Diário da Região

    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18
03/12/2019 - 00h30min

Arboviroses

Especialistas mundiais discutem dengue

Pesquisadores de várias partes do mundo estarão em Rio Preto para o evento

Johnny Torres 29/1/2019 Dr. Mauricio Lacerda Nogueira
Dr. Mauricio Lacerda Nogueira

Começa nesta quarta-feira, 4, e vai até 7 de dezembro o 4º Simpósio Famerp-UTMB: Infecções Emergentes nas Américas - Interesses comuns e colaboração entre Brasil e Estados Unidos. O evento é promovido pelo Laboratório de Pesquisa em Virologia da Famerp (LPV-Famerp) em parceria com o Departamento de Patologia da University of Texas Medical Branch (UTMB), centro de pesquisas em arboviroses.

"A dengue existe no sul dos Estados Unidos, em lugares como o Texas e a Flórida, mas obviamente em números bem menores do que aqui, até porque o clima é muito diferente", afirma Maurício Lacerda Nogueira, professor do LPV e colaborador da Secretaria de Saúde de Rio Preto.

São cerca de 150 participantes no simpósio, que já está lotado e não aceita mais inscrições. Haverá palestras de profissionais de centros brasileiros e também dos Estados Unidos, França, Argentina, Porto Rico e Reino Unido. Os pesquisadores vão discutir aspectos das doenças veiculadas por vetores, incluindo arboviroses (como dengue, zika e chikungunya), rickettsiose (doenças transmitidas por pulgas, piolhos e carrapatos, como a febre maculosa) e malária. Os especialistas vão falar sobre a biologia dos micro-organismos que causam os problemas, diferentes métodos de diagnóstico, evolução e sobre os insetos.

O Laboratório da Famerp tem parceria com o Departamento de Patologia da UTMB, um centro de excelência nas pesquisas de arbovírus, há pelo menos dez anos. Para Nogueira, Rio Preto conduz bem o diagnóstico e tratamento de dengue. "A própria realização desse evento, com as maiores autoridades do mundo dessa área estando presentes aqui, é um atestado que a cidade se tornou referência mundial nesse assunto e que isso a gente aplica dentro do sistema de saúde", pontua.

Os especialistas também vão abordar a atual situação epidemiológica e aspectos clínicos da pesquisa em arboviroses no Brasil, a interface entre o vírus, o hospedeiro e as características imunológicas, a interação entre os vírus e seus vetores e a relação com o controle dessas doenças.

Nogueira destaca que o Brasil apresenta muitos vetores, como o mosquito Aedes aegypti, por ter características tropicais - quente e bastante chuvoso. O inseto consegue se reproduzir com um ciclo curto, de cerca de uma semana, em todo o território brasileiro, o que faz com que as doenças como dengue, zika e chikungunya se espalhem.

Neste ano, Rio Preto teve a maior epidemia de dengue da história, com 32.835 casos e 19 mortes. A grande explosão se explica por três fatores: a presença do mosquito, a circulação de um vírus que há anos não provocava uma epidemia e a grande parcela da população que estava suscetível a ele.

O surto também atingiu a região e levantamento da Sucen aponta que 21 municípios estão em alerta novamente, pois foi encontrado número de larvas do Aedes acima do considerado tolerável. Além da dengue, preocupam também zika e chikungunya, também transmitidas pelo inseto, pois grande parte da população é suscetível a esses vírus - o primeiro provoca graves malformações em bebês e o segundo tem a tendência de provocar sintomas mais intensos nos pacientes.

 

O evento

IV Simpósio Famerp-UTMB

  • Tema: Infecções Emergentes nas Américas - Interesses comuns e colaboração entre Brasil e Estados Unidos

O que será discutido

  • Aspectos das doenças transmitidas por vetores, incluindo arboviroses (como dengue, zika, chikungunya e febre amarela), rickettsioses (transmitidas por pulgas e carrapatos, por exemplo, como a febre maculosa) e malária. Eles vão abordar aspectos clássicos da biologia dos micro-organismos que causam essas doenças, métodos de diagnóstico e evolução
  • Os pesquisadores vão discutir também a situação epidemiológica e aspectos clínicos da pesquisa em arboviroses no Brasil, além da interface entre vírus, hospedeiro e características imunológicas, a interação entre os vírus e seus vetores e a relação com o controle das doenças

Fonte: Famerp

 

Mosquitos 'do bem' no Rio

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, participou nesta segunda-feira, 2, da liberação dos chamados mosquitos "do bem" em Niterói, no Rio de Janeiro. Segundo o Ministério da Saúde, a tecnologia já se mostrou promissora no combate às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, zika e chikungunya). Nos primeiros resultados, os insetos infectados com a bactéria Wolbachia reduziram em 75% os casos de chikungunya, em 33 bairros da região. A tecnologia inibe a transmissão de doenças que atingem o ser humano.

A metodologia é inovadora, autossustentável e complementar às demais ações de prevenção ao mosquito. A Wolbachia é uma bactéria intracelular que, quando presente nos mosquitos, impede que os vírus da dengue, zika e chikungunya se desenvolvam dentro destes insetos. Não há qualquer modificação genética, nem da bactéria, nem do mosquito. A Wolbachia está naturalmente presente na maioria dos insetos, mas não é encontrada nos mosquitos Aedes aegypti.

Até o momento, o método Wolbachia já foi aplicado em 28 bairros do Rio de Janeiro e 33 de Niterói, atingindo 1,3 milhão de pessoas. Também faz parte do projeto a realização de ações prévias de engajamento e comunicação junto às comunidades locais e profissionais de saúde sobre a segurança do método e seu impacto no ecossistema. Esse processo de mobilização já se iniciou em Campo Grande (MS), Petrolina (PE) e Belo Horizonte (MG), sendo que a soltura dos mosquitos será iniciada nas três localidades no próximo ano, com o apoio do Ministério da Saúde.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 19,00
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo e
ganhe + matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos tr�s primeiros meses. Após o período R$ 19,00

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por Você para acessar o Diário da Região.