Protesto exibe vereador que votou contra mais verba para Educação Ícone de fechar Fechar
    • São José do Rio Preto
    • máx 32 min 18

Onze vereadores que votaram contra a inclusão de emendas no Orçamento da Prefeitura de Rio Preto se tornaram alvos de críticas nas redes sociais e foram taxados de "inimigos" da Educação e de professores da rede municipal de ensino. Um quadro mostra os parlamentares que votaram contra as emendas apresentadas pelo vereador Marco Rillo (PT) na Lei Orçamentária do ano que vem, cujo valor global é de R$ 2,07 bilhões.

Segundo o petista, os R$ 5 milhões que ele queria transferir das secretarias de Obras e de Comunicação para a Secretaria de Educação poderiam garantir o cumprimento da lei federal 11.738/2008, que define que o período para atividade extraclasse deve corresponder a 1/3 da jornada de trabalho dos professores. "A aplicação da lei federal consta no Plano de Educação e deveria ser cumprida desde 2017, mas o prefeito e os vereadores fingem desconhecer", afirmou Rillo.

Durante a sessão, o vereador Gerson Furquim (PP) sugeriu aos professores que divulgassem os nomes dos vereadores que se posicionaram contra as emendas durante o período eleitoral. Furquim votou a favor da emenda, assim como Rillo, Jorge Menezes (PTB) e Renato Pupo (PSD).

Votaram contra as emendas: Anderson Branco (PL), Karina Caroline (Republicano), Celso Peixão (PSB), Fábio Marcondes (PL), Francisco Júnior (DEM), Márcia Caldas (PPS), Jean Charles (MDB) Jean Dornelas (PSL), José Carlos Marinho (PSB), José Lagoeiro (DEM) e Pedro Roberto (Patriota). A vereada Cláudia De Giuli (PMB) estava ausente e o presidente do Legislativo, Paulo Pauléra (PP), não vota.

Diante da repercussão negativa da votação, Pedro Roberto e Jean Charles se reuniram nesta quarta, 27, com a secretária de Educação, Sueli Costa, para debater sobre a viabilidade da implementação da legislação federal na cidade. "A lei tem de ser aplicada e o prefeito tem de viabilizar os recursos. Os professores têm razão", disse Pedro. "Tá na hora de o governo resolver esse problema."

O vereador do Patriota admitiu que a repercussão da votação provocou desgaste para a imagem dos parlamentares. Ele, no entanto, afirma que a aprovação das emendas não seria garantia para a aplicação da lei federal pelo município.