Confira preços da carne em Rio PretoÍcone de fechar Fechar

ECONOMIZE

Confira preços da carne em Rio Preto

Adotar novos hábitos de consumo pode ajudar o consumidor a economizar


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

A carne bovina está mais cara. O motivo do aumento é acompanhado por vários fatores. O principal é o aumento da exportação do produto para a China, o que enfraqueceu o mercado no Brasil e gerou um impacto maior nos preços. A seca também é responsável pelo aumento excessivo. Isso porque o clima encarece a criação dos animais.

Só neste mês, os preços da carne bovina tiveram um aumento de 35%. Segundo o economista Hipólito Martins Filho, o setor não sofre com o aumento há mais de três anos. "A curto prazo, os preços das carnes não devem cair, mas quando reduzirem, não devem voltar ao patamar em que estavam."

O consumidor precisa adotar novos hábitos para driblar os preços. Uma das alternativas é comprar outros tipos de carnes como o frango, o porco e o peixe. Martins Filho explica que naturalmente esses produtos também podem aumentar. Isso porque os consumidores passam a comprar mais e começa a valer a lei da oferta e da procura. "A tendência é que aumentem um pouco. As pessoas vão deixar de comer carne ou diminuir a quantidade e passam a comer outro tipo de proteína como o frango, que já teve um aumento de mais de 3%."

Luciana Cristina Cardi está desempregada, razão essa que faz ser ainda mais importante economizar. Com a alta de preços, ela deixou de consumir carne bovina e passou a comprar frango e porco. "Deixei de comprar a carne por enquanto. Estou levando o frango e a carne de porco em maior quantidade porque estão com os preços mais em conta."

Diferentemente do segurança Marcos Rogério de Souza, que não abre mão da carne bovina. Por isso, antes de comprar ele procura os preços mais em conta. "Verifico quanto está o preço pesquisando. Onde está mais barato eu compro. Mas não basta ser barato, a carne também tem que ter qualidade."

Clique na imagem para ampliar  (Foto: Reprodução)

Pesquisa

Na pesquisa desta terça-feira, 3, o Diário traz os preços de cortes bovinos, suínos e de frango em 12 açougues de Rio Preto. O último levantamento, realizado no começo de novembro, mostrava que a variação de preços chegava a R$ 309,52; hoje a variação chega a R$ 338,75, diferença de R$ 30.

Naquela ocasião, a alcatra - corte bovino escolhido por muitos consumidores pelo custo-benefício - era encontrada ao preço máximo de R$ 30 o quilo. Hoje, esse é o preço mais encontrado na pesquisa desta semana. Quem quiser gastar menos pode optar por produtos embutidos, como as linguiças.

Clique aqui para ver a tabela de preços.

No período de fim de ano, é comum lojas e indústrias de confecções de Rio Preto fazerem bazares, o que pode ser uma boa opção para quem quer comprar roupas para as festas de confraternização ou mesmo presentes de Natal. São peças com descontos e preços que atendem às mais variadas faixas de renda. No levantamento feito pelo Diário - que inclui dez bazares - os preços das roupas variam de R$ 2,90 até R$ 199,99. Os bazares oferecem variedade de produtos como calças jeans, shorts, blusas, conjuntos de lingerie etc.

A maioria dos bazares promovidos em Rio Preto é para queima de estoque de produtos e início de ano com novas coleções, como é o caso do bazar da indústria Forma Rara, voltada ao público plus size. Silene Cristina Viega, sócia-proprietária, explica que o bazar será entre os dias 11 e 14. Será possível encontrar peças com preços a partir de R$ 19,90. "O bazar é para que comecemos o ano com peças totalmente novas".

Os preços são bem atrativos e a variedade de produtos é enorme, mas o consumidor deve tomar bastante cuidado para não sair do controle e começar o ano novo endividado. Para a consultora financeira Juliana Alfonso Batista, essa é uma boa oportunidade para renovar o guarda-roupas, mas antes de tudo o consumidor deve ter certeza de que precisa daquele produto. "O consumidor deve ir com um orçamento pronto, deixar o dinheiro separado para isso e se lembrar das despesas extras de início de ano".