 17º Batalhão da Polícia Militar de Rio Preto, coronel Paulo Sérgio Martins, para "prestar informações acerca dos procedimentos apuratórios e punitivos em relação ao agente que abordou, de forma abusiva e truculenta, uma mulher grávida de cinco meses" na cidade. Não consta a data de quando o coronel prestaria os esclarecimentos. Os esclarecimentos deverão ser prestados na Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana e da Participação Social da Assembleia Legislativa de São Paulo.

"Conforme consta no noticiário do dia 4 de fevereiro, no período da tarde, policiais militares, sob a justificativa de abordagem de suspeito de porte de entorpecentes, acabaram por abordar uma mulher sem qualquer relação com o tipo penal em perseguição, e de forma abusiva e truculenta, imobilizou a jovem grávida de 5 meses", consta na justificativa do convite.

De acordo com a deputada, as imagens mostram o policial imobilizando a "grávida no chão com os joelhos sobre a barriga e seio e, num ato de crueldade, desferiu-lhe um tapa no rosto, submetendo-a situação de tortura, provocando-lhe dor, embora a vítima se encontrasse incapacitada de qualquer reação".

No documento, a petista afirma ainda que "apesar de ter havido o afastamento do policial agressor, esta medida não é uma resposta eficaz para com o agente público que violou regras protocolares da própria Polícia Militar quanto a abordagem a mulheres e também violou as regras constitucionais de proteção física e psíquica às pessoas, mesmo quando perseguidas por prática criminosas". "Desta forma, é imperioso que o comandante do 17º Batalhão venha a esta Casa prestar informações acerca dos procedimentos apuratórios e punitivos em relação ao agente", escreveu Beth no convite.