Diário da Região

    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 17
24/01/2020 - 17h16min

PRODUTORES

A vinícola Casreli da Georgia

A maioria dos produtores da Georgia divulgam seus produtos pelo Facebook e não tem sites, o que dificulta um pouco a comunicação

Fotos: Arquivo pessoal A maioria dos produtores da Georgia divulgam seus produtos pelo Facebook e não tem sites, o que dificulta um pouco a comunicação
A maioria dos produtores da Georgia divulgam seus produtos pelo Facebook e não tem sites, o que dificulta um pouco a comunicação

Quando decidi visitar a Georgia, para conhecer seus vinhos, comecei pesquisando produtores no Facebook. O primeiro que encontrei foi Misha Dolidze, que muito me ajudou a planejar minhas visitas naquele país.

A maioria dos produtores da Georgia divulgam seus produtos pelo Facebook e não tem sites, o que dificulta um pouco a comunicação.

A minha intenção era a de conhecer desde os vinhos feitos pelas famílias, para consumo próprio, o que é bem comum neste país até os vinhos de um grande produtor.

Como eu já esperava, foi muito mais interessante visitar os produtores menores. Fui recebido pessoalmente por eles e convidado a desfrutar de suas casas e de seus estilos de vida. Para visitar o grande produtor, contei com a ajuda de uma executiva local que me acompanhou na visita, apesar de ser gentil, não conseguiu tirar algumas dúvidas minhas.

Misha Dolidze me forneceu uma lista de sugestões de produtores locais e eu consegui contato com alguns deles e outros nem responderam.

Misha marcou conosco à noite na sua vinícola, Marani Casreli, junto com seu sócio Vaja. Durante o dia ele entregou vinhos para um importador e ao anoitecer, mesmo cansado, seu entusiasmo e humor estavam ótimos! Assim ele nos recebeu!

Ele estava orgulhoso, pois apesar de ter iniciado suas atividades em 2014, já acumulava uma série de prêmios por seus vinhos.

Eles nos ofereceram uma mesa preparada com seu supra (banquete), com queijos de diversas regiões da Georgia, pimentões e tomates grelhados, uma deliciosa beringela enrolada em uma pasta de nozes e especiarias (badridjane), carne assada e nozes. Serviram também seu doce típico, feito com nozes e coberto comuna mistura de suco de uva e flor seca, que parecia uma linguiça, por causa de seu formato.

Conversamos naquela noite sobre muitas coisas e entre elas sobre as invasões russas na Geórgia e os casos de demonstrações de violência e mortes, que até chegou a deixar o rio de Tblisi vermelho de tanto sangue.

Misha me mostrou seus Kvevris limpos, prontos para receber a nova colheita que estava para começar. Ele me explicou que cada tipo de uva fica um tempo em contato com a casca no kvevri. Em seguida o vinho é transferido para outro jarro e a casca é retirada. Ali ele envelhece e vai para os tanques de inox na hora de ser engarrafado.

A vinícola Marani também produz sua Chacha, com as cascas de uvas que restam. A Chacha é um tipo de grapa com teor alcoólico de 55%, gostosa, porém uma bomba alcoólica!

A produção de vinhos ali é de 5.500 garrafas por ano, devendo este ano passar a 10.000 garrafas.

Fizemos nesta visita uma prova dos vinhos da safra 2018, cada um acompanhado de uma saudação: à amizade, à liberdade, aos visitantes, à Georgia, Brasil e a tudo mais de bom. Foram eles:

Rkatsiteteli - Mtsvani, Amber Dry, com 14% de álcool. As duas cepas (70% Rkatsiteteli e 30% Mtsvane) são esmagadas juntas e vão para o Kvevri, onde ficam com as cascas por 4 meses. A cepa Rkatsiteteli faz um vinho profundamente frutado, com taninos marcantes, acidez moderada e com aromas de caramelo, mel e laranja seca. A cepa Mtsvani é mais leve e tem maior acidez e e aromas de ervas e tem a característica de suavizar o vinho.

Khikhvi, com 14% de álcool. A uva é esmagada no kvevri e fica em contato com a casca por 6 meses. O vinho apresenta aromas de frutos silvestres, um toque mineral, sabores de frutas secas e damasco, além de um tanino marcante.

Mtsvane - Kisi, das cepas do mesmo nome. A uva Mtsvane confere ao vinho, uma cor de grapefruit, que logo aparece durante a fermentação. Esta uva traz caracteres de damasco. A cepa Kisi traz aromas florais para o vinho, além de sabores de damasco, lima, laranja e nozes. É um vinho intenso, seco, com forte personalidade. Muito aromático, com taninos marcantes.

Chitstvala (olho de pássaro), das cepas Tetri Chitstvala(45%) Kisi (30%) e Rikatsite (25%). É um vinho denominado âmbar seco. Ele é bem seco, com presença marcante de taninos, cítricos e ervas, além de aromas de incenso. É um vinho equilibrado que deve ainda evoluir muito.

Provamos também sua deliciosa Chacha, para terminar aquele banquete.

Este produtor tem uma forma diferente de indicar quantas uvas são utilizadas no vinho. Ele coloca um recorte em formato de Kvevri no rótulos para cada cepas usada.

Na saída, ganhamos ainda uma garrafa de cada um destes 4 vinhos e outra de chacha, que trouxe ao Brasil, para provar com grupos especialistas em vinho.

Esta com certeza foi uma visita excepcional, onde conheci mais um pouco dos vinhos da Geórgia e seu povo maravilhoso.

Aproveito para contar um pouco da história da vinícola:

A Marani Casreli vinícola de Misha, foi fundada em dezembro de 2014, por 5 médicos. A vinícola produz vinhos naturais exclusivamente à partir de uvas de suas vinhas orgânicas, plantadas em abril de 2015, em terroirs selecionados especificamente.

Após a primeira colheita em 2016, foram produzidos 3 tipos de vinhos: 1)Kisi vinho varietal, da cepa Kisi (recebeu a classificação Bronze na competição internacional de vinhos Kvevri). 2) Mtsvivani, varietal da cepa Kakhuri Mtsvivani (recebeu a classificação prata no Concurso Internacional do Vinho Kvevri). 3) Chitistvala, mistura das cepas Tetri Chitstvala, Kisi e Rkatsiteli (33,33% cada) (recebeu a classificação ouro no Concurso Internacional de do Vinho Kvevri, degustação da Decanter).

Após a segunda colheita, em 2017, foram produzidos 6 tipos de vinhos: 1) Kisi - vinho varietal da cepa Kisi. 2) Mtsvivani varietal da cepa Kakhuri Mtsvivani. 3) Chitistvala, mistura das cepas: Tetri Chitstvala, Kisi e Rkatsiteli (33,33% cada). 4) Khikhvi-Kisi, mistura das cepas Khikhvi e Kisi (50% cada). 5) Mtsvane-Kisi, mistura das cepas: Kakhuri Mtsvane e Kisi (50% cada). 6) Erekle mistura das cepas: Rkatsiteli, Kisi, Khikhvi e Kakhuri Mtsvane (35, 35, 15 e 15%, respectivamente).

Marani Casreli produz vinho âmbar usando apenas a tecnologia tradicional da Georgia: maceração prolongada da pele em Kvevri. A tecnologia é baseada em fermentação e refinação naturais, com pouco ou nenhum sulfito.

O contato com o produtor pode ser feito pelo telefone 995 577 119101, ou [email protected]

A maioria dos produtores que tem exportação trabalham também através de importadores nos EU.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos tr�s primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por Você para acessar o Diário da Região.