Grupo de mergulhadores retira 30 toneladas de lixo de prainhasÍcone de fechar Fechar

NO FUNDO DAS PRAINHAS

Grupo de mergulhadores retira 30 toneladas de lixo de prainhas

Voluntários apaixonados por pesca subaquática retiram mais de 30 toneladas de lixo dos rios da região


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Um grupo de voluntários apaixonados pela pesca subaquática resolveu se reunir durante o período da piracema para limpar o fundo dos rios da região. O resultado: 30 toneladas de lixo retirados do fundo do rio Tietê. Neste domingo, dia 12, mais uma ação: pelo quarto ano vão limpar as águas em Ubarana.

Um dos idealizadores do projeto é o empresário Flávio Garcia Leal, que é praticante da pesca subaquática. "A ideia de pegar o lixo do fundo do rio surgiu durante a nossa prática de pesca. Sempre encontrávamos lixo e recolhíamos de forma aleatória. Foi aí que surgiu a ideia de, durante a piracema, reunir a turma para ter como foco principal retirar o lixo do fundo do rio", contou. A piracema é o período de reprodução dos peixes, e a pesca fica restrita.

A primeira ação voluntária do grupo foi em 2017, na prainha de Ubarana. Desde então, o projeto não parou e a limpeza já foi realizada nas prainhas de Buritama, Adolfo, Mendonça, Novo Horizonte e Sales. Neste ano, pela primeira vez a ação acontecerá na prainha de Mira Estrela. "Até agora todas as ações que fizemos foi no rio Tietê. Nesse ano, será a primeira vez que realizaremos no rio Grande, na prainha de Mira Estrela".

Em mais de nove edições, os voluntários do Projeto Rio Limpo já encontraram de garrafa pet até eletrodomésticos no fundo dos rios. "Em quase todas as etapas encontramos barcos. Em Sales tiramos várias bicicletas, teve cidade, inclusive, que encontramos fogão e geladeira no fundo do rio", falou Leal.

Os objetos mais recolhidos são garrafas pets e latinhas de cerveja e refrigerante. Eles são levados para a margem do rio e recolhidos pelas prefeituras. São elas que ficam responsáveis por fazer a destinação correta do lixo. "Normalmente, doamos para alguma reciclagem", disse a bióloga da prefeitura de Ubarana, Sheila Silva.

Além do prejuízo à natureza, muitos animais aquáticos também sofrem com o lixo no fundo dos rios. No ano passado, durante a limpeza da prainha de Ubarana, os mergulhadores encontraram uma enguia presa em uma garrafa pet. O peixe foi resgatado e devolvido ao rio Tietê. "Já encontramos muitos peixes presos em redes nos fundos dos rios. São redes que pescadores abandonam", disse Leal.

Com expectativa de reunir 70 voluntários neste domingo em Ubarana, entre eles 40 mergulhadores especializados em pesca subaquática, o grupo espera encontrar menos lixo do que no ano passado. "Vamos ver como será, no ano passado, em Ubarana e Adolfo, retiramos sete toneladas de lixo. Um caminhão ficou cheio só em Adolfo. Tomara que seja menos", finalizou Flávio.

O projeto pode ser inspiração para outras cidades do Estado. Tanto que, segundo Sheila Silva, neste domingo o coordenador estadual do Programa Município Verde Azul, José Walter Figueiredo, estará presente na cidade acompanhando o trabalho. "Para disseminar a ideia do projeto Rio Limpo pelo Estado", destacou a bióloga.

 

  • Cidades que já receberam o projeto: Ubarana, Buritama, Adolfo, Mendonça, Novo Horizonte e Sales. Todas são banhadas pelo rio Tietê
  • Cidades que vão receber o projeto em 2020: dia 12 de janeiro, limpeza será feita na prainha de Ubarana. No próximo dia 16 de fevereiro, limpeza será feita pela primeira vez no rio Grande, na prainha de Mira Estrela