11 livros que valem a pena a leitura em 2020Ícone de fechar Fechar

LEITURA

11 livros que valem a pena a leitura em 2020

Confira títulos envolventes, empolgantes e com fortes personagens que vão conquistar o coração até de quem não é muito viciado em livros


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Se ler mais ou começar a ler foi uma de suas metas para este 2020, esta reportagem é para você. A fim de incentivar uma nova rotina de leitura e que você tenha qualidade de vida e seja feliz, o caderno Vida & Arte selecionou 11 títulos para você devorar ao longo deste novo ano. A ideia desta matéria ainda é lançar um desafio: ler um livro por mês, a partir deste mês de fevereiro. Para tornar a meta ainda mais sedutora e instigante, há obras clássicas, livros com textos de diferentes estilos, gêneros diversos e lançados por escritores nacionais e internacionais. Topa o desafio? Conheça abaixo as obras e boa leitura.

Esta sugestão é assinada por Mark Manson, que foi best-seller nas livrarias brasileiras de 2018 e 2019. No livro publicado pela editora Intrínseca, o autor, que é americano e consultor de desenvolvimento pessoal, pede que o leitor se livre da felicidade maquiada e superficial e descubra o que é realmente importante na sua vida. Com uma abordagem franca, ele afirma que muitas pessoas estão sufocadas diante da pressão por parecer otimista o tempo todo. Como um amigo, Manson conta piadas, dá uns exemplos inusitados e joga umas verdades na cara do leitor. O objetivo é deixar as pessoas mais alertas e capazes de enfrentar esse mundo cão. Se você gostar da leitura, pode correr, logo depois, e comprar "F*deu geral: Um livro sobre esperança?". Na obra, Mark Manson explora, por exemplo, a relação das pessoas com o dinheiro, o entretenimento e a internet, e desafia de modo franco as definições de fé, felicidade e liberdade.

O título do livro, de Napoleon Hill, pode assustar as pessoas. Neste cenário, deixe de lado o pré-juízo e aproveite a leitura. Escrito em 1938, após uma das maiores crises econômicas, e precedendo a Segunda Guerra Mundial, a obra é uma fonte de inspiração e coragem e deve ser considerada um manual para todas aquelas pessoas que desejam ser mais espertas que seus medos, problemas e limitações. Autor de livros como "Quem pensa enriquece" e "Só tem sucesso quem quer", o autor, que morreu em 1970, tem um texto atual e importante. Para ele, toda adversidade tem uma semente de benefício equivalente. O escritor ensina como o leitor pode ter mais força, coragem e fé em si mesmo para viver em paz e em harmonia com a própria consciência. Segundo Hill, ao saber mais sobre o Diabo e suas armadilhas mentais, as pessoas acabam se aproximando mais de Deus. Para o escritor, todo pensamento emocionado, unido à fé, tende a se realizar, a se materializar.

Com um jeito simples de escrever, a cronista gaúcha Martha Medeiros afirma neste livro que o abraço tem o poder de dissolver problemas. Poeta, romancista e cronista, que estreou em 1985 com "Strip-Tease", Martha já vendeu mais de um milhão de exemplares e em "Feliz por Nada" dá uma baita lição sobre a importância de valorizar a vida e ilumina algumas questões mais urgentes do século XXI. Na obra, ela fala aos leitores com a sinceridade de um amigo e materializa as angústias e os anseios da sociedade pós-tudo, que vive acuada sob o grande limitador do tempo. Nesta coletânea de mais de 80 crônicas, Martha aborda temas muito diversos e ao mesmo tempo muito próximos do leitor, como amor, família e amizade, assim como Deus, romances antigos e novos, mulher, escritores e cineastas que são imortais, de se perder e se reencontrar, do que a vida oferece e muitas vezes se deixa passar.

A história de August Pullman, o Auggie, que nasceu com uma síndrome genética, ganhou o mundo em 2017 com o lançamento do filme "Extraordinário", dirigido por Stephen Chbosky e estrelado por Julia Roberts, Jacob Tremblay e Owen Wilson. No entanto, o livro, assinado por R. J. Palacio, que foi adaptado para o cinema, conta com detalhes sobre a severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Na história, o garotinho, que nunca tinha frequentado a escola, é matriculado no quinto ano em um colégio particular de Nova York e tem uma missão de convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um garoto igual a todos os outros. A história é narrada pela perspectiva de Auggie, com momentos comoventes e outros descontraídos.

Uma das obras mais importantes do século XX, o livro foi escrito por Anne Frank entre 12 de junho de 1942 e 1º de agosto de 1944, durante a Segunda Guerra Mundial. Vivendo em um dos contextos mais difíceis da história da humanidade, a jovem de 13 anos conta como viu a sua vida se transformar radicalmente, quando passou a viver no porão de uma casa em Amsterdã com a ameaça constante da morte. Seu diário detalha os sentimentos, medos e também poucas alegrias de uma menina judia que, como sua família, lutou em vão para sobreviver ao Holocausto. Na obra, o leitor acompanha a sua visão pessoal sobre este terrível confronto bélico. Lançado em 1947, 'O diário de Anne Frank' tornou-se um dos livros mais lidos do mundo. Traduzido para mais de 70 idiomas, "O diário de Anne Frank" já vendeu mais de 35 milhões de exemplares, sendo 400 mil deles só no Brasil. Sua popularidade inspirou a peça de teatro "The Diary of Anne Frank", de 1955, dos roteiristas Frances Goodrich e Albert Hackett, que também a adaptaram para uma versão cinematográfica de 1959.

Nathalia Savini

Autora de romances e contos que figuram entre os mais emblemáticos da literatura brasileira, Clarice Lispector é considerada no mundo todo uma das mais importantes escritoras do século XX. Seu modo singular de investigar o mundo e a natureza humana resulta numa escrita única, que para sorte dos leitores se estende por gêneros diversos, indo do conto e do romance à crônica de jornal, passando pela literatura infantil. "Perto do coração selvagem" (1944) é o romance de estreia da escritora e acaba de ganhar reedição pela Rocco para comemorar o centenário da autora em 2020. O livro mostra o cotidiano de Joana, que tenta desde a infância descobrir e encontrar a razão de ser de sua existência. No decorrer de todo o livro, o leitor encontra o conflito entre morte e vida, bem e mal, amor e ódio, e a crise do indivíduo. A capa foi ilustrada com uma pintura da própria Clarice.

O filme "Adoráveis Mulheres", que faturou o Oscar de melhor figurino neste domingo, 9, em Hollywood, é baseado no clássico "Mulherzinhas", publicado no Brasil pela Via Leitura, do grupo editorial Edipro. Clássico juvenil da literatura norte-americana, ele foi escrito por Louisa May Alcott, que nasceu na Filadélfia, em uma família dedicada à educação e à filosofia. A obra reúne um drama familiar, traços de um romance histórico e inspirações autobiográficas de sua autora. Publicado pela primeira vez em 1868, ele gerou inúmeras sequências em livros e adaptações para o teatro e cinema ao longo do tempo. A autora relata na obra quatro anos na vida das irmãs March - Meg, Jo, Beth e Amy. Enquanto o patriarca da família luta na Guerra Civil Americana e a mãe precisa trabalhar para manter a família, as quatro mulherzinhas precisam cooperar entre si para manter a unidade familiar. A obra é um romance moderno e atemporal, que aborda questões feministas de forma leve e aberta.

Em sua primeira obra de não ficção, a escritora, roteirista e atriz Fernanda Young, que morreu aos 49 anos, em março do ano passado, se insere no acalorado debate sobre o que significa ser homem e ser mulher hoje. Em textos autobiográficos, ela se revela como uma das tantas personagens femininas às quais deu voz, sempre independentes e a quem a inadequação é um sentimento intrínseco. E esse constante deslocamento faz com que Fernanda seja capaz de observar o feminino e o masculino em todas as suas potencialidades. É daí que surge o "Pós-F", pós-feminismo e pós-Fernanda, um relato sincero sobre uma vida livre de estigmas calcada na sobrevivência definitiva do amor, no respeito inquestionável ao outro e na sustentação do próprio desejo. No livro, que é ilustrado com desenhos da autora, Fernanda oferece sua visão de mundo na tentativa de superar polarizações e construir algo maior, em que caibam todos os gêneros. Fernanda Young é ainda autora de livros "Vergonha dos pés", "Carta para alguém bem perto" e "A sombra das vossas asas".

Sucesso do segmento de desenvolvimento pessoal, o americano Hal Elrod lançou no final de 2019 uma edição especial de "O milagre da manhã", pela editora BestSeller. Com capa dura, o livro reúne num único exemplar o livro que deu origem à série e um diário para o leitor ter ideia se está conseguindo alcançar suas metas. A obra, recomendada para aqueles que não conseguem seguir uma rotina equilibrada, adquirindo altos níveis de estresse e com dificuldades para lidar com as adversidades, sugere seis práticas diárias que prometem aumentar a produtividade e se livrar dos hábitos negativos. São elas: o silêncio, a leitura, fazer afirmações positivas, visualizar metas, fazer exercícios físicos e criar um diário. No ano passado, o Diário da Região lançou um projeto, que teve duração de um mês e foi um sucesso, em que os praticantes fizeram as seis atividades que Hal Elrod, autor do livro, chamada de "salvadoras de vida".

Clássico da literatura brasileira, com adaptações para a televisão, o cinema e o teatro, "O meu pé de laranja lima" é desses livros que marcam época. Lançado em 1968, trata-se de uma história com fortes traços autobiográficos. Nessa obra, conhecemos Zezé, que tem 6 anos e mora num bairro modesto, na zona norte do Rio de Janeiro. O pai está desempregado, e a família passa por dificuldades. O menino vive aprontando, sem jamais se conformar com as limitações que o mundo lhe impõe - viaja com sua imaginação, brinca, explora, descobre, responde aos adultos, mete-se em confusões, causa pequenos desastres. As surras que lhe aplicam seu pai e sua irmã mais velha são seu suplício, a ponto de fazê-lo querer desistir da vida. No entanto, o apego ao mundo que criou felizmente sempre fala mais alto.

 

Um dos livros mais vendidos do Brasil, em 2019, segundo a Nielsen, o livro foi escrito por Caio Carneiro, que é empreendedor, investidor e palestrante. Em seu site, o autor afirma que a obra vai provocar e inspirar o leitor não só a ter o espírito elevado e sonhar com coisas inimagináveis, mas também se tornar consciente do que precisa fazer para realizar cada um desses sonhos. "Com ele, você vai aprender comportamentos e atitudes necessários para conquistar, em todos os aspectos da sua vida, resultados incríveis", garante. Quem gostar da leitura, pode também adquirir o livro "Enfodere-se!", lançado recentemente pelo autor. Na obra, ele conta que o leitor vai aprender a focar na estrada, respeitando as curvas mais fechadas do circuito da vida, mas estando sempre pronto para uma retomada com força total, pisando fundo. Ele apresenta estratégias práticas para que o leitor também possa se empoderar de uma vez por todas, buscando o próximo nível, seja ele pessoal ou profissional.