Novos corredores de ônibus entram em operação nesta segundaÍcone de fechar Fechar

MOBILIDADE URBANA

Novos corredores de ônibus entram em operação nesta segunda

Oito corredores de ônibus serão inaugurados nesta segunda-feira, 6, em Rio Preto, com a expectativa de melhorar a fluidez no transporte coletivo; fique atento aos horários permitidos para tráfego e estacionamento


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18
Rio Preto

Começam a funcionar nesta segunda-feira, 6, oito novos corredores de ônibus em 18 ruas e avenidas de Rio Preto. A obra que deveria ter sido entregue em 2017 chegou a ter a inauguração cogitada para o começo de dezembro do ano passado, mas, após pressão de comerciantes e vereadores em função de uma possível interferência nas vendas de final de ano, a inauguração foi adiada para a primeira semana útil de 2020.

E o que significa para os motoristas a entrada em operação dos corredores de ônibus? Que fica proibido transitar e estacionar das 5h às 8h e das 16h30 às 19h30 nos oito novos corredores (confira no mapa) e na faixa exclusiva para ônibus da avenida Alberto Andaló, que entrou em operação em dezembro de 2016, parou para correção e voltou a operar em outubro de 2017.

Com o início, Rio Preto terá 42 quilômetros de corredores de ônibus. Para a Prefeitura, o resultado será a diminuição do tempo dos itinerários de várias linhas de ônibus.

Apesar de começar a funcionar nesta semana, segundo o secretário de Trânsito de Rio Preto, Amaury Hernandes, nos primeiros 15 dias em operação, a Guarda Civil Municipal (GCM) apenas orientará os motoristas sobre as novas regras. "A fiscalização será orientativa e os guardas não estarão nas vias para autuar, exceto no caso daquele condutor que for orientado para não parar no corredor e insistir em parar, aí sim será autuado".

Depois do período de orientação, assim como ocorre na avenida Alberto Andaló, os motoristas poderão ser autuados de três formas. Uma delas é por transitar na faixa em horário proibido. A infração é gravíssima e gera sete pontos na CNH e multa de R$ 293,47. Se estacionar na faixa, o condutor vai cometer infração grave, "ganha" cinco pontos na CNH e multa de R$ 195,47. A outra infração é parar (mesmo com pisca alerta ligado) no corredor de ônibus, o que representa infração média, quatro pontos na CNH e multa de R$ 130,16.

"A Polícia Militar também pode fazer a autuação, mas isso vai ficar mais a cargo da GCM, que estará fazendo uma fiscalização mais ativa durante o período inicial nos corredores. Futuramente, esses corredores serão monitorados por meio de câmeras para que possamos fazer as autuações através da Central de Monitoramento", afirmou Hernandes.

Tráfego

Entre 8h e 16h30, motoristas poderão trafegar pela faixa para o transporte coletivo. Estacionar fica permitido apenas depois das 20h até as 5h, como está informado na sinalização de cada via. A única exceção ocorrerá na avenida Mirassolândia, onde além de trafegar entre as 8h e as 16h30 também será possível estacionar.

"A medida relacionada à Mirassolândia foi tomada em outro governo, onde fizeram um projeto na Câmara dos Vereadores, após manifestação dos comerciantes, permitindo o estacionamento na via durante o dia. Monitoraremos para ver o que vai acontecer [nesses primeiros dias de corredor], se vai garantir a fluidez do trânsito e se não terá nenhum acidente", disse o secretário de Trânsito.

De acordo com o porta-voz da GCM de Rio Preto, Roger Assis, em caso de estacionamento irregular, uma cópia da notificação de autuação será colocada no para-brisa do veículo. No caso de motorista trafegando no corredor durante horário proibido, normalmente a GCM não realiza a abordagem e a autuação é aplicada com o agente anotando a placa do veículo infrator. "Nossas viaturas passarão por essas faixas exclusivas e os condutores serão orientados caso estejam infringindo a lei".

Conversão

Quem quiser fazer uma conversão à direita, para acessar uma rua, também precisa ficar atento à linha da faixa exclusiva para o transporte coletivo. Isso porque a conversão só pode ser feita quando o trecho do corredor estiver com faixa pontilhada. "Se você está andando na via, só pode entrar no corredor quando a faixa é tracejada, aí você entra à direita no corredor e faz a conversão", disse o secretário. A exceção é para acessar imóveis ou estacionamento em frente a imóveis que ficam no meio do quarteirão.

Ao todo, 18 ruas e avenidas de Rio Preto terão pelo menos um pedaço dos corredores de ônibus. Isso porque algumas das faixas exclusivas para o transporte coletivo passam por duas ou mais ruas. É o que ocorre, por exemplo, no corredor das ruas João Mesquita e Pedro Amaral, que contempla também trecho de um quarteirão da rua Boa Vista, que faz ligação entre as duas vias. "Cada corredor vai fazer uma interligação com outras ruas para fazer uma interligação entre as vias", disse Amaury.

Nas avenidas, como na Bady Bassitt e na João Bernardino de Seixas, o corredor de ônibus está instalado na faixa mais à direita em ambos os sentidos de direção, contabilizando uma única via por corredor. Enquanto isso, os corredores das avenidas Mirassolândia e da Philadelpho Gouveia Netto se estendem para além dos limites das vias, contemplando trechos da Elias Tarraf, Valdomiro Lopes da Silva, Ernani Pires Domingues e Cenobelino de Barros Serra.

O plano de mobilidade urbana com faixas exclusivas de ônibus começou a se tornar realidade na cidade em outubro de 2017, quando foi reinaugurado o corredor de ônibus da avenida Alberto Andaló - ele havia sido inaugurado em dezembro de 2016, mas precisou de correções e foi "fechado" por um período. Em meio ao embate entre comerciantes e a Prefeitura de Rio Preto, a operação começou com incertezas.

O corredor completou dois anos de funcionamento no ano passado registrando uma redução média entre cinco e dez minutos nas linhas de ônibus que passam pela avenida, segundo a Ouvidoria do Transporte Coletivo de Rio Preto.

E, acredite, muita gente ainda é autuada por trafegar pela faixa exclusiva. De acordo com dados da Secretaria de Trânsito de Rio Preto, entre janeiro e novembro do ano passado, 361 motoristas foram multados por estacionar ou transitar no corredor de ônibus da Andaló.

A maior parte, 347 autuações, foi de motoristas que estacionaram na faixa no horário exclusivo para os ônibus. Apenas 14 multas foram de motoristas transitando pelo corredor.

Segundo o porta-voz da GCM de Rio Preto, Roger Assis, a explicação é pelo fato de a autuação do veículo transitando pela faixa ser mais difícil de ser realizada pelos guardas. "Com o veículo estacionado fica mais fácil fiscalizar porque a guarda está patrulhando e verifica esse tipo de infração".

Não é difícil ver motoristas transitando pela faixa exclusiva, mas a maior parte não é autuada, pois a Guarda e a polícia fazem a autuação apenas com o flagrante da ação irregular. Ao todo, entre dezembro de 2017 e novembro de 2019, foram multados 1.337 motoristas por estacionar no corredor de ônibus, enquanto 42 foram multados no mesmo período por transitar na faixa exclusiva.

Redução

O Diário entrou em contato com as empresas de transporte coletivo de Rio Preto para saber sobre a redução do tempo dos itinerários com a medida. Por meio de nota, a Circular Santa Luzia informou que passam pelo corredor da Andaló a linha do Higienópolis e a da avenida José Munia. "Podemos citar várias melhorias com a implantação dos corredores, dentre elas: cumprimento de programação de horários, linhas mais rápidas proporcionando menos tempo de espera e de viagem aos clientes", afirmou Wesley Pazetto, do setor jurídico da empresa.

A Itamarati disse que registrou agilidade no trajeto, mas não soube informar de quantos minutos. As linhas que passam pela Andaló e que foram beneficiadas pelo corredor de ônibus são: Estância Jockey Clube, Nova Veneza, Engenheiro Schmitt e Vila Toninho. Sem contar os ônibus interurbanos que, para acessar a rodovia Washington Luís (SP-310), passam pela Andaló. "Agora com todos os corredores funcionando vai otimizar. Podemos dizer que, com o corredor da Andaló, não houve mais atrasos. O usuário quer pontualidade e chegar rápido, os corredores contribuem para isso", disse o diretor da Itamarati, Diego Mansur Guimarães. (RC)

Comerciantes de avenidas onde os corredores de ônibus começam a funcionar nesta segunda-feira temem pela queda nas vendas. O motivo: a falta de vagas para os clientes estacionarem. Apesar do receio, a maioria dos lojistas não sabe o que fazer, apenas diz que está esperando para ver como será a presença dos consumidores nos primeiros dias de operação.

O vendedor Antônio Donizete, de 53 anos, por exemplo, que trabalha em uma concessionária de veículos da avenida Philadelpho Gouvea Netto, disse que já durante as obras muitos clientes reclamavam. "Acho que vai ter muito prejuízo porque não podemos parar os carros na frente da loja, principalmente os clientes. Isso vai afastar um pouco os clientes"

Quem também teme prejuízos é o vendedor de outra garagem da Philadelpho, Guilherme Augusto Machado, de 37 anos. "Vai ficar sem estacionamento, principalmente, para os clientes de fora. Não tendo como estacionar, perdemos a venda. Vamos ver como vai ser", destacou.

"Muitos clientes estacionam aqui independentemente do horário. Agora não vai poder mais. Com certeza isso pode gerar queda nas vendas. Sempre recebemos mensagem pelo Instagram de pessoas que falam que não conseguiram vaga e desistiram de vir à loja. Imagina agora", disse Isabela Fernandes, 20 anos, vendedora de uma loja de roupas da avenida Bady Bassitt.

Para o secretário de Trânsito de Rio Preto, Amaury Hernandes, a extinção de vagas de estacionamento não será tão grande com a operação dos corredores de ônibus. "Vários comércios já estão com as guias frontais rebaixadas, com espaço para receber clientes. Então, onde tem guias rebaixadas já não pode estacionar. Nós temos que lembrar que a vaga do comércio não é o município quem tem que garantir. O dono do comércio é que tem de fazer o estacionamento para os clientes", disse.

O estacionamento só é permitido na avenida Mirassolândia, entre 8h e 16h30, atendendo à lei municipal aprovada pela Câmara em 2017. (RC)

Com os corredores, a expectativa é que o trânsito flua melhor para o transporte público nas avenidas mais movimentadas da cidade. Mas também existe o temor por uma maior dificuldade de tráfego - como na rua Bernardino de Campos - que ficará apenas com uma faixa para carros durante o horário de pico - a outra faixa será do corredor e ainda será mantida a terceira, para estacionamento.

O secretário de Trânsito de Rio Preto, Amaury Hernandes, disse que os primeiros dias servirão de análise para a Prefeitura sobre o que está dando certo e errado. "Caso tenha algum problema, vamos tomar medidas sempre visando à melhoria do trânsito. Nós estamos atentos e se, no corredor da General Glicério (sentido bairro) com a Bernardino de Campos (sentido Centro), gerar problemas, vamos pensar em uma outra solução", disse.

O engenheiro de trânsito Marcos Sigrist destaca que o Centro de uma cidade é complexo para a engenharia, principalmente porque mexe com o cotidiano das pessoas. "Podemos citar como benefício dos corredores a expectativa de dar maior agilidade para o transporte das pessoas com segurança. Ao mesmo tempo que se constrói um espaço exclusivo de ônibus, que levam várias pessoas num único veículo, você tira o espaço para outros veículos".

Entre os fatores elencados para a instalação de um corredor de ônibus está o porte da cidade e a demanda existente. Rio Preto, por exemplo, como mostrou reportagem do Diário deste sábado, dia 4, ultrapassou a barreira dos 400 mil veículos e na proporção é a cidade com mais carros entre as 15 maiores do Estado.

"Quanto menos tempo o veículo fica parado no trânsito, menor o seu custo operacional, e o corredor visa permitir isso. Também se deve avaliar a densidade urbana na área de influência do corredor e a disponibilidade de espaço, ou seja, a geometria das vias", disse o especialista em trânsito Renato Campestrini.

Contudo, além do corredor de ônibus, especialistas dizem que são necessárias outras medidas para ajudar na fluidez do trânsito. "É preciso avaliar itens como o acesso das pessoas aos pontos de parada, a integração com outros modos de transporte e a agilidade nos deslocamentos", indicou Campestrini.

Ele destaca que, além da redução do tempo do trajeto da linha, a expectativa é de que mais pessoas deixem o veículo particular em casa e usem o transporte coletivo. Um ônibus transporta 48 passageiros e ocupa 50 metros quadrados enquanto 48 automóveis ocupam 840 metros quadrados. "Só pela questão de espaço ocupado na via pública e pela quantidade de pessoas transportadas, o corredor já mostra sua importância e motivo pelo qual o transporte coletivo deve ser priorizado", afirmou Campestrini.

Com mais pessoas usando o transporte coletivo, existe um ganho importante para o meio ambiente, pois menos veículos lançam gases poluentes. "De acordo com o Instituto de Energia e Meio Ambiente, em São Paulo os carros transportam 30% das pessoas, mas são responsáveis por 72% das emissões de poluentes. Os ônibus transportam 40% das pessoas e respondem por apenas 3% das emissões de poluentes", disse o especialista. (RC)

  • Corredor 1 - Pedro Amaral (sentido bairro) / João Mesquita (sentido Centro)
  • Corredor 2 - General Glicério (sentido Centro) / Bernardino de Campos (sentido bairro) - Vila Maceno
  • Corredor 3 - XV de Novembro (sentido Centro) / Antônio de Godoy (sentido bairro)
  • Corredor 4 - Alberto Andaló (ambos os sentidos de fluxo)
  • Corredor 5 - Bady Bassitt (ambos os sentidos de fluxo)
  • Corredor 6 - João Bernardino de Seixas (ambos os sentidos de fluxo)
  • Corredor 7 - General Glicério (sentido bairro) / Bernardino de Campos (sentido Centro) - Vila Redentora
  • Corredor 8 - Mirassolândia (ambos os sentidos de fluxo)
  • Corredor 9 - Philadelpho Gouvea Neto (ambos os sentidos de fluxo)

Multas aplicadas no corredor de ônibus da Avenida Alberto Andaló

Por estacionar no corredor de ônibus

  • 1.337 multas (entre dezembro de 2017 e novembro de 2019)

Por transitar no corredor de ônibus

  • 42 multas (entre dezembro de 2017 e novembro de 2019)

Total de multas no corredor de ônibus da Andaló

  • 2018 - 904 multas (entre janeiro e dezembro de 2018)
  • 2019 - 361 multas (entre janeiro e novembro de 2019)

Tipos de autuações no corredor de ônibus

  • Transitar na faixa de trânsito exclusiva para transporte público coletivo de passageiros:
  • Infração gravíssima com 7 pontos na CNH e multa no valor de R$ 293,47

Estacionar no corredor de ônibus em horário de estacionamento proibido pela sinalização:

  • Infração grave com 5 pontos na CNH e multa no valor de R$ 195,47

Parar no corredor de ônibus em horário proibido especificado pela sinalização:

  • Infração média com 4 pontos na CNH e multa no valor de R$ 130,16

Dúvidas sobre os corredores de ônibus

A atuação dos novos corredores de ônibus já começa nesta segunda-feira?

  • Resposta: Não. Segundo a Secretaria Municipal de Trânsito, nos primeiros 15 dias a Guarda Civil Municipal (GCM) vai orientar os motoristas que estiveram transitando ou estacionarem nos corredores de ônibus no horário proibido. A multa só será aplicada caso o motorista - mesmo orientado - não retire o carro do corredor de ônibus ou estacione

Quais corredores de ônibus entram em operação nesta segunda-feira?

  • Corredor da Pedro Amaral com a João Mesquita
  • Corredor da General Glicério com a Bernardino de Campos
  • Corredor da XV de Novembro com a Antônio de Godoy
  • Corredor da Bady Bassitt
  • Corredor da João Bernardino de Seixas
  • Corredor da General Glicério com a Bernardino de Campos
  • Corredor da Mirassolândia
  • Corredor da Philadelpho Gouvea Neto

Como será feita a aplicação das multas?

  • Resposta: Da mesma forma que ocorre no corredor de ônibus da avenida Alberto Andaló, em que a fiscalização fica a cargo da GCM. Em caso de estacionamento irregular, uma cópia da notificação é colocada no para-brisa do veículo. Já no caso de trânsito em corredor de ônibus durante horário proibido, não é necessária a abordagem da PM ou GCM

Câmeras de segurança ajudarão na aplicação de multas nos corredores de ônibus?

  • Resposta: Não. Segundo o secretário de trânsito de Rio Preto, Amaury Hernandes, futuramente câmeras serão instaladas nos corredores de ônibus e as autuações poderão ser feitas via imagens de câmeras de monitoramento, mas por enquanto a fiscalização será realizada apenas pela GCM

É permitido usar o corredor de ônibus para acessar imóveis no limite ou fazer conversões de acesso às vias perpendiculares mesmo em horário de uso exclusivo?

  • Resposta: Sim. A conversão deve ser feita com cuidado, mas na parte pontilhada indicada pelo corredor de ônibus.

Em quais horários o trânsito é exclusivo para o transporte coletivo?

  • Resposta: Das 5h às 8h e das 16h30 às 19h30. Entre as 8h e as 16h30 a faixa exclusiva para ônibus poderá ser usada por todos os tipos de veículos automotores

Foram colocados novos semáforos nas vias que receberam os corredores de ônibus?

  • Resposta: Sim. Esses semáforos permitem a travessia mais segura, uma vez que a pessoa pode visualizar os carros enquanto acompanha o tempo restante para a liberação do fluxo. Os novos aparelhos contam também com controladores individuais que serão ligados a uma central. Assim serão possíveis o monitoramento e a adequação do sincronismo remotamente

Em quais horários será proibido estacionar nos corredores de ônibus?

  • Resposta: Nas avenidas Philadelpho Gouvea Netto, João Bernardino de Seixas e Bady Bassitt fica permitido estacionar apenas depois das 20h e antes das 5h. A única exceção é a avenida Mirassolândia, onde será possível estacionar entre as 8h e às 16h30, atendendo a lei municipal aprovada pela Câmara em 2017. Nas ruas e trechos de ruas contemplados por corredores, como na General Glicério, Bernardino de Campos, XV de Novembro, Antônio de Godoy, João Mesquita, Pedro Amaral, Boa Vista, Siqueira Campos, Tiradentes, Saldanha Marinho e Independência - o estacionamento será liberado na faixa da esquerda