Zé Renato homenageia Paulinho da ViolaÍcone de fechar Fechar

NOVO DISCO

Zé Renato homenageia Paulinho da Viola


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Por meio das plataformas digitais de música, Zé Renato monta playlists que funcionam como trilha sonora para atividades corriqueiras do dia a dia, como lavar louça. Uma delas foi dedicada apenas a canções de Paulinho da Viola. Algumas conhecidas, outras nem tanto. Mas todas com características melódicas e líricas que evidenciam a qualidade de um dos grandes compositores da música brasileira.

Ao escutá-las com atenção, o cantor descobriu que poderia contar uma história por meio de algumas delas e foi tirar as harmonias no violão. "Fui me tocando da grandiosidade da obra dele", conta Zé. Daí surgiu a semente de "O Amor É Um Segredo - Zé Renato Canta Paulinho da Viola", álbum com nove canções de Paulinho. Ele faz os shows de lançamento em São Paulo nos dias 11 e 12, no Sesc Bom Retiro. Os ingressos já estão à venda nas bilheterias e no site da instituição.

Há algum tempo, Zé, que tem 63 anos, vem se aproximando das canções de Paulinho em seus álbuns. "Zé Renato Ao Vivo" (2007) e "O Vento na Madrugada Soprou" (2014), este gravado por ele com os instrumentistas Rômulo Gomes (baixo) e Tutty Moreno (bateria), são abertos por músicas do compositor.

O músico quis que a ideia despretensiosa de fazer um projeto em homenagem a Paulinho da Viola se refletisse no clima da gravação, feita no estúdio da produtora de publicidade Luni, no Recife. A empresa pertence ao compositor Lula Queiroga, amigo e parceiro musical do cantor há mais de 30 anos.

Quando foi fazer um show com o Boca Livre na capital pernambucana, Zé contatou Lula para gravar o disco na sala de áudio do espaço, que ele já conhecia. Voz e violão foram registrados em apenas um dia, com sopros e detalhes de percussão colocados no dia seguinte.

Das canções do álbum, poucas podem ser consideradas sucessos. Zé diz que a aposta em lados B de Paulinho surgiu naturalmente. "Foi acontecendo à medida que fui ouvindo as músicas e achando os caminhos no violão. Isso me ajudou a dar o caminho da interpretação. Por coincidência, alguns sambas eram menos conhecidos. Mas é um estímulo chamar atenção para um repertório menos ouvido", conta. Além de seguir fazendo apresentações pelo Brasil para divulgar "O Amor É Um Segredo", Zé já tem outro disco engatilhado para este início de 2020. Em fevereiro, ele entra em estúdio novamente e grava para o Selo Sesc Água Pras Crianças.