Deputado do PSOL opõe projeto contra lei de CarlãoÍcone de fechar Fechar

Coluna do Diário

Deputado do PSOL opõe projeto contra lei de Carlão

Parlamentar defende que lei foi aprovada por deputados sem saber que tucano tinha interesse na medida, que beneficia indústria de Rio Preto da qual Carlão é acionista


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Deputado de oposição na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), o deputado Carlos Giannazi (PSOL) apresentou nesta terça-feira, 3, projeto para revogar a lei aprovada pela mesma Assembleia em dezembro do ano passado de autoria do deputado Carlão Pignatari (PSDB), atual líder do governador João Doria (PSDB) na Casa.

Para aprovar a lei, que beneficia a Indústria Brasileira de Farmoquímicos (IBF), empresa com sede em Rio Preto e da qual o tucano é um dos acionistas, a Assembleia chegou a derrubar veto do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) à medida.

"Vou pedir apoio a todos os deputados [para votar o projeto], em caráter de extrema urgência", disse Giannazi. "Ninguém sabia que ele [Carlão] tinha interesse direto nessa questão."

O deputado tucano, que é de Votuporanga, nega que tenha pretendido beneficiar IBF e a si próprio. "Acho que um laboratório público tem de privilegiar a venda para agente público. Para quem atende o SUS. Para que querem vender para o Einstein e Sírio. E não vender para o HB de Rio Preto e o Hospital do Câncer de Barretos", afirmou.

A lei proposta por Carlão e aprovada pela Alesp praticamente impediu o governo, por meio do laboratório público estadual que integra o Hospital das Clínicas (HC), de vender o mesmo remédio produzido pelo IBF o FDG (18 F), usado para diagnosticar o câncer a entidades filantrópicas, e assim eliminou um dos principais concorrentes da companhia da qual ele é investidor, cujo faturamento mensal é de cerca de R$ 800 mil, segundo o presidente da companhia, Paulo Togni.

Frase:

'Querem evitar a convocação da secretária. No convite não cabe perguntas. É uma manobra. Um passa-moleque'

Gerson Furquim, vereador do PP, ao criticar a ação de colegas da base do prefeito Edinho Araújo (MDB) para barrar a convocação da secretária da Educação, Sueli Costa, que foi até aCâmara nesta terça, 3, mas como“convidada”, quando nenhum vereador pode fazer perguntas

As confusões de Lula

Desde que deixou a cadeia em Curitiba, o ex-presidente Lula provoca não só os antipetistas. Filiados e simpatizante do partido também estão uma arara, e expõem a irritação nas redes sociais, com a ideia dele de trazer a ex-senadora Marta Suplicy (foto) de volta para a legenda para ser candidata a prefeita de São Paulo no ano que vem. Marta deixou o PT atirando e votou pelo impeachment de Dilma Rousseff.

Com Moro

O deputado federal Geninho Zuliani (DEM) divulgou encontro em Brasília com a presença do ministro da Justiça, Sérgio Moro, para debater a aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento Básico. Ex-prefeito de Olímpia, Geninho é relator da proposta, que aposta em privatizações, para apressar a universalização do saneamento básico no País. Mas a proposta do deputado encontra resistência em parte do Congresso, principalmente à esquerda.

Recadinho do vice

O vice-governador Rodrigo Garcia (DEM) gravou vídeo nas redes sociais endereçado a "prefeitos do interior" para falar sobre o próximo ano. Ele disse que o governo João Doria (PSDB) vai fazer mais obras de infraestrutura em 2020. Rodrigo acumula o cargo de secretário estadual de Governo.

Na conta de Doria

Falando em Doria, a deputada Beth Sahão (PT) usou a tribuna da Assembleia Legislativa de São Paulo para criticar o governador nesta terça-feira, 3, ao comentar as nove mortes ocorridas na favela de Paraisópolis, na Capital, no domingo. Ela classificou o episódio como uma "crueldade" e de "covardia" a ação da Polícia Militar. "O que aconteceu em Paraisópolis foi uma tragédia, foi um massacre", afirmou Beth, que é de Catanduva. "Ele [Doria] é o grande responsável por essas mortes", acusou.

Às consequências

Se prosperarem na Câmara os projetos para proibir que condenados pela Lei Maria da Penha sejam nomeados para cargos em comissão, recebam auxílio-atleta ou que sejam contratados pelas empresas terceirizadas que prestam serviço para município, o universo de empregos afetados será de cerca de 4 mil vagas. Só de terceirizados são 3.340 apenas na Prefeitura de Rio Preto, segundo informação da Secretaria de Administração. Vale ressaltar, no entanto, que essas vagas todas são divididas entre homem e mulher.

Quem acreditou

O Hospital de Base renovou parceria de destinação solidária do Imposto de Renda com a prefeitura de Bady Bassitt. Em reunião com o prefeito Luiz Tobardini (PPS), na segunda-feira, 2, ficou definido que a partir de 2020, entre 5% e 7% de toda doação que o HB receber de incentivo fiscal serão destinados aos fundos municipais do Idoso e o da Infância de Bady. De acordo com a direção do hospital, a captação que começou com R$ 500 mil no ano passado já está em R$ 5 milhões. Antes de procurar Tobardini (foto), o HB ofereceu a parceria para a Prefeitura de Rio Preto, que recusou.

Vereadores de Jaci aproveitaram a última sessão do ano na segunda, 2, para dar aumento de 52% a si próprios e ao prefeito Rafael Tridico (DEM), o Garrafinha. O projeto aprovado elevou o salário do prefeito de R$ 10 mil para R$ 15.200, o do vice-prefeito de R$ 5 mil para R$ 7,6 mil, o dos oito vereadores de R$ 2,2 mil para R$ 3.342 e o do presidente da Câmara, Nivaldo Basso (PP), de R$ 2.500 para R$ 3.798. De acordo com a Câmara, o aumento para prefeito e vereadores seria reposição salarial com base em reajustes anuais concedidos a servidores nos últimos oito anos e que eles deixaram de receber. Segundo um funcionário da Câmara, o projeto foi protocolado no dia 21, mas não estava disponível no site do Legislativo na internet até ontem.

Pneus da discórdia - A Prefeitura de Mirassol abriu processo administrativo contra o motorista Edson Luiz Scochi, acusado de vender pneus usados do município a R$ 2 cada, conforme boletim de ocorrência registrado contra ele no dia 19. O processo pode render até a demissão do servidor. Advogado de Scochi, Renato Luiz nega que o cliente tenha vendido os pneus. Segundo ele, os pneus levados também não eram da prefeitura.

Aquele voto - A posição de Renato Pupo (PSD) contra a adoção do programa Escola sem Partido em Rio Preto, durante votação na Câmara em 2017, pode custar um apoio importante para as pretensões do vereador de ser candidato a prefeito no ano que vem: o de Jair Bolsonaro. Um bolsonarista da cidade que tem canal aberto com o presidente diz que esse seria um dos critérios de escolha dos candidatos.

Reflexo no reduto - Os opositores em Votuporanga do deputado estadual Carlão Pignatari e do ex-prefeito Júnior Marão, ambos do PSDB, tentam capitalizar ao máximo a história de que o parlamentar aprovou lei na Assembleia que beneficia indústria de remédio em Rio Preto da qual ele e Juninho são acionistas. Outro sobrenome importante na cidade também aparece no quadro societário: Facchini.

Demônios em Monte - A Prefeitura de Monte Aprazível contratou a banda "Demônios da Garoa" para apresentação no Réveillon no dia 31 de dezembro. O prefeito Márcio Luiz Miguel (PP) fez a contratação dos artistas por R$ 60 mil sem a realização de licitação. O mesmo procedimento foi adotado para contratar outra atração da festa: a dupla Erik & Caio por R$ 7 mil.