Benefícios da arte Tai Chi para a saúdeÍcone de fechar Fechar

INTENSIDADE

Benefícios da arte Tai Chi para a saúde

Equilíbrio e melhora da saúde do cérebro são alguns dos benefícios


    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Uma alimentação saudável e equilibrada à prática de exercícios físicos moderados é o grande trunfo para manter o sistema imunológico sadio e o corpo em dia. Mas o que fazer quando se tem pavor de academia e musculação? Um grupo de Rio Preto tem a resposta. Independentemente de ser ou não da turma que gosta de treinamento com peso, que corre ao ar livre ou que faz ioga ou meditação, o Tai Chi é uma opção para quem quer ficar mais forte, em termos físico e mental, além de aprimorar a saúde.

Mas o que é mesmo o Tai Chi? Ele é considerado uma forma de meditação em movimento. Praticado no mundo inteiro, o Tai Chi é apreciado especialmente pela sua relação com o equilíbrio e a promoção da saúde. É fácil identificar a técnica feita por chineses em filmes. Eles geralmente estão em parques, ao ar livre e em grupo, e fazendo movimentos suaves, gentis e coreografados. Apesar de parecer algo simples, é um exercício que exige foco apenas no momento presente.

Pedro Henrique Bazela Desidério, instrutor de Tai Chi e mestre em Arqueria Chinesa, afirma que o Tai Chi é uma arte milenar oriental. "Há muitos anos atrás, a humanidade observava os animais, a natureza, o céu e os planetas em busca de maior compreensão do mundo. O Tai Chi seria então, o exercício de contemplar e reproduzir na nossa vida os ciclos naturais. Nós podemos chamar em português de Cosmodinâmica. No Tai Chi, buscamos o entendimento de que existe um universo externo e um interno em cada um de nós. Daí o objetivo de saber harmonizar e manipular estes movimentos interiores com os exteriores e ter uma vida muito mais saudável."

As aulas envolvem vários movimentos. Os circulares, por exemplo, são de extrema importância. "Assim como observamos no ambiente a nossa volta, a circularidade existe e refletimos isto na prática. É interessante entender que não precisamos separar corpo e mente, é tudo uma coisa só. Então todo movimento que fazemos com o nosso corpo reflete na mente e o contrário também. Assim, a circularidade feita em aula beneficia muito o raciocínio e funcionamento do nosso cérebro e nosso sistema como um todo, e até mesmo nas relações."

A atividade física de baixo impacto pode ser praticada por todos, sem nenhum tipo de restrição. "Encontramos cada vez mais pessoas buscando a prática do Tai Chi para se recuperar de alguma lesão física, por exemplo, por ter baixo nível de impacto. Estudos científicos no campo da saúde estão voltando a encontrar os benefícios que as artes milenares trazem ao nosso corpo", afirma o instrutor.

Os benefícios são inúmeros. "Na criança e adolescentes, a arte vai contribuir no desenvolvimento do equilíbrio, conhecimento e percepção completa do corpo. Para o adulto, ela vai contribuir na postura, forma de caminhar, reconhecer seu corpo e seus movimentos. Já para os idosos, a arte milenar é uma das atividades mais indicadas para manter o fortalecimento da musculatura, equilíbrio, saúde do cérebro e coluna."

Outros benefícios da prática são o aumento da concentração, da melhora da saúde da coluna e das articulações. Os exercícios meditativos, que também ocorrem em algumas aulas, favorecem uma harmonização interna para uma mente mais serena. Além disso, os praticantes ainda aprendem técnicas de defesa pessoal de maneira suave e pacífica. "Os antigos diziam que se você realiza um movimento perfeito na forma lenta, ele será incrível quando feito de forma veloz", afirma Desidério.

Calma e serenidade

A prática faz bem para a saúde física. Os instrutores e mestres em Pa-Kua Tai Chi estão sempre fazendo pesquisas sobre a alimentação, a natureza e a anatomia, com objetivo justamente de fazer com que, a cada aula, o aluno melhore a saúde física com os exercícios. "Além disso, vivemos num tempo onde quase todo mundo está com pressa para alguma coisa, estamos sempre pensando no que está por vir e muitas vezes ansiosos. O Tai Chi vem trazer uma calma e serenidade ao menos numa pequena parte do seu dia, ajudando muito a concentração e raciocínio nos momentos em que a agilidade é exigida", afirma Desidério, que é praticante há oito anos.

 

Para praticar o Tai Chi, é indicado fazer aulas de competição com regularidade e persistência para dominar a arte. Elas podem ser feitas em espaços abertos e também em ambientes fechados como as academias, e em vários horários, sendo a parte da manhã a mais indicada por causa da energia criativa. O praticante deve usar roupas leves e folgadas para não atrapalhar os movimentos e respirar de forma suave e natural.

A psicanalista Heleny Silvia Scrocchio Romero é uma das praticantes de Tai Chi em Rio Preto. Ela conta que conheceu a arte há alguns anos. "Reunimos, na época, um grupo familiar e convidamos uma pessoa para ministrar aulas para nós. Eu era mais jovem, mas já podia sentir os benefícios desta prática. Precisamos interromper as aulas por motivo de mudança dessa pessoa que ministrava as aulas. Dediquei-me à outra arte marcial. Há dois meses retomei o Tai Chi e já posso sentir os benefícios, aliados às minhas experiências de vida."

Segundo Heleny, os benefícios da arte milenar em sua vida são inúmeros. "Pratico-o à noite, depois que saio do trabalho e posso sentir que ao chegar no local, no começo da aula, estou ainda agitada do trabalho, porém, logo após, vou me tranquilizando, relaxando e me concentro nos movimentos. Dentre outros benefícios, o Tai Chi me proporciona uma melhor concentração, maior consciência corporal, maior atenção ao funcionamento do meu corpo e mente, aumento do equilíbrio físico e diminuição da tensão muscular."

Para a professora Cleusa Lopes, a arte milenar a salvou da depressão. No período que lecionava, ela tinha uma rotina intensa e que mudou do dia pra noite após assinar a aposentadoria. "Mesmo cansada de dar aulas durante mais de 30 anos, eu me senti sozinha ao deixar a rotina da sala de aula. O Tai Chi surgiu quando viajei para São Paulo para fazer terapia porque estava doente, ansiosa. Desde então nunca parei. Precisei praticar bastante para adquirir a habilidade dos movimentos. Hoje, eu pratico em casa no meu jardim."