Diário da Região

    • São José do Rio Preto
    • máx 30 min 20
08/02/2020 - 00h30min

Custo de vida

Inflação perde força e tem alta de 0,21%

Além das carnes, os combustíveis também ajudaram a desacelerar a inflação

Tânia Rego/Agência Brasil Custo da alimentação no domicílio cresceu 0,20% em janeiro, após um avanço de 4,69% em dezembro
Custo da alimentação no domicílio cresceu 0,20% em janeiro, após um avanço de 4,69% em dezembro

Passado o choque de preços, as carnes ficaram mais baratas neste início de ano, dando uma trégua para a inflação oficial no País. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,21% em janeiro, o resultado mais baixo para o mês desde o início do Plano Real, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, 7.

Depois de subirem 18,06% em dezembro, os preços das carnes recuaram 4,03% em janeiro, item de maior contribuição negativa para o IPCA do último mês. "(A carne) Estava com preço elevado em dezembro, então a gente está comparando com uma base elevada. Os preços não voltaram ao patamar anterior, mas tiveram leve recuo. Se considerar janeiro do ano passado, o patamar (de preço das carnes) está bem mais alto ainda. Não devolveu tudo que tinha subido", ressaltou Pedro Kislanov, gerente do Sistema Nacional de Índices de Preços do IBGE.

O custo da alimentação no domicílio cresceu 0,20% em janeiro, após um avanço de 4,69% em dezembro. As famílias pagaram mais pelo tomate (13,72%, depois de uma alta de 21,69% no mês anterior) e pela batata-inglesa (11,02%).

A alimentação fora do domicílio subiu 0,82% em janeiro, ante uma elevação de 1,04% em dezembro. "A variação da alimentação fora de casa é um pouco mais estável, os preços não variam tanto quanto na alimentação no domicílio".

Além das carnes, os combustíveis também ajudaram a desacelerar a inflação. A gasolina voltou a ficar mais cara, assim como o etanol, mas subiram menos que no mês anterior. Os reajustes no condomínio e no aluguel residencial pesaram nos gastos com habitação. No entanto, as despesas foram menores em janeiro com peças de vestuário, produtos de higiene pessoal e artigos de residência.

"A gente não vê pressão de demanda no índice do mês. Foi o menor resultado para o IPCA de janeiro desde o Plano Real. Houve uma desaceleração em alguns componentes da inflação de serviços, que é o que melhor reflete a pressão da demanda sobre preços, sobre a inflação. Embora a economia esteja se recuperando, com redução da taxa de desemprego, a gente não sente ainda um efeito grande em termos de demanda no resultado da inflação".

A inflação de serviços desacelerou de uma alta de 0,73% em dezembro para 0,28% em janeiro, dentro do IPCA. Já os preços de bens e serviços monitorados pelo governo avançaram de uma alta de 0,35% em dezembro para 0,51% em janeiro.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos tr�s primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por Você para acessar o Diário da Região.