Idoso morre após ser picado por cobra em PotirendabaÍcone de fechar Fechar

ATAQUE

Idoso morre após ser picado por cobra em Potirendaba

Desde 2018, foram registrados 137 ataques de serpentes na região


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

O idoso Ademir Pereira, de 61 anos, morreu após ser picado por uma cobra jararaca em sua propriedade rural, em Potirendaba. O ataque no braço direito da vítima aconteceu no domingo, 9. Ele chegou a ser socorrido por familiares, sendo levado para o Hospital de Base de Rio Preto. Entretanto, Ademir não resistiu e morreu dois dias depois do resgate, na manhã da última terça-feira, 11.

Na região, apenas no ano passado, 62 pessoas foram atendidas no Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox) do HB após serem atacadas por serpentes. Em 2018, foram 61 atendimentos. Neste ano, até o dia 11 de fevereiro, 14 ataques foram registrados pelo serviço de assistência a vítimas de animais peçonhentos do HB.

Segundo familiares, o acidente com a cobra aconteceu na manhã de domingo, 9. Ademir estava em um paiol para pegar milho para tratar das galinhas de sua propriedade rural, quando ao pegar um balaio foi picado. A suspeita é que a espécie que tenha atacado o aposentado seja uma jararaca.

O coordenador do Ceatox, Carlos Caldeira, ressalta que em 95% dos acidentes com serpentes os ataques acontecem em áreas rurais e as picadas são na mão ou para baixo dos joelhos da vítima. "Nós temos em torno de 50 ataques de serpentes, por ano, que passam pelo Ceatox. Esse é o quinto óbito em 20 anos do Ceatox após ataque de serpente". Ainda segundo o médico, um laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontará as causas da morte.

"As complicações clínicas na vítima, após a picada, são diferentes para cada espécie de serpente. No caso de picada de cascavel, que representa 10% dos acidentes com serpentes da região, gera na maioria dos casos a insuficiência renal. Já no caso de serpentes do gênero Bothrops (cobras caiçara, urutu e jararacas) o que ocorre é a alteração da coagulação, gerando sangramentos e lesão no local da picada, podendo até gerar necrose e amputações", explicou Caldeira.

O corpo de Ademir foi sepultado na manhã desta quarta-feira, dia 12, no Cemitério Municipal de Potirendaba. A vítima era conhecida na cidade por ser dono de uma venda no distrito de Guajuvira.

Ataques de escorpião

Segundo o coordenador do Ceatox de Rio Preto, entre os animais peçonhentos, os ataques por escorpiões lideram o número de ocorrências de atendimento pelo centro. Apesar disso, em apenas 5% dos casos o tratamento com soroterapia é necessário.

"A soma de todos os acidentes com aranhas, serpentes e outros animais peçonhentos não chega aos pés de escorpiões. Tanto que a colocação de soro nos pontos estratégicos sempre teve uma lógica guiada pelo número de ataques com serpentes, mas hoje em dia, a Secretaria do Estado tem formado novos pontos de soroterapia, pela grande incidência de ataques de escorpiões", destacou.

O que fazer em caso de acidentes com serpentes:

  • Lavar o local da picada apenas com água ou com água e sabão;
  • Manter o paciente deitado;
  • Manter o paciente hidratado;
  • Procurar o serviço médico mais próximo;
  • Se possível, levar o animal para identificação.

O que NÃO fazer em caso de acidentes com serpentes:

  • Não fazer torniquete ou garrote;
  • Não cortar o local da picada;
  • Não perfurar ao redor do local da picada;
  • Não colocar folhas, pó de café ou outros contaminantes;
  • Não beber bebidas alcoólicas, querosene ou outros tóxicos.

Casos atendidos pelo Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox) do HB

  • 2018: 61
  • 2019: 62
  • 2020: 14

Fonte: Ministério da Saúde

Reprodução

Um motorista de Guapiaçu levou um susto na tarde da última terça-feira, dia 11, após encontrar uma cobra dentro de seu veículo. O condutor precisou acionar uma equipe do Corpo de Bombeiros para capturar o animal.

Segundo a corporação, a ocorrência aconteceu na região rural de Guapiaçu. Quando a equipe especializada no manejo de animais peçonhentos foi até o local, constatou que se tratava de uma jararaca. O animal foi retirado de dentro do veículo e solto em seu habitat natural.

Por um vídeo, é possível ver que a serpente estava escondida na região dos pés do passageiro. Apesar do susto, o motorista não foi picado pela cobra.

Segundo Carlos Caldeira, do Ceatox, em casos de ataques de serpentes é recomendado que a vítima procure atendimento o mais rápido possível. "A primeira coisa que deve ser feita é procurar o mais rápido possível atendimento médico, não deve de maneira nenhuma fazer garrote ou passar qualquer produto no local", indicou.

Segundo o médico, nem todas as serpentes são venenosas. "Nesses casos (de não venenosas) não precisa tomar o soro. Por isso, sempre que possível fotografe o animal que te atacou. Isso facilita atendimentos e os primeiros socorros", explicou o coordenador do Ceatox do Hospital de Base de Rio Preto. (RC)